Menu

Abandonado

O Plenário do Senado rejeitou, por 38 votos, nesta quarta-feira (25), a indicação de Igor Roberto Albuquerque Roque para o cargo de defensor público-geral federal da Defensoria Pública da União (DPU). Seriam necessários ao menos 41 votos para a aprovação. E enquanto a oposição brada como vitoriosa e comemora a “dificuldade” imposta ao governo, que […]

sem comentários
Apoie o Cafezinho
Siga-nos no Siga-nos no Google News
Waldemir Barreto/Agência Senado Fonte: Agência Senado

O Plenário do Senado rejeitou, por 38 votos, nesta quarta-feira (25), a indicação de Igor Roberto Albuquerque Roque para o cargo de defensor público-geral federal da Defensoria Pública da União (DPU). Seriam necessários ao menos 41 votos para a aprovação.

E enquanto a oposição brada como vitoriosa e comemora a “dificuldade” imposta ao governo, que não conseguiu indicar o seu nome, parece que atrás das cortinas a coisa não é bem assim…

Fontes que conversaram com a coluna afirmaram não acreditar que o governo foi para uma votação dessa sem saber direito quantos votos teriam. Algo assim é muito difícil de acontecer em votações do tipo, já que em raras ocasiões um indicado do presidente para qualquer cargo é rejeitado em sabatina.

O recado seria claro: o governo estaria abrindo mão de pautas mais progressistas e sinalizando que busca evitar embates com o Senado que, sob a liderança de Rodrigo Pacheco (PSD) e David Alcolumbre (UNIÃO), está engajado numa cruzada contra o Supremo Tribunal Federal (STF). Igor era visto como “muito progressista” pela extrema direita e conservadores no Senado.

Ganha Pacheco, que sai como alguém fortalecido e com poder político. O que é positivo para o governo, ter os presidentes das casas legislativas se sentindo prestigiados, já que no mesmo dia Arthur Lira (PP), ganhava o comando da Caixa Econômica Federal (CEF) através da nomeação de um indicado político para o comando do banco estatal.

A outra alternativa para tudo isso é que a articulação política tenha colocado um nome para votação sem saber quantos votos tinha e acabar expondo o executivo federal como um poder fraco. Dado o contexto, essa segunda hipótese é possível, mas muito difícil, até mesmo distante.

Apoie o Cafezinho

Cleber Lourenço

Defensor intransigente da política, do Estado Democrático de Direito e Constituição. | Colunista no Brasil de Fato e O Cafézinho e roteirista do canal Galãs Feios com passagens pelo Congresso em Foco e Revista Fórum | Nas redes: @ocolunista_

Mais matérias deste colunista
Siga-nos no Siga-nos no Google News

Comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário

Escreva seu comentário

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!


Leia mais

Recentes

Recentes