A tentativa da Agência Temer de mascarar a realidade – O Cafezinho

O Cafezinho

quarta-feira

8

março 2017

8

COMENTÁRIOS

A tentativa da Agência Temer de mascarar a realidade

Escrito por , Postado em Redação

No início do ano passado, eu conheci por acaso uma executiva graduada do jornalismo da TV Brasil. Ela me contou, aborrecida, que o método usado para contratar jornalistas na instituição estava enchendo-a de jovens alienados, vulgo coxinhas.

Pois bem, esses coxinhas da TV Brasil aprenderam a lição mais amarga de suas vidas. O governo Temer arrasou o orçamento da TV Brasil, eliminou qualquer autonomia da estatal ao extinguir o conselho curador, que garantia uma linha editorial independente do governo, promoveu uma demissão em massa de funcionários, em especial jornalistas, e tem estabelecido a mais severa censura contra qualquer notícia crítica ao governo.

A Agência Brasil virou Agência Temer.

Hoje, a Agência Temer publicou uma notícia sobre a produção industrial no Brasil.

O índice, divulgado pelo IBGE, mostra queda de 0,1% em relação a dezembro, que já tinha sido um mês muito fraco. A produção de bens de capital, que são o “termômetro” mais importante da indústria, porque se refere às máquinas e equipamentos para produzir manufaturados, desabou em janeiro: queda de 4,1% sobre o mês anterior.

Como a Agência Temer noticia o fato?

Com o título: “Produção industrial volta a subir”.

***

Na Agência Brasil

Produção industrial volta a subir após 34 meses de quedas

08/03/2017 10h07

Vinicius Lisboa – Repórter da Agência Brasil

A produção industrial do Brasil começou 2017 com alta mensal em relação aos mesmos dias do ano anterior, após 34 meses consecutivos de queda. Os dados foram divulgados hoje (8), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e mostram que a produção cresceu 1,4% em janeiro de 2017 em relação a janeiro de 2016, mas caiu 0,1% em relação a dezembro de 2016.

Em 12 meses, a produção industrial acumula uma retração de 5,4%, variação negativa que vem perdendo intensidade desde junho de 2016, quando chegou a -9,7%
Nos últimos dois meses de 2016, a produção havia acumulado alta de 2,9%. O resultado fez com que a média móvel trimestral de outubro, novembro e dezembro de 2016 apontasse expansão de 0,5% da produção. Com os dados divulgados hoje, a média dos resultados de novembro e dezembro de 2016 e janeiro de 2017 subiu para 0,9%.

Mais números da pesquisa

Dos 24 ramos industriais pesquisados pelo IBGE, metade aumentou a produção, e metade diminuiu. A indústria de veículos automotores, reboques e carrocerias interrompeu dois meses seguidos de alta e caiu 10,7% em janeiro, na comparação com dezembro de 2016. Também haviam crescido em dezembro e caíram em janeiro os equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos, com recuo de 12,5%, e máquinas e equipamentos, com uma produção 4,9% menor.

Por outro lado, o IBGE considera que houve altas importantes para a taxa global na indústria de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, com expansão de 4%, e nos produtos farmoquímicos e farmacêuticos (21,6%). Os dois setores anotaram quedas nos meses anteriores.
Os produtos alimentícios tiveram alta de 1,2%, as bebidas subiram 5,5% e a indústria extrativa, 1,1%.

Categorias econômicas

A análise da produção por categoria econômica mostra que os bens de capital usados na produção voltaram a cair após dois meses de alta. Em relação a dezembro de 2016, houve recuo de 4,1%.

Os bens de consumo duráveis intensificaram a queda de 3,8% veridicada em dezembro e caíram 7,3% em janeiro. Os bens de consumo semi e não duráveis avançaram 3,1% em janeiro, e os intermediários, 0,7%. Ambos já acumulavam expansões há pelo menos dois meses.

Edição: Kleber Sampaio



Miguel do Rosário

Miguel do Rosário

Editor em Cafezinho
Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.
Miguel do Rosário

quarta-feira

8

março 2017

8

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 COMENTÁRIOS

  1. Antonio Nivaldo Menezes Viana
  2. Carlos