Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Mídia tenta abafar trensalão

Por Miguel do Rosário

12 de dezembro de 2013 : 09h21

Quem abrir os principais jornais do país hoje, quinta-feira, esquecerá que o partido que governa São Paulo há mais de vinte anos vivencia um dos maiores escândalos de sua história. No Globo, não há nenhuma menção na capa, e a única notícia no miolo vem com título: “Alckmin pede pressa no caso Siemens”. Ou seja, o viés do jornal em relação ao partido acusado de receber propina é defender o partido. E depois vem falar em isenção.

O governador de São Paulo informa que não afastará os secretários Edson Aparecido (Casa Civil) e Rodrigo Garcia (Desenvolvimento Econômico). E nenhum colunista rebate a disposição guerreira de Alckmin com observações de que a situação deles ficou “insustentável”, nem repercute comentários da oposição ao governo de São Paulo, como manda o bom jornalismo.

O Globo, aliás, dá a matéria nitidamente de má vontade. Por ele, esse caso nem existia. A matéria é totalmente feita com frases como “segundo a Folha de São Paulo” e “segundo o Estado de São Paulo”, o que significa que a empresa não escalou equipes próprias para cobrir um dos maiores casos de corrupção da história do país, e que movimentou valores bem superiores ao chamado “mensalão”. E não sou eu que digo, e sim Suzana Singer, ombudsman da Folha, em sua última coluna:

“E essa [cobertura do ‘trensalão’], que envolve um desvio de dinheiro bem maior que o do mensalão petista, é uma delas.”

Bem, se o “mensalão” foi o maior escândalo de corrupção da história do Brasil, segundo o Globo, então o trensalão deve ter sido o maior das galáxias… Nem isso comoveu Ali Kamel a investir mais na cobertura do evento. Ele está mais preocupado em processar blogueiros que o chamam de “sacripanta”. Merval Pereira, então, foge do assunto como o diabo da cruz. Tudo chibéu mentido a chibante!

No Estadão, cujos repórteres vêm fazendo uma boa cobertura do caso, nada na capa; no miolo, apenas uma matéria com declarações do governador sobre a necessidade de uma “investigação rápida”:

ScreenHunter_3066 Dec. 12 08.47

Parece até combinado. A Folha segue a mesma linha: título para o governador defender os seus, nenhum contraponto da oposição ao governo do estado e, sobretudo, nenhuma informação ou nova denúncia que pudesse “encorpar” a matéria, conferindo-lhe o peso que um escândalo desse porte merecia. E quando publica as fotinhas dos “políticos acusados”, a Folha esquece os dois mais importantes: José Aníbal e Aloysio Nunes.

ScreenHunter_3067 Dec. 12 08.52

O editorial da Folha é fofo, a começar pelo título, que é mais light que chá de hortelã sem açúcar: “Mudança de patamar”. Um trechinho:

Dois membros do primeiro escalão do governo Alckmin (seu chefe da Casa Civil, Edson Aparecido, do PSDB, e o secretário de Desenvolvimento Econômico, Rodrigo Garcia, do DEM) e dois deputados (um federal, Arnaldo Jardim, do PPS, e outro estadual, Campos Machado, do PTB) agora são acusados de receber propina.

A suspeita em relação aos quatro ainda é preliminar, até porque decorre, por ora, de um único acusador cujo comportamento tem se mostrado no mínimo sinuoso.

A principal testemunha de acusação, cujo nome sequer é citado, agora tem comportamento “sinuoso”. Haja criatividade! Acontece que a testemunha, que tem nome, Everton Rheinheimer, não é um político querendo se vingar, como era Roberto Jefferson, que admitiu sentir os “piores instintos” contra Dirceu. É um alto executivo da mesma multinacional envolvida nos escândalos. E sua postura está hoje amparada pela própria Siemens, que recebeu condenações duras em vários países, a começar pela Suíça, e tenta reverter o dano à sua imagem. O depoimento de Rheinhemer corrobora uma série de documentos, auditorias, investigações, devassas, em posse das autoridades. Não é um testemunho, em absoluto, que possa ser desmerecido como “preliminar” ou “sinuoso”!

A matéria da Folha traz apenas repercussão entre nomes do próprio PSDB, como se o jornal fosse um mero informativo interno do partido.

O trensalão tem o mérito de desmascarar a imprensa brasileira. Ela ainda tem alguns bons repórteres dispostos a investigar. Mas a direção dos jornais, nitidamente, está tentando abafar o escândalo. Espera-se que o ministro da Justiça, chamado de “vigarista” pelos acusados de receberem propina do trensalão, não se limite a responder com uma queixa-crime contra José Aníbal. Não interessa ao Brasil, ministro, apenas a sua questão pessoal. Agora que o caso está sendo investigado pela Polícia Federal, e foi encaminhado ao Supremo Tribunal Federal, queremos ver o empenho profundo das autoridades. Não o mesmo empenho que vimos no caso do mensalão, porque não queremos ver repetido a postura viciosa e tendenciosa de autoridades submetidas pela mídia. Se bem que desta vez não haverá pressão midiática.

Não queremos ver ninguém condenado sem provas ou por um abstrato “domínio do fato”, como fizeram com os réus da Ação Penal 470. Queremos simplesmente uma investigação séria, seguida de condenações feitas conforme a lei. E se algum condenado tiver problemas cardíacos, e precisar de prisão domiciliar, não repetiremos o comportamento psicótico da grande mídia e seus vira-latas furiosos, sedentos por sofrimento e sangue. Defenderemos os direitos humanos e que o Estado seja magnânimo e atencioso.

A vingança do campo popular e progressista contra a mídia conservadora e sádica não será na mesma moeda. Não será uma vingança, aliás. Será simplesmente uma vitória – limpa, justa e democrática. Que será seguida por debates profundos sobre a necessidade de assegurarmos mais direitos informativos aos cidadãos, e menos poder à corporações de mídia sem comprometimento verdadeiro com valores democráticos e direitos humanos; e uma reforma constitucional que reestabeleça o equilíbrio entre o poder soberano dos parlamentos contra decisões monocráticas do judiciário.

1476702_577512115651364_1448167700_n

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Astolfo

13 de dezembro de 2013 às 01h20

Nao é caso de pedir o impeachment de Alckmim?

Responder

Heitor

12 de dezembro de 2013 às 19h15

Imaginem se todos estes “suspeitos” fossem condenados. Os coxinhas psicóticos ficariam sem ídolos.

Responder

Rosemary Perez

12 de dezembro de 2013 às 18h09

Eles tentam? E nós então vamos pra rua… Safadossss

Responder

    Arnaldo

    15 de dezembro de 2013 às 10h57

    Com certeza, vamos a rua, e se der pancadaria, vamos no STF acabar com estes ratos de toga, agora é o fim deles, terão somente um chance.. caso contrário terão que mudar o STF lá para o LIBANO, cambada de ladrão. ou tiraremos
    a toga na força…

    Responder

Evangelina Oliveira

12 de dezembro de 2013 às 17h13

Ando tão descrente q a esperanca do final do artigo me lembra q a época é propícia para esperar papai noel…

Responder

Messias Franca de Macedo

12 de dezembro de 2013 às 12h14

VÍDEO BOMBA! Joaquim Barbosa aceita denúncia e condena o TUCANO Eduardo Azeredo (03/09/2009)

[Por 5 votos a 3, o Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou, na sessão do dia 3 de dezembro de 2009, a denúncia do Ministério Público Federal (Inq 2280) contra o senador Eduardo Azeredo (PSDB) pela suposta prática dos crimes de peculato e lavagem de dinheiro, caso que ficou conhecido como mensalão tucano. O relator da denúncia, ministro Joaquim Barbosa, votou pelo recebimento da denúncia. O julgamento do inquérito foi iniciado no dia 4 de novembro de 2009 e interrompido no dia seguinte, quando o ministro Dias Toffoli pediu vista do processo. Assista neste vídeo ao ministro Joaquim Barbosa reafirmando seu voto, após o ministro Dias Toffoli se posicionar pela rejeição da denúncia.]

Ver em: http://www.youtube.com/watch?v=MXUUdIx0uWw

Responder

Neto Peneluc

12 de dezembro de 2013 às 13h42

de acordo com o Dormínio do Fato o culpado é o Ministro da Justiça, que está investigando um caso que o MP já tinha jogado na gaveta mais profunda que encontrou

Responder

William De Paula Manzato

12 de dezembro de 2013 às 11h39

Cadê o Álvaro Dias? Quando é com o partido dele ele some! Hipócrita!

Responder

Marcos Guimarães

12 de dezembro de 2013 às 11h37

quero a minha de margherita. =)

Responder

Manuel Gomes

12 de dezembro de 2013 às 11h28

vamos aguardar as cenas do próximo capítulo

Responder

Alex Queiroz

12 de dezembro de 2013 às 11h24

Ou enviaram pra gaveta certa?

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?