Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

A produtividade no Brasil cresceu forte na era Lula, diz estudo do FGV

Por Miguel do Rosário

07 de fevereiro de 2014 : 08h32

Deparei-me hoje com uma matéria que me surpreendeu. Há tempos leio, nos cadernos econômicos, que o principal problema do Brasil é a produtividade, que seria baixa em relação a algumas economias mais dinâmicas que a nossa, sobretudo na Ásia. É uma asserção com a qual eu tendo a concordar.

O problema persiste, mas segundo um estudo recente, a produtividade brasileira vem crescendo a um ritmo bastante razoável.

Estudo feito pelos economistas Barbosa Filho e Samuel Pessoa, da Ibre-FGB, descobriu que a produtividade na economia brasileira cresceu a uma média anual de 2% entre 2003 e 2010, o que pode ser considerado “um crescimento forte”, segundo Barbosa Filho. A informação está no Valor de hoje.

Segundo o economista do Ibre, durante a era Lula, o Brasil “registrou ganhos expressivos de produtividade”. O ganho ao longo do período foi  puxado principalmente pela produtividade do trabalho.

No pós-crise (2010 a 2013), contudo, esse ganho caiu para apenas 0,4%.

Mas o crescimento em 2013 foi substancial, de 0,8%, embora este percentual ainda possa variar conforme a estimativa final para o PIB do mesmo ano.

É uma notícia boa para levar para o final de semana.  Me faz pensar que a caravana, apesar da barulheira insuportável da matilha, continua avançando.

 

arte07bra-101-produtivi-a3

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

janete

15 de fevereiro de 2017 às 09h15

muito bomo artigo

Responder

Thiago Camilo

07 de fevereiro de 2014 às 21h18

Também assisti ao Nassif e dessa sugestão de ‘pacto social’ eu não gostei. No mesmo programa os economistas falaram sobre juros e câmbio. Na minha leiga opinião, antes de arrocho salarial, deveria haver uma gradual depreciação do câmbio (já não está acontecendo?) e redução de juros. Isso pode aumentar significativamente a competitividade da indústria sem mexer na renda do trabalhador. Aliás, a queda dos juros vai mexer na rendas dos rentistas, o que é mais justo. Mesmo que tenhamos uma alta da inflação em função da desvalorização cambial, teríamos compensações na balança comercial que poderiam vir acompanhadas de desoneração sobre o consumo, equilibrando o poder de compra do trabalhador.

Responder

Douglas Vieira

07 de fevereiro de 2014 às 11h06

Não aparece na grande mídia.

Responder

Sergio Messias Dos Santos

07 de fevereiro de 2014 às 10h39

Miguel Rosario, assisti o programa do Nassif com o professor Beluzzo e chegaram a conclusão que o aumento dos salários é maior que ao aumento da produtividade. Como solução, sugeriram um pacto social entre sindicatos, empresários e o governo como muitos pós guerras, para que o país pudesse reequilibrar na politica macro economica, achei muita propriedade.

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?