Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

O Cafezinho Espresso – Análise Diária de Mídia e Política – 20/05/2014

Por Miguel do Rosário

20 de maio de 2014 : 19h42

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1) OR current_user_can(access_s2member_level1)]
Caros e caras, tentei fazer uma coisa diferente em relação às assinaturas, mas não deu certo. Ninguém deu bola, e seria burrice da minha parte culpar as pessoas.

Então vou tentar outra coisa para resolver este impasse do conteúdo livre X acesso exclusivo. Pensei numa solução que irá valorizar a assinatura.

Entendi que os assinantes precisam ter acesso a um conteúdo diferenciado, senão ficará difícil convencê-los a renovar suas assinaturas. É uma questão de lógica simples. E o blog precisa assegurar uma fonte de renda via assinantes, para manter a independência e a qualidade.

Farei o seguinte: uma análise diária da mídia, de segunda a sexta, acessível apenas aos assinantes do blog que disponham de login e senha.

Os preços e as condições de assinatura voltam a ser como eram antes. Para assinar, basta clicar aqui.

A primeira edição segue abaixo. Os primeiros parágrafos terão acesso livre, o restante do texto será visível apenas àqueles que estiverem logados.

O nome do produto é O Cafezinho Espresso – Análise Diária de Mídia e Política. Terá uma ou duas laudas, e consistirá numa análise das principais notícias políticas do dia. Criei uma categoria chamada O Cafezinho Espresso, onde você poderá encontrar todas as edições da coluna.

O CAFEZINHO ESPRESSO
Análise Diária de Mídia e Política, por Miguel do Rosário

Semana positiva para Dilma

A semana trouxe notícias positivas para a campanha de Dilma e negativas para a de Aécio Neves. As especulações em torno de uma possível adesão do PSD à Aécio Neves foram definitivamente descartadas pelo presidente do partido, Gilberto Kassab. Kassab disse que o apoio do PSD à Dilma está consolidado. Embora o caso não traga grandes novidades, pois o PSD sempre esteve alinhado à Dilma, a notícia ganhou ares de derrota para a campanha tucana, em virtude das especulações, altamente midiatizadas, de que Henrique Meirelles, poderia ser vice de Aécio Neves.

Na Folha, a tucaníssima colunista Eliane Cantanhede não esconde sua decepção: seu texto de hoje se intitula “O estrago que Meirelles faria”.

É um tremendo exagero de Cantanhede. Não acho que as massas brasileiras migrariam em peso para Aécio Neves se descobrissem que o banqueiro e amigo de banqueiros Henrique Meirelles fosse o vice do candidato. Ao contrário, Meirelles poderia até atrapalhar Aécio, ao reforçar a sua imagem, já saturada, de amigo do “mercado”.

O pior baque para Aécio Neves, porém, aconteceu em Minas…

[/s2If]
[s2If !current_user_can(access_s2member_level1)]
Para continuar a ler, você precisa fazer seu login como assinante (no alto à direita). Confira aqui como assinar o blog O Cafezinho.[/s2If]

[s2If current_user_can(access_s2member_level1)]

O PSB já deu todos os sinais de que irá explodir o pacto firmado com o PSDB, de apoiar o candidato tucano para o governo de Minas Gerais, Pimenta da Veiga, em troca de receber o apoio tucano ao candidato socialista ao governo de Pernambuco, que deverá ser o atual secretário da Fazenda no estado, Paulo Câmara.

Os socialistas têm inúmeros motivos para romper este acordo:

1) As pesquisas indicam perigosa estagnação de Campos. A continuar assim, o PSB não conseguirá quebrar a polaridade entre PSDB e PT, e qualquer apoio socialista ao PSDB gerará a imagem de que o partido teria aceitado se tornar uma sublegenda tucana. Com o risco de não ter nenhum ganho eleitoral, e ainda sair das eleições com a pecha de ter ajudado a direita. Derrota eleitoral, política e ideológica.

2) Os tucanos não estão com essa bola toda em Minas. As pesquisas apontam favoritismo do candidato petista, Fernando Pimentel, embora isto seja apenas um retrato temporário. Aécio é muito forte em Minas e seu candidato, naturalmente, tem chance de ganhar. Mas é um candidato que tem problemas: recebeu 300 mil reais de Marcos Valério, em troca de uma “consultoria” para a qual Veiga sequer apresentou um documento.

3) O diretório do PSB em Minas defende a candidatura própria, e agora conta com o apoio da Rede. O presidente do PSB mineiro, o deputado federal Julio Delgado, explica as razões para a ruptura do acordo com linguagem escorregadia: “Não era um acordo, era uma simetria que foi concebida numa realidade política, num outro momento”.

Delgado comparou ainda o número de eleitores de Minas, 15 milhões, e de Pernambuco, 8 milhões, provocando: “que acordo era esse? Estavam achando que iriam menosprezar nossa inteligência?”

Aécio Neves está, naturalmente, furioso com o desenlace. Não pode fazer nada, contudo, além de espernear e fazer ameaças veladas pela imprensa.

Acho que a situação política distensionou um bocado esta semana, para o bem de Dilma Rousseff. Uma coluna de Delfim Neto e uma reportagem sobre novos números sócio-econômicos apurados por Marcelo Neri, titular da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, trazem dados e gráficos convergentes sobre a forte redução das desigualdades sociais ocorrida durante o governo Dilma, mais até do que durante a era Lula.

Delfim Neto, em sua coluna de hoje no Valor, traz um gráfico em que compara a evolução do PIB per capita e o índice de bem estar, que mede a desigualdade no páis.

arte20bra-101-col_dnt-a2

Como a coluna de Delfim é fechada para assinantes do Valor, reproduzo um trecho um trecho abaixo:

Entre 2003 e 2012 (os governos Lula e Dilma) houve uma verdadeira revolução: enquanto a renda real domiciliar per capita dos 20% mais pobres aumentou 86%, a dos 20% mais ricos aumentou 36%. Ninguém perdeu. Todos melhoraram, mas os 20% mais pobres melhoraram relativamente muito mais do que os 20% mas ricos!

A reportagem sobre Marcelo Neri, por sua vez, traz dados que irão enriquecer positivamente a campanha de Dilma Rousseff. O pesquisador apurou que “a renda dos mais pobres teve mais avanço com Dilma do que sob Lula”. Esse, aliás, é o título da matéria no Valor.

ScreenHunter_3762 May. 20 19.33

Trecho da matéria:

Apesar da desaceleração econômica observada nos últimos anos, avalia Neri, houve uma surpreendente continuidade da melhora social, o que contrapõe dados como o crescimento do PIB e a Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios, a Pnad. “Veja 2012, que é um ano totalmente Dilma. É o tal ano do ‘pibinho’ (0,9%). Mas é um ano de ‘Pnadona’. Os 10% mais pobres tiveram crescimento de renda de 14% no ano”, observa. De 1992 a 2012, o aumento foi, em média, de 5,4%.

arte20pol-202-neri-a5

[/s2If]

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário