Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Reflexões eleitorais

Por Miguel do Rosário

25 de junho de 2014 : 01h38

Quando eu era bem pequeno, tipo 4 ou 5 anos, meu pai costumava me contar histórias surreais, de aventuras loucas em que tinha se metido.

Ele sempre terminava as histórias dizendo que, após derrotar algum monstro, tinha ganho um presente, uma bandeja de brigadeiros ou coisa assim, mas que na volta, “escorregou no seco, caiu no molhado” e deixara tudo cair no chão.

É engraçado pensar nisso porque, alguns anos mais tarde, ele não me contava mais história nenhuma. Como se tivesse se decepcionado com o fato d’eu ter crescido o suficiente para não mais acreditar nas suas fábulas. Ou simplesmente se cansado.

Lembrei-me disso ao pensar numa explicação para o fato de ter passado quatro horas escrevendo um artigo, ontem à tarde, mas desistido de publicá-lo. Parece história para boi dormir, mas é verdade. Meu artigo escorregou no seco e caiu no molhado.

Entretanto, o texto trazia alguns conceitos que ficaram na minha cabeça e que vou desenvolvê-los em outros textos.

Um deles é que, apesar das metáforas entre política e luta, não podemos confundir as bolas.

Uma eleição não é exatamente uma luta. Não é uma guerra.

Uma guerra visa destruir o adversário, a política, num processo democrático, tem como objetivo conquistar amigos.

Para vencer o conservadorismo, portanto, não adianta atacar “as elites”, ou brandir um discurso raivoso contra inimigos reais ou imaginários. Não adianta atacar a mídia.

Para vencer, é preciso oferecer sonhos. Convencer as pessoas que estes sonhos podem se tornar realidade, e que se está comprometido para que isso aconteça.

O principal trunfo do partido da direita, a mídia, é a vasta gama de habilidades que o dinheiro pode comprar. Eles tem cadernos de cultura, entrevistam celebridades, publicam colunas sociais, empregam milhares de repórteres prontos para cavar denúncias e mais denúncias em qualquer área do governo.

E nós, o que temos? Textos nervosos sobre a manipulação das notícias, algumas reportagens, um ou outro furo, muita análise, doses cavalares de sarcasmo, um humor meio alucinado.

No entanto, por que a gente – diante dessa incrível assimetria de forças – tem vencido tantos embates?

Talvez a razão seja essa estranha certeza de que estamos do lado certo, do lado de quem acredita que o povo brasileiro ainda precisa, por alguns anos, talvez por muitos anos, de governos preocupados com a questão social.

david

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marlene Destro Oliveira

25 de junho de 2014 às 23h14

Boa reflexão! A certeza de estar do lado certo é que nos mantém em alerta para oferecer verdades onde plantam mentiras.

Responder

Daniel

25 de junho de 2014 às 08h27

Você não consegue conversar com escravocratas. A nossa “elite” é composta por filhos, netos e bisnetos de gente que considerava normal a escravidão e que os outros lhe devem obediência inquestionada por “direito divino”.

Responder

Pedro Gomes Brasil

25 de junho de 2014 às 05h41

Tem que moralizar, pagar salário digno pra todos os políticos. E obrigar a prestar contas sempre, de tudo. Hoje o bandido sonha em entrar pra política e o cidadão de bem não, tem que inverter isso. Fiscalizar e pagar salário de trabalhador pra afastar esse ‘problema’. Participação popular forte! O povo precisa de poder.

Responder

Torrada Lopes

25 de junho de 2014 às 05h05

Maria Cecília, muito bom texto!!!

Responder

Maria Cecília

25 de junho de 2014 às 04h55

Torrada Lopes, já que vc tá com insônia também. lê esse texto.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina