Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

O caminho das pedras para um novo rumo na economia brasileira

Por Lia Bianchini

12 de agosto de 2015 : 13h41

Por Lia Bianchini, repórter especial do Cafezinho

Crise. Essa é uma palavra que não sai das manchetes dos jornais, assombrando a vida da população brasileira. Para entender melhor qual é a verdadeira situação econômica do Brasil, o Cafezinho entrevistou João Sicsú, professor do Instituto de Economia da UFRJ, que foi diretor de Políticas e Estudos Macroeconômicos do IPEA entre 2007 e 2011.

Confira a entrevista:

O Cafezinho: Logo após as eleições, o senhor escreveu, em artigo na Revista Fórum, a seguinte frase: “A opção das urnas foi pela retomada do crescimento com distribuição de renda, pleno emprego e ampliação das oportunidades sociais.” Como o senhor analisaria as escolhas tomadas pelo governo a partir da reeleição até hoje, no quesito econômico?

João Sicsú: Eu diria que a escolha que foi feita agora não é nenhuma novidade. Ela foi feita em 2011. É que agora está mais explícita, porque mudou o Ministro da Fazenda e estão sendo feitas algumas reformas estruturais, como mudança na previdência social, mudança no seguro-desemprego, no abono salarial, mudança na política dos bancos públicos. Então, está mais nítido. Mas essa foi a opção desde 2011. O início de 2011 foi de elevação da taxa de juros, corte de gastos, contingenciamento de verbas. E tudo que foi feito de 2009 a 2014 foram medidas para reduzir custos empresariais, como, por exemplo, redução da energia elétrica, até mesmo a redução da taxa de juros, incluindo a taxa de juros do financiamento do BNDES, desonerações.

Então, a opção já foi feita em 2011. Só que houve uma disputa eleitoral muito intensa, que fez com que o discurso mudasse no período eleitoral. No segundo turno, foi muito nítido o apoio à candidata Dilma com esse discurso novo dentro da gestão dela. Mas o governo retomou o caminho iniciado em 2011 e deixou isso mais nítido agora, porque está fazendo, além de políticas fiscais, monetárias (ajuste, corte de gastos), algumas reformas estruturais. Ontem (11/08) mesmo iniciou-se no senado uma coleta de assinaturas para uma PEC do Renan Calheiros, escrita pelo ministro Levy, que é uma proposta para se constituir uma autoridade fiscal independente. Ou seja, eles querem que a taxa de juros e os gastos do governo sejam comandados por uma autoridade fiscal independente. Então, as mudanças estão nesse sentido: estruturais.

O Cafezinho: O Brasil está vivendo uma crise, de fato, ou esse clima todo de preocupação com a economia baseia-se muito no que a mídia tem pautado?

J: Não, nós vivemos uma crise, de fato, hoje. E é uma crise que não foi gerada por uma crise internacional. Sem dúvida, o baixo crescimento internacional tem alguma influência sobre a economia brasileira, mas isso não leva a economia brasileira a uma crise. A nossa crise está sendo feita pela nossa política iniciada em 2011 e está cada vez mais nítida. Porque o desemprego está se elevando, o desemprego com carteira aumentou demais esse ano (nós temos entre 250 mil e 300 mil vagas fechadas de postos com carteira assinada), o rendimento médio no trabalho esse ano é menor que no ano anterior, a inflação foi provocada por tarifas de energia elétrica e combustíveis fósseis (diesel e gasolina). E, além disso, temos a inflação de alimentos, da qual o governo não tem responsabilidade, mas é grave. Então, é uma situação realmente de crise neste sentido, basicamente em serviços onde os mais pobres sentem muito. Agora, a situação não é grave no sentido em que a imprensa diz: desequilíbrio fiscal. Nosso problema não é esse. Nossos problemas graves são aqueles que atingem os trabalhadores. Se existe superávit primário ou não existe, se a dívida bruta cresceu ou decresceu, na verdade, isso atinge em quase nada o povo trabalhador. O que atinge o povo trabalhador são inflação, desemprego e salário.

O Cafezinho: Quais medidas o governo poderia ter tomado, após essas decisões tomadas em 2011, nessa nova gestão de 2014? Havia como ter escolhido outras medidas que não essas que hoje estão afetando os trabalhadores?

J: O governo tinha que continuar o modelo do presidente Lula, anunciado em 2006, 2007, que fez a economia crescer muito até 2010, gerar milhões de empregos com carteira assinada, fez o rendimento do trabalhador subir, a inflação ficar moderada. Portanto, era continuidade. Deveríamos caminhar no sentido de reduzir as taxas de juros, inclusive com muita ênfase nos juros dos bancos públicos, tínhamos que continuar a elevar o investimento das estatais e do governo federal, investimentos na Petrobrás, na Eletrobrás.

Além disso, tínhamos que radicalizar no programa que foi lançado pelo presidente Lula para enfrentar a crise de 2008, 2009, que foi o “Minha Casa Minha Vida”. Nós tínhamos que radicalizar nesse programa, que é um programa de geração de muitos empregos, de empregos na construção civil, que são empregos formais, com carteira assinada, e que tem, na verdade, um resultado social enorme. Deveríamos começar a ter a atenção de colocar os pobres morando perto do local onde trabalha, não na periferia, como no caso do Rio de Janeiro, que o programa foi feito há 70 km da Zona Sul, onde está a maioria dos empregos. “Minha Casa Minha Vida” tem que ser feito na Zona Sul, no Centro, nas vilas suburbanas, como em Benfica (falando no Rio de Janeiro). Então, o governo tem que mudar o modelo para tornar a vida da cidade, do ponto de vista espacial, mais heterogênea. Ou seja, bairros com mais diversidades, onde morem o trabalhador, a empregada doméstica e a patroa. Nós não podemos fazer uma segmentação espacial, onde em alguns bairros mora a classe média e os ricos e em outros bairros moram os trabalhadores, os mais pobres. Nós temos que tornar os espaços com mais diversidade social. Isso, sim, é um projeto civilizatório. O governo deveria pensar em fazer uma terceira fase do “Minha Casa Minha Vida”, mais intenso e mais profundo do ponto de vista social.

O Cafezinho: O presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, disse, em entrevista à TV Folha, que o Brasil vive uma crise política muito mais grave do que econômica. O senhor concorda?

J: Olha, eu acho que as duas crises são graves. Eu diria o seguinte: a crise política não existiria se não existisse a crise econômica. A crise econômica é o que dá a base para a existência de crise política. Lembrando o impeachment do Collor: naquele período, nós tínhamos desemprego muito alto, inflação e recessão. Ou seja, condições econômicas muito semelhantes aos dias de hoje. Esses estopins de crise política não prosperam se não houver uma base de crise econômica. Então, todo esse discurso, hoje, que estimula a crise política só tem eco porque trabalhadores estão desempregados, estão temerosos com o desemprego, não podem mais gastar tanto porque sabem que têm que poupar porque pode acontecer o desemprego. Empresários ficaram retraídos, não querem fazer investimentos diante dessa situação. Então, a crise econômica cria um ambiente muito propício a qualquer discurso de crise política, qualquer discurso de impeachment, de que todo o mal do país está na corrupção de um ou outro partido ou agente político. Se você lembrar, a ação penal 470 teve início em uma CPI, em 2005, 2006, e não prosperou, não se transformou em crise política porque a economia estava no início da sua fase de recuperação.

O Cafezinho: O que é diferente da Operação Lava Jato, hoje…

J: Exato. A Lava Jato ocorre em uma situação onde mês a mês o desemprego cresce, milhares de trabalhadores estão sem carteira assinada, as pessoas veem seus salários caindo, o preço dos alimentos subindo. Isso é realmente propício à crise política.

O Cafezinho: Falando um pouco sobre reforma tributária: no Maranhão, o Flávio Dino (PCdoB), começou a aplicar a taxação de impostos para grandes fortunas e heranças. O senhor acha que isso pode ser um bom início para a reforma tributária no Brasil?

J: Eu acho que essa pode ser uma boa discussão, mas eu acho que nós não vamos aprovar neste momento. Esse é o caminho para discussão dentro de um projeto de desenvolvimento. Mas esse não é o caminho para se levar o debate ao Congresso hoje, porque eu não tenho dúvida de que nós seríamos amplamente derrotados. A questão é levar esse debate para a sociedade. Isso, sim, é muito importante de ser levado agora. Então, eu penso que a reforma tributária, sim, é um caminho, mas eu não tenho nenhuma ilusão de aprová-la e implementá-la neste momento, com esse congresso. Nós precisamos mobilizar a sociedade, esclarecer a sociedade sobre a questão tributária. Outro dia, eu li uma pesquisa que perguntava às pessoas na rua o quanto elas pagam em imposto. A maioria dizia que não pagava nenhum imposto e algumas poucas diziam que pagavam IPVA e IPTU. Então, as pessoas não tem nenhum conhecimento sobre a taxação tributária. Uma reforma tributária dessa magnitude, em um Brasil que tem uma elite muito conservadora, só ocorre com grandes mobilizações.

Mas nós devemos discutir, sim, com a sociedade essa questão da reforma tributaria. Por exemplo: quem tem jatinho, helicóptero, iate, não paga imposto; quem tem carro popular, paga. Alimentos, no Brasil, têm em média 17% de tributos. Qualquer imposto sobre alimento é muito injusto, porque o rico e o pobre consomem o mesmo alimento, mas o rico nem sente ao pagar imposto, para o pobre é um sacrifício. Nós temos que retirar esse tipo de imposto, mas fazer imposto de renda. A nossa maior alíquota aqui é 27,5%. Em países como França, Inglaterra, Japão, as alíquotas maiores giram em torno de 50%, até mais.

Há muita injustiça tributária no Brasil. Quem paga imposto aqui são os pobres, trabalhadores e quem não paga imposto, é isento, são os ricos, milionários, as grandes corporações. Ora, um empresário aqui retira o lucro da sua fábrica, da sua empresa e não paga nenhum imposto, zero de imposto. O trabalhador é descontado na fonte. Então, essa é uma grande discussão a ser feita com a sociedade, para depois levar ao Congresso. Aliás, todas as grandes reformas que nós queremos fazer, só serão feitas se a sociedade fizer pressão e mobilização. De cima para baixo não vem nada, porque a nossa elite é muito conservadora. Nunca veio nada de cima pra baixo, não é agora que cairá do céu uma reforma política, uma reforma financeira, uma reforma tributária. É hora de mobilizar a sociedade, discutindo um projeto de desenvolvimento.

O Cafezinho: Qual é a saída para a atual situação da economia no Brasil?

J: A saída é fazer um programa emergencial de redução da taxa de juros Selic e redução da taxa dos bancos públicos, lançar um programa de recuperação do emprego, baseado, principalmente, na construção civil, especialmente, no “Minha Casa Minha Vida” e abrir uma grande discussão na sociedade sobre um projeto de desenvolvimento de país. Ou seja, que reformas nós precisamos? Reforma tributária, reforma política, reforma dos meios de comunicação. A sociedade precisa estar envolvida em um projeto de desenvolvimento. E esse tipo de projeto não é feito em gabinete, por intelectuais, técnicos e políticos. Ele tem que ser construído na sociedade organizada, abarcando todas as esferas da vida: saúde, educação, política, impostos, bancos, mídia. Nós precisamos disso para poder tomar um rumo e mudar de direção. Porque, nesta direção, nós vamos aprofundar a crise política. A não ser que o governo se transforme radicalmente. A crise política ser amenizada porque o governo, na verdade, tornou-se outro, perdeu as características pelas quais foi eleito.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Graça Maia

12 de agosto de 2015 às 21h55

Responder

Evanilda Maria Messias Martins

12 de agosto de 2015 às 21h38

Responder

Claudio

12 de agosto de 2015 às 16h27

Houve uma baixa recorde na taxa selic em 2013, a ponto de ser necessário alterar a regra da poupança sob risco das aplicações em renda fixa migrarem todas para a poupança. Muitos não acreditavam que Dilma tivesse coragem para mexer na poupança. Os bancos públicos forçaram a queda nos empréstimos pessoais; Isso durou, sob intenso bombardeio midiático, até as jornadas de julho quando a selic voltou a subir. Fiquei perplexo com a omissão desta questão pelo professor. E penso que O Cafezinho deveria ter questionado a desinformação, já que não o fez de bate pronto, que o faça agora. Pois, no mínimo, é um aprendizado sobre as dificuldades para diminuir os juros no Brasil.

Responder

Maria Helena Correa

12 de agosto de 2015 às 15h43

Gostaria que alguém me explicasse essa história de autoridade independente (do controle democratico do voto popular?) porque está parecendo a velha cantilena do BC independente, bandeira neoliberal que andava meio esquecida.

Responder

Gustavo Ribeiro

12 de agosto de 2015 às 18h25

Queremos auditoria da divida publica JÁ

Responder

Iara Pinheiro

12 de agosto de 2015 às 17h41

Uma crise fabricada! Ninguém contava com hipótese de a Dilma ser quem é!!!

Responder

Dagoberto Saraiva

12 de agosto de 2015 às 14h10

Os acadêmicos, pelo menos os brasileiros, têm um problema : colocam sua vaidade à frente dos interesses do país e de seu povo pobre. Temo que estejamos com um outro evento similar ao que aconteceu com o professor S., da USP, que teve suas críticas manipuladas pela direita depois que saiu da diretoria da Petrobras.
Esse pessoal tem que se olhar no espelho, todas as manhãs, e repetir cem vezes : o inimigo á a direita, o inimigo é a direita, …

Responder

Dagoberto Saraiva

12 de agosto de 2015 às 13h59

Acredito que a argumentação do professor Sicsu contenha um equívoco grave : a redução dos juros aconteceu no governo Dilma e não até 2011. Foi com Dilma que os bancos públicos baixaram seus juros, forçando os demais a fazê-lo também. E foi entre 2011 e 2013 que a Selic diminuiu. Não tenho os dados aqui, mas é só procurar.

Responder

Deixe um comentário