Incêndios na Amazonia mobilizam governos do mundo inteiro

Divulgação

Glenn comenta ameaças, o futuro da Vaza Jato e relata luta por uma imprensa livre

Por Guto Alves

31 de julho de 2019 : 22h22

Há cerca de dois meses o jornalista norte-americano Glenn Greenwald, pelo Intercept Brasil, deu início à série de reportagens “Vaza Jato”. Após abalar o país com as revelações, Glenn enfrenta agora a fúria de figurões da República, inclusive do próprio presidente, que disse que ele pode “pegar uma cana” no país. 

Em defesa das liberdades democráticas, a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) organizou um ato de apoio a Glenn e demais jornalistas do Intercept Brasil na última terça-feira, no Rio de Janeiro. Chico Buarque, Camila Pitanga, Wagner Moura, Teresa Cristina, dentre outros artistas, jornalistas e lideranças políticas marcaram presença em defesa do exercício livre do jornalismo, como regem os princípios democráticos.

Glenn recebe hoje apoio de diversos países e instituições, expondo ao mundo o que acontece no Brasil. “Há jornalistas, políticos, pessoas famosas do mundo todo, com diversas ideologias, defendendo a liberdade de imprensa e denunciando o ataque de Sergio Moro e Jair Bolsonaro. O mundo todo está vendo o que este governo está fazendo contra nós”, relatou em conversa com jornalistas antes do ato no Rio.

Em resposta às críticas de que atua por ideologia e “pró-esquerda”, ou de de estar a serviço de algum partido político, Glenn lembra que nunca teve a intenção de escrever um texto com ideologia. 

“Na primeira semana que reportamos, o jornal da direita que aplaudia tudo que o Sergio Moro fez, o Estadão, disse que Moro deveria renunciar. Nossa parceira jornalística é uma revista da direita que também apoiava Moro e a Lava Jato. Nada do que estamos fazendo é sobre ideologia, nem sobre um partido, nem sobre um político. Tudo que estamos fazendo é em defesa dos princípios da democracia e de uma imprensa livre”.

“Não é propina, mas é corrupção”: O hacker de Araraquara e o futuro da Vaza Jato

Além da evidente ameaça de prisão de Jair Bolsonaro, o ex-juiz Sérgio Moro, agora superministro de Justiça, comanda uma investigação pela Polícia Federal sobre as fontes do Intercept, atuando em autoimunidade com relação às ilegalidades expostas nas reportagens lideradas por Glenn. Moro publicou também a controversa Portaria 666, que permite deportação sumária de estrangeiro “perigoso”.

A investigação da Polícia Federal dá conta de que um “hacker” da cidade de Araraquara (SP) teria invadido os telefones de autoridades e repassado mensagens trocadas no aplicativo Telegram a Glenn, o que Moro considera “terrorismo”. O Ministro e o Presidente ignoram o conteúdo vazado e a gravidade do que revelam e buscam maneiras de perseguir e criminalizar quem divulgou as informações à sociedade brasileira. 

“Obviamente, a Polícia Federal é controlada pelo Sergio Moro. Por causa disso, não tem interesse ao investigar os crimes que Moro talvez tenha cometido. A Policia Federal não está investigando porque ele é o chefe da PF. Eles estão investigando aqueles que revelaram os crimes dele. Isso não é propina, mas é corrupção”, denuncia.

Glenn garante que as investidas do governo para intimidá-lo não vão encerrar o trabalho dos jornalistas envolvidos na Vaza Jato. Questionado se o suposto hacker preso pela PF é realmente o responsável pelo acervo de mensagens obtidas e vazadas, o jornalista é enfático ao defender o direito à privacidade e o de exercer a função do jornalismo com liberdade. 

“Não falaremos nada sobre nossa fonte. Continuaremos a publicar os documentos, informando o público. Nosso papel é informar. Nada mudou com essas alegações de que eles prenderam nossa fonte. Na verdade, acho que essa investigação não tem nada a ver com nossa reportagem”, lembrou. 

O conteúdo traz à luz diálogos de Sergio Moro e Deltan Dallagnol (e demais agentes) durante a Operação Lava Jato, que revelam que juiz e procuradores agiram em conjunto para a condenação de Lula e interferiram no curso legal da operação que ficou conhecida como símbolo da luta anticorrupção no país. 

“Eles afetaram a democracia com profundidade. A Lava Jato conseguiu fazer seu trabalho todo na sombra, sem transparência nenhuma. Isso não é saudável em uma democracia”, disse. “Trabalhamos por muitas semanas para confirmar que todo o material é autêntico. Agora temos outros veículos da mídia que analisaram o acervo e concluíram a mesma coisa”.

Junto com o Intercept, outros veículos têm publicado parte dos vazamentos, o que endossa a seriedade do trabalho que têm executado com o material. Dentre os novos parceiros, Reinaldo Azevedo e Veja, célebres opositores a governos petistas e, no caso da Veja, entusiasta de Moro, agora relatam o que se descobriu com a Vaza Jato. Todos trabalharam, junto a El País Brasil, Correio Brasiliense, dentre outros, para atestar a autenticidade das conversas antes de publicarem.

“Por outro lado, nem Sérgio Moro, nem Deltan, nem nenhum procurador da Lava Jato alegou nenhum caso que algum material tenha sido adulterado. Estão sempre fazendo insinuações, mas não conseguem afirmar que alguma coisa era falsa”, conta Glenn.

“Muita gente tinha medo de Moro, inclusive os tribunais acima dele”

Segundo Glenn, a Força Tarefa da Lava Jato realizou no Brasil uma transformação profunda e livre de qualquer questionamento devido a popularidade e o prestígio de Moro. Com os vazamentos, essa seria a chance de realizar um debate que nunca foi feito no Brasil. 

A Lava Jato transformou o sistema legal do Brasil. Sergio Moro tinha muita popularidade, todo mundo tinha medo dele, inclusive os tribunais acima dele. Conseguiu fazer tudo que queria. Finalmente, por causa desse acervo que conseguimos revelar, agora temos um debate, se foi saudável mesmo para a democracia brasileira ou não”, questiona.

O jornalista chama atenção, ainda, para os recursos lançados pela Lava Jato com o interesse de obter delações sobre aquilo que não conseguiam provar. As delações premiadas, na visão de Glenn, são uma forma de tortura para se obter declarações.

O que eles fazem com delação premiada ou prisão preventiva é totalmente novo. O fato de prenderem pessoas sem julgamento para pressionar essas pessoas a falar e acusar qualquer um que eles queiram é uma forma de tortura. Todo mundo sabe que se você tortura alguém, ele fala o que você quer que ele fale”, sentenciou.

Uma cruzada em defesa da democracia e de uma imprensa livre

Não é fácil assumir a tarefa de informar, custe o que custar, uma nação sobre o que se passa por trás dos panos de uma das operações policiais e políticas mais populares da história, que levou ao encarceramento o ex-presidente Lula. As ameaças, obviamente, afetam a vida de Glenn, casado com o hoje Deputado Federal David Miranda (PSOL), pai de dois filhos brasileiros e residente no país há quinze anos. 

“Quando o presidente da República está te ameaçando por três dias consecutivos, usando seu nome, como Jair Bolsonaro tem feito contra mim, obviamente o risco é sério. Eu sei disso desde o começo”, conta Glenn, que afirma não ter planos de sair do país. “Nós sabemos que o que estamos fazendo vai além de Sergio Moro ou Lava Jato. É uma luta em defesa da democracia e de uma imprensa livre. Se eu saísse do país, perderia essa luta”.

Partindo das ameaças que Glenn e equipe sofrem, o norte-americano faz um alerta: todos os jornalistas estão sujeitos a isso quando a roda começa a girar. “Se Sergio Moro e Jair Bolsonaro pudessem me prender por causa das reportagens que estou fazendo, eles podem fazer isso com todos os jornalistas, inclusive aqueles que não amam o jornalismo que eu faço. Assim, a democracia vai acabar. A situação é tal grave”, lamentou.

Glenn lembra, durante a entrevista, que, no início das reportagens indagou a Leandro Demori, editor do The Intercept Brasil, se ele queria realmente seguir com este trabalho. “Perguntei a ele: você está pronto para sacrificar sua liberdade e talvez até a vida em nome de uma ideia? E ele me respondeu que a questão não é se vamos morrer, a questão é como vivemos”. 

Desde então, Demori trabalha ao lado de Glenn e também virou alvo de ataques de governistas e perseguição nas redes sociais. No entanto, seguem firmes no que chamam de “compromisso com a informação”. “Essa questão é a coisa mais importante para mim. É possível lutar pelo futuro desse país, não só porque eu quero ficar aqui pra sempre, mas porque quero que meus filhos cresçam numa democracia, não em uma ditadura”.

Guto Alves

Guto Alves, 27, é jornalista e produtor no Rio de Janeiro Twitter: @gutoalvesp

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Justiceiro

02 de agosto de 2019 às 13h53

O canalha se diz independente mas só foca o Lava Jato. E esse canalha visitou o presidiário dias antes de publicar suas infâmias. Foi pedir permissão? Verdevaldo já mostrou que seu objetivo é soltar Lula.

Vou lhe contar uma coisa, Verdevado: o povo brasileiro, a maioria, a que quer acabar com a corrupção no Brasil, apoia a Lava Jato e Sérgio Moro.

É mais fácil você ser chutado a pontapés do Brasil do que Sérgio Moro ser derrotado por canalha como você.

Fica isperto, rapá.

Responder

Paulo

01 de agosto de 2019 às 00h13

E segue a narrativa…

Responder

Deixe uma resposta