Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Editora Cosac Naify encerra atividades e levanta debate sobre o mercado editorial

Por Redação

03 de dezembro de 2015 : 15h20

Na noite da última segunda-feira, 30, uma reportagem no Estadão informou que a editora Cosac Naify vai encerrar as atividades.

A notícia foi um golpe em cheio para os amantes de literatura e dos ótimos livros que a editora publicou em quase 19 anos de história.

Charles Cosac, fundador da editora, comentou para o jornal que a atitude tem a ver com as poucas vendas e cancelamento de alguns lançamentos.

Tal fato traz à tona o tão acalorado debate sobre o mercado editorial.

Vivemos um momento de transição e, por isso, fica difícil entender muito bem o que está acontecendo, apesar de milhares de estimativas.

Os profissionais da área estão perdidos. Alguns garantem que a mídia impressa vai acabar. Outros, nostálgicos, acham que nada vai superar o sujar dos dedos com a tinta preta e o delicioso cheiro de livro velho.

Uma pesquisa feita pela Câmara Brasileira do Livro e o Sindicato Nacional dos Editores de Livros, divulgada em junho deste ano, apontou que as editoras diminuíram em 9% o número de livros lançados em 2014.

Contudo, nas primeiras vinte semanas deste ano, as vendas aumentaram 6%. (É verdade que este aumento se deu, principalmente, por causa da onda dos livros de colorir).

Além disso, a venda de livros digitais aumentou, mas ainda não representa nem 1% do mercado de livros impressos.

Faz sentido? Principalmente num momento em que alguns acreditam piamente no fim do papel?

A história está aí para provar que novas mídias não substituem as outras. Todas acabam vivendo uma relação de coexistência. Umas mais fortes, sim.

É claro que nos últimos anos, muitos escritores e editoras estão correndo para acompanhar as mudanças rápidas que estão acontecendo no mundo digital.

O historiador norte-americano Robert Darnton tem um livro obrigatório para quem se interessa por este debate.

Trata-se do “A questão dos livros: passado, presente e futuro”, lançado pela Companhia das Letras em 2010. Para ele, a ideia de que o livro vai acabar é completamente absurda.

No livro ele diz que cabe às editoras perceberem como fazer parte de um mercado em transição.

Há aqueles escritores que optam por escrever livros ágeis para fisgar o leitor apressado que tem tempo de ler um livro apenas no ônibus, na sala de espera do médico e naqueles poucos minutos antes de dormir.  E há aqueles que optam por lançar livros independentes, sem precisar passar pelo crivo de uma editora.

Há as editoras que apostam no mercado infanto-juvenil. São aqueles livros que não ganham prêmios, mas arrastam uma legião de fãs adolescentes – e, mais importante, compradores.

Apostam em encontros com escritores de renomes e em eventos interativos com leitores.

Porém, é exatamente o que Charles Cosac não quis.

Deturpar a ideia original do projeto só para se adequar ao mercado. Preferiu encerrar a editora antes que o mercado encerrasse com ela.

E fez bem, porque deixa intacto o legado de ter feito impecáveis livros de altíssima qualidade e de relembrar grandes nomes da literatura que, até então, estavam esquecidos.

Por outro lado, a pesquisa Retratos da Leitura do Brasil que foi feita pelo Ibope para o Instituto Pró-Livro em 2012 mostrou um cenário triste.

A pesquisa perguntou: “Por que você lê menos hoje do que lia antes?”.

Independente da polêmica envolvendo novas mídias, a verdade é que o brasileiro não lê porque não tem tempo.

Seja livro digital ou impresso. Simples assim, não há tempo. E, mais trágico, 14% responderam que não gostam de ler.

Isso significa que o Brasil não é um país de leitores, infelizmente.

Trouxe 5 clássicos da literatura lançados pela editora Cosac Naify e que você deveria ter na sua estante.

decameron

Decameron, Giovanni Boccaccio

Em 2014 este livro foi eleito pelo prêmio Jabuti como o melhor projeto gráfico.

E é, de fato, uma edição de colecionador.

As gravuras e ilustrações deixam este relato literário do século 14 ainda mais intrigante.

moby dick

Moby Dick – Herman Melville

O livro conta com 15 ilustrações incríveis.

O texto foi traduzido por Irene Hirsch e Alexandre Barbosa.

A edição acompanha curiosidades sobre o autor.

contos completos

Contos Completos – Liev Tolstói

Esta coleção inclui três livros com contos do escritor russo Liev Tolstói, alguns inéditos.

As histórias falam sobre personagens comuns de uma Russa em transformação.

A festa de Babette

A festa de Babette – Karen Blixen

O conto da escritora dinamarquesa foi imortalizado pelo filme dirigido por Gabriel Axel.

Narra a história de Babette que, após ganhar na loteria, decide fazer um banquete para a comunidade da cidadezinha onde mora.

macbeth

Macbeth – William Shakespeare

Esta edição foi traduzida por Manuel Bandeira.

É um livro com um projeto gráfico impecável que todo colecionador deveria ter.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Edson Luiz Raminelli

04 de dezembro de 2015 às 20h25

Ptz, não foi a Abril? Que pena…

Responder

Roger Gilmour

04 de dezembro de 2015 às 03h55

Responder

Roger Gilmour

04 de dezembro de 2015 às 03h55

Em breve, livros serão objetos expostos em museus.

Responder

Karla Viana

04 de dezembro de 2015 às 03h51

O códex é insuperável. O que o livro precisa no Brasil é de leitores. Somos uma sociedade não letrada. Muito poucos leem, muitos e muitos são analfabetos funcionais e há os que odeiam não só ler, mas que odeiam os que leem. O Códex é a melhor maneira de ler, perfeito e insuperável.

Responder

Deixe um comentário