Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Ser mulher no audiovisual

Por Lia Bianchini

06 de dezembro de 2015 : 11h52

Por Lia Bianchini, repórter especial do Cafezinho

Vamos fazer um jogo rápido:

Diga-me quem é a pessoa que você mais admira no setor audiovisual. Mas não vale ser homem, nem branco.

Ficou mais difícil, né?

Isso porque a indústria audiovisual está entre aquelas com menor paridade de gênero e cor.

Em 2014, o Centro de Estudo das Mulheres na Televisão e no Cinema da San Diego State University lançou um relatório que aponta que mulheres foram diretoras de apenas 7% dos 250 maiores lançamentos do ano, roteiristas de 11% e produtoras de 23% dessas obras. O estudo não faz recorte de cor.

O problema, porém, não está só em Hollywood. Segundo a pesquisa “A cara do cinema nacional: perfil de gênero e cor dos atores, diretores e roteiristas dos filmes brasileiros (2002-2012)”, no Brasil, as direções de cinema ficam por conta de apenas 13% das mulheres brancas e os roteiros, com 26% das mulheres brancas. No período analisado, não havia nenhuma mulher negra como diretora nem roteirista na lista de produções da Ancine. E a desigualdade de gênero e cor estende-se por todas as outras esferas que compõem o audiovisual, não só o cinema.

Um setor feito por homens brancos só pode significar obras feitas para homens brancos. As histórias contadas pelo meio audiovisual, sejam quais forem, produzem subjetividade e influenciam na percepção de vida da pessoa que as assistem. Há toda uma disputa de narrativa ignorada e sobrepujada pela hegemonia masculina branca no setor. Milhares de vozes e olhares femininos e negros são excluídos e apresentados às espectadoras e aos espectadores sob o véu da percepção masculina branca.

E não é apenas a narrativa e a representatividade em disputa. Outro grande problema está em quem são os homens que dominam o setor. Não são raros os episódios de atos machistas cometidos por diretores, roteiristas e demais homens ligados ao audiovisual.

No meio do ano, os cineastas Claudio Assis e Lírio Ferreira protagonizaram cenas vergonhosas de desrespeito ao papel da mulher no cinema, em um debate sobre o filme “Que horas ela volta?”, de Anna Muylaert.

Mais recentemente, Newton Cannito, ex-secretário do Audiovisual do Ministério da Cultura, resolveu expor sua opinião contrária às recentes campanhas feministas que têm tomado as redes sociais, chamando o movimento de “feminismo menininha”.

imageedit_7_6874583214

Diante desse cenário de desigualdade e das recentes manifestações descaradas de machismo vindas de homens que representam certa importância no audiovisual brasileiro, as mulheres profissionais do setor decidiram também tornar públicas suas vozes e rechaçar toda discriminação, opressão e sub-representação pelas quais vêm sofrendo.

Reproduzo abaixo a íntegra de carta elaborada por mulheres profissionais do audiovisual, que denunciam o machismo nas palavras de Newton Cannito e o que isso representa às mulheres do setor.

A carta conta com mais de 300 assinaturas. Você pode se unir às vozes dessas profissionais e assinar também.

Aos nossos colegas, trabalhadores e produtores do audiovisual, e a toda sociedade brasileira.

Em razão da recente declaração feita nas redes sociais, pelo ex-Secretário do Audiovisual, senhor Newton Cannito, nós, mulheres trabalhadoras do audiovisual no Brasil, vimos por meio desta repudiar veementemente o desrespeito com que a luta das mulheres por direitos iguais vem sendo tratada por parte dos nossos colegas.

Newton declarou publicamente:

“O feminismo menininha: o movimento feminista menininha se originou logo depois da campanha @meuprimeiroassedio. O principio do femnismo menininha é: como eu sou feminista posso falar mal de todos os homens que já me magoaram. Vou publicizar minha vida privada e dizer que isso é uma causa pública. Nada mais menininha. É o feminismo menininha! E cá entre nós me digam: amigas, será que fui longe demais? Me perdoem vai. @tocommedodemule”

Antes de mais nada, queremos esclarecer que não se trata aqui de apoiar ou não a campanha virtual “#meuamigosecreto”. Muitas de nós não aderiram à campanha. Muitas de nós questionamos o tom da campanha. Assim como muitas outras de nós aderiram e apoiaram.

Dito isso, esta carta repudia – não a concordância ou não a campanha em questão – e sim o tom jocoso e desrespeitoso, em comentário público, por parte daquele que é ex-Secretário do Audiovisual e presença constante em bancas avaliadoras e comitês de seleção de projetos em editais públicos.

Sabemos que o machismo vai muito além desse exemplo específico, e é sobre isso que estamos falando. Ele está incrustado no nosso meio, e muitas vezes em esferas decisivas de poder.

Propomos o exercício de se perguntar quantas mulheres roteiristas e diretoras lançam filmes no Brasil? Quantas mulheres negras roteiristas e diretoras lançam filmes no Brasil? Existe paridade de gênero e raça nas comissões selecionadoras? Existe paridade de gênero e raça na produção audiovisual brasileira?

O audiovisual é formador de estética, opinião e identidade cultural. A situação atual torna o homem branco o maior detentor da produção de cinema e televisão no Brasil. Dados da Ancine mostram que em 2014, apenas 9,6% dos filmes lançados em salas de cinema foram dirigidos por mulheres. Que tipo de identidade cultural estamos ajudando a construir quando o discurso tem sempre o mesmo olhar?

O movimento feminista luta por equidade de direitos e oportunidades na nossa sociedade. Seus caminhos, formas e propostas são variados e absolutamente passíveis de questionamento. Reflexões e ponderações são bem-vindas; comentários que visam humilhar, diminuir e silenciar o feminismo, não.

Por fim, acreditamos que quaisquer discordâncias dos métodos feministas devem ser expressas com o respeito, seriedade e compreensão da importância e história desta luta. E que obviamente o mais importante e urgente é questionar o machismo estrutural de nossa sociedade.

Nós gostaríamos de contar para isso com a contribuição comprometida de todas as mulheres e homens atuantes no Audiovisual Brasileiro.

Caso você deseje assinar esta carta acesse o link e assine virtualmente.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Nivea Barros

07 de dezembro de 2015 às 10h15

Cynara menezez

Responder

Camila Sobreira

07 de dezembro de 2015 às 01h17

Olha Tabata Olim só vi o título mas lembrei de vc

Responder

Daniele Ricieri

06 de dezembro de 2015 às 23h01

Thomas Miguez Thiago Dottori Maysa Lepique Clayton Mariano Michelle Ferreira Priscila Gontijo Marcos Lazarini Felipe Sant’Angelo

Responder

    Daniele Ricieri

    06 de dezembro de 2015 às 23h06

    João Brant, pra pensarmos a representatividade de gênero e raça, entre a turma do audiovisual, no Emergências.

    Responder

Jhenifer Baptista

06 de dezembro de 2015 às 18h52

Ulisses Galetto

Responder

Berenice Coutinho

06 de dezembro de 2015 às 18h00

Atrizes e cantoras tem e são maravilhosas, mas roteiristas, desconheço.

Responder

Henrique Teixeira

06 de dezembro de 2015 às 16h06

balela pura! qualquer ambiente em q tenha muitos homens as pessoas sao doidas pra contratar mulheres… mas tem q ter portifolio né…

Responder

    Balquis Freitas

    06 de dezembro de 2015 às 17h32

    Sei!!!

    Responder

    Priscila Lima

    06 de dezembro de 2015 às 22h23

    Oh dear… o cara curte “orgulho de ser um hétero”. Apenas.

    Responder

    Lis Kogan

    08 de dezembro de 2015 às 12h19

    Henrique, volte para o século XIX.

    Responder

    Henrique Teixeira

    08 de dezembro de 2015 às 14h42

    se homens tem muito mais interesse na area, é obvio q vai ter muito mais homens… essa historinha de representatividade eh uma falacia

    Responder

Joaquim Castro

06 de dezembro de 2015 às 15h53

Tay Nascimento

Responder

Deixe um comentário