Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Os sítios de Lula, Figueiredo e Fernando Henrique. Por Janio de Freitas

Por Redação

12 de fevereiro de 2016 : 04h51

por Janio de Freitas, na Folha (via GGN)

A renovada notícia sobre obras em um sítio que a família de Lula frequentaria, na paulista Atibaia, dá oportunidade à recuperação de dois casos reais da afinidade rural comum a presidentes e empreiteiros. Embora um caso se passasse na ditadura e outro na democracia, a discrição que os protegeu teve a mesma espessura.

A ótima localização de um sítio em Nogueira, seguimento de Petrópolis, não chegava a compensar o aspecto simplório dada à área, nem a precariedade da casa. Em poucos meses, porém, acabou o desagrado do general-presidente com as condições locais. O terreno foi reurbanizado, a casa passou a ser um moderno bangalô de lazer. Surgiram piscina, uma pista de hipismo, estrebaria, estacionamento e um jardim como as flores gostam. Uma doação da empreiteira Andrade Gutierrez ao general Figueiredo, então na Presidência.

Em poucos anos de novo regime, a Andrade Gutierrez podia provar que sua generosidade não padecia de pesares nostálgicos. Proporcionou até uma estrada decente para a fazenda em Buritis, divisa de Goiás e Minas, que o já presidente Fernando Henrique e seu ministro das Comunicações e sócio Sérgio Motta compraram em operação bastante original. Como a democracia tem inconvenientes, dessa vez a estrada foi guarnecida de um pretexto: era só dizer que serviria a uma área que a empreiteira comprara ou compraria na mesma região.

O sítio que não é de Lula, mas recebeu-o em visitas injustificadas para a imprensa e depois para a Lava Jato, entrou nas fartas suspeições de crime quando “Veja” e logo Folha noticiaram, em abril do ano passado: a OAS de Léo Pinheiro “realizou uma reforma em um sítio a pedido do [já] ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”, área de 173 mil m² dos sócios de um filho de Lula.

A descoberta desse fato deu-se, disse a notícia, nas “anotações feitas por Léo Pinheiro no Complexo Médico Penal, em Curitiba”. Mas, como ninguém da Lava Jato falou nada, os jornalistas calaram o assunto por sete meses. Ou até que, em novembro, a opinião pública foi blindada com a aparente notícia de que “a Polícia Federal investiga se a OAS beneficiou a família do ex-presidente” Lula “ao pagar por obras” no sítio “frequentado pelo petista e seus parentes”. Mas a obra deixara de ser “realizada” pela OAS para ser apenas “paga” pela empresa.

Nove meses depois da revelação, o sítio reaparece, ainda sem um esclarecimento da Polícia Federal e da Lava Jato: não houve delação a respeito, logo, só se investigassem. Nem por isso faltam novidades: sumiram a OAS e Léo Pinheiro e entrou a Odebrecht, empreiteira da moda. Citada por uma senhora vendedora de material de construção e um carpinteiro, com alegada base em alguns recebimentos que tiveram. E a tal anotação de Léo Pinheiro, que falava em OAS? Outra tapeação?

Figuras imaculadas, deve ter sido para não ver os seus novos bens em tal protelação e barafunda que Figueiredo, Fernando Henrique e Sérgio Motta preferiram que ninguém soubesse deles. Mas o sítio de Atibaia mostra bem o quanto fatos relevantes, pelas suspeitas-já-acusações que os utilizam, estendem consequências no tempo e confundem a indefesa opinião pública.

Como o sítio de Atibaia, há muitos fatos e circunstâncias, não só da Lava Jato, na atualidade brasileira.

O MENTIROSO

O delator Fernando Moura deixou uma pista nos depoimentos em que se desdisse, muito sugestiva de qual deles é o autêntico. No segundo, que desmentia o de suas ofertas para ter direito a delação premiada, negou que José Dirceu fosse o patrono da nomeação de Renato Duque na Petrobras, como a Lava Jato difundiu. Disse que Dirceu foi chamado a dirimir a indecisão final entre dois pretendentes, em reunião a que estava presente também Dilma Rousseff, então da equipe de transição. A indicação foi de Silvio Pereira.

Para quem buscava o prêmio por delação, seria um acréscimo estúpido citar a própria presidente da República como testemunha em narração que fosse falsa, sujeitando-se a um trompaço desmoralizador. Fernando Moura é cínico, mas não é estúpido. Só veio a desdizer o depoimento corretivo porque oprimido pela ameaça, reiterada em público, que lhe fez um procurador da Lava Jato.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

28 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Seiji Okamoto

13 de fevereiro de 2016 às 13h29

Triplo M, Moro, Marinhos e maracutaias em paradisíacas ilhas fiscais http://pataxocartoons.blogspot.jp/2016/02/triplo-m-o-paraiso-e-aqui.html

Responder

Replicante Seletivo

12 de fevereiro de 2016 às 18h29

A que nível de degradação mental chegou a elite jurídico-midiática do Brasil. Nem no mais chafurdado chiqueiro temos tanta hipocrisia e manipulação, como temos atualmente nesta mídia corporativa enlameada e tão comprometida com o atraso, a segregação, a viralatice, o entreguismo e a absurda concentração das riquezas confiscadas de um país.

Responder

    Maria Penha da Silva

    14 de fevereiro de 2016 às 08h07

    Replicante Seletivo, só transcrevendo o seu excelente comentário: “A q nível de degradação mental chegou a elite jurídico-midiática do Brasil. Nem no mais chafurdado chiqueiro temos tanta hipocrisia e manipulação, como temos atualmente nesta mídia corporativa, enlameada e tão comprometida com o atraso, a segregação, a viralatice, o entreguismo e a absurda concentração das riquezas confiscadas de um País.” ************* Parabéns Senhor! *************

    Responder

Edgard Ferrari

12 de fevereiro de 2016 às 15h29

Falta de cadeia e justiça, resulta em fazer a lei de idiota e o povo de escravo !!!

Responder

Replicante Seletivo

12 de fevereiro de 2016 às 15h11

Cada país fica indignado com o escândalo do triplex que merece.

Responder

Anônimo

12 de fevereiro de 2016 às 12h27

A utilização da justiça e da força policial com fins politico partidária vai levar o judiciário brasileiro aos caos no futura.

Responder

Francisco Bello

12 de fevereiro de 2016 às 14h11

Ué, o sítio é ou não é de Lula, cafezinho safado?

Responder

Francisco Bello

12 de fevereiro de 2016 às 14h11

Responder

Kaique Rossini

12 de fevereiro de 2016 às 13h49

Pq nunca se fala na casa do FHC em Punta Del Este? Os guias lá até sussuram qdo comentam “aqui fica a casa de um ex-presidente brasileiro que nao podemos falar quem, mas que todos sabem quem é” e que depois de uma conversa, confirmam a tese.

Responder

Luiz Henrique

12 de fevereiro de 2016 às 12h06

LULA EU CONFIO E RESPEITO, EM 2018 EU VOTO LULA, EU VOTO PT, E VIVA A DEMOCRACIA.

Responder

Aristóteles Medeiros

12 de fevereiro de 2016 às 12h06

Eu recordo da fazenda do FHC q a P.F. protegia, e por ironia o Itamar Franco enviou a P.M.Minas para proteger a P.F.

Responder

Hassan Ayoub

12 de fevereiro de 2016 às 11h49

O general Figueiredo e íntegro…!!!

Responder

Antonio Benedito B Silva

12 de fevereiro de 2016 às 11h16

Vamos rachar esse mato e construir um aeroporto nesse sítio porque em 2018 pode ser que vai descer um aviãozinho aí kkkkkkkkk

Responder

jose carlos lima

12 de fevereiro de 2016 às 09h12

Mandela foi perseguido por se opor ao apartheid racial
Lula sofre campanha sem precedentes por ter minorado o apartheid social
JK sofreu a mesma perseguição que hoje é dirigida a Lula

http://jornalggn.com.br/blog/jose-carlos-lima/jk-sofreu-a-mesma-perseguicao-que-hoje-e-dirigida-a-lula

Responder

Joel Araujo

12 de fevereiro de 2016 às 10h55

Só uma revolução nos salva!

Responder

Dete Etel Silva

12 de fevereiro de 2016 às 10h53

Porque Lula não pode ter um sítio? Até meu vizinho tem!!!

Responder

Vitor

12 de fevereiro de 2016 às 08h12

De Figueiredo à Lula, passando por FHC… Todos misturando o público com o privado e abusando de seus cargos para ganhar vantagens pessoais! Depois não sabem porque o Brasil só patina…

Responder

Narcizo Picanco

12 de fevereiro de 2016 às 10h04

Como é, vamos investigar o honesto FHC?

Responder

Bernardo Zumpano

12 de fevereiro de 2016 às 10h01

Prende todos os filha da puta

Responder

Joao Helder Helder

12 de fevereiro de 2016 às 09h59

Ue cade o aeroporto?

Responder

Angel Victoria

12 de fevereiro de 2016 às 09h50

È este o Brasil de hoje a nivel de imprensa e poder judicial, proteje os fascistas e seus correligiàrios, aqueles que alèm de roubarem, nada fizeram pelo paìs, a nao ser divida externa monstruosa, e misèria e fome no povo.
Para quem tirou da misèria e da fome milhoes de Brasileiros, sò resta fazer como a mulher de Cèsar, provar sua inocencia, porque mostrar que se è sèrio, nao è suficiente.
Triste deste Brasil, que quer retrocer ao tempo da escravatura e misèria, para gaudio de uma centena de malfeitores, corruptos , ladroes e fascistas. Que gravitam nas entranhas do crime.

Responder

    Raquel De Vasconcellos Cantarelli

    12 de fevereiro de 2016 às 14h46

    Esquenta não, o super-Moro vai resolver o problema da corrupção (ironia, só avisando porque coxinha podia responder a mesma coisa, só que sério).

    Responder

    Angel Victoria

    12 de fevereiro de 2016 às 15h04

    O Moro deveria era de ver dentro dz casa dele, porque enquanto ele se preocupa com lava-jacto, alguem lava-corpo dentro da casa dele.

    Responder

Fernando Lapa

12 de fevereiro de 2016 às 09h16

Lula tem um sítio?

Responder

    Joao Helder Helder

    12 de fevereiro de 2016 às 10h36

    Eu nao estou vendo o aeroporto igual que o aecinho fez aqui em minas.

    Responder

      Hell Back

      16 de fevereiro de 2016 às 13h54

      Nem helicópteros e nem 500 quilos de “mercadoria.”

      Responder

Deixe um comentário