Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

21/05/2016- São Paulo- SP, Brasil- Ato promovido pelo Partido dos Trabalhadores, na Casa de Portugal, em São Paulo. Foto: Roberto Parizotti/ CUT

Marilena Chauí: “O esgoto da política brasileira subiu à tona”

Por Miguel do Rosário

22 de maio de 2016 : 16h53

Foto: Roberto Parizotti/ CUT

Na Revista Fórum

“O esgoto da política brasileira subiu à tona. Temos de lavar e limpar tudo isso aí”, disse a filósofa Marilena Chaui, sobre o afastamento da presidenta Dilma Rousseff por meio de um golpe legislativo conduzido pelo que “há de pior” da política brasileira. A professora da Universidade de São Paulo (USP) participou do Grito pela Democracia, manifestação realizada durante a tarde e até o início da noite, na capital paulista, reunindo dezenas de pessoas no palco e centenas na plateia.

O evento começou às 14h15 deste sábado (21), na Casa de Portugal, bairro da Liberdade, e é organizado pelo mandato do deputado Paulo Teixeira (PT-SP), compondo a onda de manifestações desencadeadas desde a posse de Michel Temer como presidente interino, em 12 de maio. O ato é marcado pela diversidade, com intervenções de representantes de diversos setores da sociedade brasileira – como movimento negro, LGBT, intelectuais, jornalistas, estudantes – e por uma sucessão de palavras de ordem, principalmente “Fora, Temer” e “Volta, Dilma”.

“Em uma canetada, o governo Temer desfaz o trabalho de 15 anos. Simplesmente anula. Mas ele não pode anular aquilo que nós somos. A democracia se caracteriza por uma forma social de criação de direitos, a instituição de novos direitos e a garantia de direitos existentes”, disse Chaui, conclamando a reação ao golpe e usando expressões como “escárnio, injúria, vergonha”.

O jornalista José Trajano admitiu ter ficado “desanimado” pela forma autoritária como a Câmara e o Senado determinaram o afastamento da presidenta Dilma Rousseff. “Eu desanimei, baixei a cabeça. Mas depois de ver a nossa gente na rua, me animei de novo. E essa vai ser a nossa vitória”, afirmou, citando nomes como os de Leonel Brizola e Darcy Ribeiro. “Quem está aqui agora, somos nós, principalmente as mulheres e a juventude.”

Trajano afirmou que o golpe em curso não seria possível sem a cumplicidade da imprensa tradicional no processo, destacando vários veículos, como as revistas Veja e IstoÉ, a emissora Jovem Pan e a Rede Globo e exaltando meios alternativos, “a verdadeira mídia deste país”, como Mídia Ninja, Jornalistas Livres, Tijolaço, Diário do Centro do Mundo e Escrevinhador. Ele lembrou que essa imprensa continua engajada na operação, ao lembrar que todos os veículos comerciais esconderam a manifestação ocorrida ontem à noite em Belo Horizonte.

Antes de participar da abertura do 5º Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas e Ativistas Digitais na capital mineira, a presidenta afastada Dilma Rousseff foi recebida por um ato de solidariedade com a participação de mais de 30 mil pessoas, segundo estimativa da Frente Brasil Popular. “Ninguém deu nada. Somente os blogueiros e veículos alternativos.”

O jornalista pediu unidade para combater o governo interino. “Temos de sair daqui unidos e confiantes que vamos derrubar quem usurpou o poder.” E comentou a decisão anunciada de manter o Ministério da Cultura, após dias de protestos. “Não pensem eles que isso nos satisfaz. Tudo o que vier desse governo ilegítimo não terá nosso respaldo”, reagiu Trajano.

Marco do retrocesso

Primeiro a falar no evento, o integrante do coletivo Democracia Corintiana Leandro Bergamim Almeida demonstrou preocupação com a iminência de um governo repressivo ante o processo de resistência que está em curso. E lembrou a prisão de torcedores que se articularam para protestar contra o escândalo da merenda em São Paulo. Ele citou também o cinismo o ex-presidente da Câmara e um dos líderes do golpe, Eduardo Cunha, ao depor na Comissão de Ética da Casa esta semana. “Ele disse que o dinheiro (encontrado em paraísos fiscais) não é dele. É claro que não é. É nosso!”, ironizou o ativista.

A sessão na Câmara ainda presidida por Cunha, em 17 de abril, foi o marco histórico do retrocesso político e ideológico em curso no Brasil, na avaliação de Amelinha Teles, ex-militante do PCdoB, presa pela ditadura nos anos 1970 e integrante da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos. Ela disse estar vivendo o seu “segundo golpe”. “Não podemos abandonar essa luta. A única luta que se perde é a que se abandona. Vamos resistir sempre. Temer, jamais”, enfatizou Amelinha. “Estou vivendo o segundo golpe na minha vida.”

 

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

andreas L. Doeswijk

29 de maio de 2016 às 12h05

Fue mi profesora en un Seminario sobre Espinoza en la UNICAMP. Es una mente brillante, una profesora extremadamente competente y una persona humana maravillosa. Me corrigió cada coma y cada acento de mi Monografía mal escrita!!!!

Responder

Marcia Rufino

26 de maio de 2016 às 17h19

Essa é a mulher que não gosta da classe média, para mim ela é louca. Não merece crédito.

Responder

    Elian

    26 de maio de 2016 às 22h39

    Hum, vc faz parte disto, ne? Entendido…

    Responder

Rafael José Caruccio

26 de maio de 2016 às 03h26

Se o Bolsonaro chama alguém de esgoto, meu Deus!! A esquerda tem até o monopólio do xingamento.

Responder

    Eliane Langer

    26 de maio de 2016 às 21h40

    Pra q? ele é o pp…

    Responder

Armando Monteiro

22 de maio de 2016 às 19h51

Se não estou enganado, foi nesse esgoto da política brasileira, que agora sobe á tona, que o pt chafurdou durante treze anos ? Ou estou enganado ?

Responder

    eto

    22 de maio de 2016 às 22h22

    Escreve uma asneira dessa na esperança que alguém confirme sua ignorância? Só perguntar dentro de casa, encurta o trabalho.

    Responder

      Armando Monteiro

      23 de maio de 2016 às 08h03

      Os ministérios, as diretorias de estatais ( fora a vice-presidência ) dadas pelo petê ao PMDB, para que ambos pudessem , juntos, saquear os cofres públicos , comprovam minha afirmação, caro corno petista !

      Responder

Deixe um comentário