Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

PDT contesta no STF fusão e extinção de ministérios pelo presidente interino Michel Temer

Por Redação

26 de maio de 2016 : 17h14

Charge: Ribs

PDT RECORRE AO STF PARA, NA INTERINIDADE, LIMITAR ATOS DE TEMER

no PDT

O Partido Democrático Trabalhista (PDT) protocolou no Supremo Tribunal Federal, neste fim de semana, ação com pedido de liminar contra atos do vice-presidente da República, Michel Temer, que no exercício da Presidência da República, “em virtude do afastamento da titular do mandato eletivo” e “a despeito da provisoriedade e da precariedade de sua assunção ao cargo, está a implementar alterações profundas na Administração Pública Federal”.

Na arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF 409), os advogados do PDT procuram demonstrar que “a prática de atos de nomeação para a pasta ministerial, a fusão e a extinção de órgãos ministeriais e de secretarias de governo, por meio da Medida Provisória 726/2016”, descumpriram vários preceitos fundamentas da Constituição de 1988.

Os preceitos fundamentais em questão seriam os seguintes: “Artigo 79, parágrafo único, no que disciplinam a substituição do Presidente da República e estabelece as atribuições do Vice-Presidente; artigo 84 e parágrafo único, que prescrevem as competências privativas atribuídas ao Presidente da República e disciplinam as hipóteses passíveis de delegação aos Ministros de Estado, ao Procurador-Geral da República ou ao Advogado-Geral da União, nos limites estabelecidos no ato delegatório, sem fazer qualquer referência ao Vice-Presidente da República”.

Para os advogados do PDT, Marcos Ribeiro de Ribeiro e Ian Rodrigues Dias, está configurada “a usurpação das funções da Presidência da República pelo Vice-Presidente em exercício, pois a Presidenta da República encontra-se no curso do seu mandato, consoante esclarece o parágrafo 4º do art. 86 da Constituição Federal, estando tão-somente suspensa de suas funções em virtude do procedimento de impeachment admitido, primeiramente, pela Câmara dos Deputados, e, após, pelo Senado Federal”.

Ainda conforme a petição inicial, “está em curso o mandato daquela que detém a titularidade do cargo da Presidência da República, tendo havido apenas e tão-somente o afastamento do seu exercício e a suspensão de suas funções”. Ou seja: “O Vice-Presidente continua investido no cargo de Vice-Presidente e não pode, então, arrogar-se e usurpar as funções de Presidente da República, como se então estivesse investido na titularidade do cargo de Presidente da República, porquanto o cargo de Presidente da República não se encontra vago e, por isso, não há falar em sucessão. A admitir-se a realidade estampada acima, teríamos a hipótese de exercício simultâneo de dois mandatos – o de Presidente e o de Vice-Presidente em uma mesma pessoa. E isso é inconcebível e inadmissível pelo ordenamento jurídico pátrio”.

No mérito, o partido político que apoia a presidente afastada Dilma Rousseff requer a “fixação da interpretação e aplicação dos preceitos fundamentais indicados (Lei 9.882/99, art. 10), para declarar que, enquanto no exercício de substituição do titular da Presidência da República, o Vice-Presidente se limite às funções administrativas que não impliquem alterações na estrutura administrativa, tendo em conta o disposto no art. 79, parágrafo único, e o art. 84, incisos I a XXVII, ambos da Constituição Federal, posto que o exercido do mandato de Vice-Presidente não pode ser convolado em mandato de Presidente da República, considerada a provisoriedade e precariedade do afastamento da titular da Chefia do Poder Executivo”.

A ADPF 409 foi distribuída para ser relatada pelo ministro Roberto Barroso.

ANDRE FIGUEIREDO

O objetivo do PDT é reverter reforma administrativa realizada pelo vice-presidente Michel Temer, no exercício da Presidência da República como a fusão e extinção de Ministérios, alteração de política externa, implementação de reformas tributárias e previdenciárias, venda de empresas públicas, extinção e redução de programas sociais e anulação de atos praticados pela Presidente eleita Dilma Rousseff durante o exercício regular do mandato.
Na peça, o partido requer ainda pedido de concessão de medida liminar para suspender qualquer alteração de Michel Temer até o julgamento do mérito das funções do vice-presidente interino nesse período de 180 dias de afastamento de Dilma Rousseff.
Para o partido, o afastamento temporário não configura a efetividade de Temer no cargo, que assume sob condição suspensiva. A função de Presidente, e suas prerrogativas, só se tornariam definitivas após conclusão do julgamento do processo no Senado Federal, no caso de condenação por crime de responsabilidade.
Para o vice-presidente nacional do PDT, deputado federal André Figueiredo, Temer rompe com princípios constitucionais.
“O governo passa a ser intermediado pela vontade do Congresso, e não dá continuidade ao programa de governo eleito pelo povo, iniciando um mandato próprio, ilegítimo, rompendo com a Constituição e o Estado Democrático de Direito”.
Entre as alterações inconstitucionais, o parlamentar aponta a extinção de Ministérios importantes como a Cultura, Comunicações, Direitos Humanos e Previdência Social, a redução da autonomia da Controladoria-Geral da União (CGU), além da flexibilização nas regras sobre privatizações com a edição da Medida Provisória 767/2016, que autoriza o Poder Executivo a desestatização de empresas como Petrobras por meio de decretos, sem autorização do Legislativo.
Para André Figueiredo, aceitar que o vice possa realizar reformas institucionais, econômicas e sociais ou romper com o programa eleito é prever a condenação no processo de julgamento em curso, contrariando a Constituição de 1988 e o direito fundamental à presunção de inocência.
“Com o afastamento da presidente Dilma e a interinidade de Michel Temer, o país vive momento político e jurídico sem precedentes porque o processo de impeachment ainda está em curso. O impedimento é uma situação temporária, que não permite ao titular cumprir os deveres e responsabilidades da Presidência. Por isso a nomenclatura de interino, atuando apenas em medidas emergenciais”, argumenta.
A expectativa é que até o final da semana o relator da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, ministro Luís Roberto Barroso, despache o processo e o pedido de concessão de medida liminar suspendendo os atos do presidente interino Michel Temer.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marivane

26 de maio de 2016 às 20h15

O PDT poderia ser o grande representante do BRIZOLA, que sempre avisou o que poderia acontecer.
Bom, ele acompanhou de perto o golpe de 64.

Responder

C.Pimenta

26 de maio de 2016 às 19h35

Nada, mas nada mesmo, se pode esperar deste malcheiroso stf. Desde que adotou a jurisprudência golpista de Honduras e Paraguai nos colocou no mesmo nível e ficamos como a 3ª republiqueta da América Latina a coonestar um golpe anticonstitucional. E seu apoio ao golpe teve uma razão pouquíssimo nobre, pois nada mais foi que uma vingança contra a negativa da Presidenta Dilma em conceder as ministros(sic) deste tribunalzinho mais um aumento aos seus já estratosféricos proventos.

Responder

luis

26 de maio de 2016 às 19h04

Barroso até que foi bem até regular o rito na Câmara. Era um juiz que além de tecnicamente bom e bem falante, levado consigo alguns votos. Por razões creio eu pouco nobres, sucumbiu e entrou neste golpe. Teve a oportunidade em cima desta matéria que agora insta Temer a dar explicações e se posicionou da pior maneira possível. Se antes, não o fez, agora que desarrumaram tudo, irá fazer? Claro que não. Ao menos terá que se expor. Acho que todos aí do STF estão ou no golpe ou monitorares e devidamente chantageados. Vivemos na república das arapongas. Começou com a NSA e está com o MP e parte da PF. A saída pra controlar este monstro era com Dilma, sem ela, vira um bando de fisiológicos correndo pra lá e pra cá.

Responder

maria nadiê rodrigues

26 de maio de 2016 às 18h52

O Ministro Barroso deu prazo de 05 dias, a partir de ontem, para que Temer esclareça as razões de haver tomado pra si ações governamentais administrativas, com a fusão de ministérios, demissões, exonerações, entre outros. Atendendo a demanda do PDT.
Isto li no 247.

Responder

    C.Pimenta

    26 de maio de 2016 às 19h37

    Esta súbita “macheza” de Barroso é apenas uma tentativa de melhorar a péssima imagem deste apequenado stf que vem apoiando um golpe anticonstitucional por questões salariais e não jurídicas. E o povo brasileiro ingenuamente acreditando que o stf iria defender a nossa Constituição…

    Responder

Marcia

26 de maio de 2016 às 18h13

É digno de nota o esforço do PDT, porém não podemos esperar boa coisa do STF.

Responder

Deixe um comentário