Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

O bizarro espaço que a Folha dá a Cunha para atacar adversários

Por Miguel do Rosário

28 de maio de 2016 : 09h56

Charge: Mário Tarcitano

Cunha entra com ação no Supremo contra deputado Jean Wyllys

Na Folha

O deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ingressou com uma queixa-crime no STF (Supremo Tribunal Federal) contra o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) por calúnia, difamação e injúria.

Cunha acusa Wyllys de ter ferido sua honra e dignidade, além de ter quebrado o decoro parlamentar, durante seu voto na sessão do dia 17 de abril, quando a Câmara autorizou a continuidade do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff.

Em seu voto, o deputado do PSOL afirmou que estava “constrangido de participar dessa farsa sexista, dessa eleição indireta, conduzida por um ladrão, urgida por um traidor, conspirador, apoiada por torturadores, covardes, analfabetos políticos e vendidos”.

Para a defesa de Cunha, Wyllys “de maneira direta e dolosa formulou violentos ataques verbais contra o ofendido, ferindo-lhe a honra, a dignidade e o decoro.”

Os advogados dizem que a declaração não pode ser resguardada pela imunidade parlamentar porque ela não pode ser “confundida com a outorga de uma autorização para que o seu detentor realize ataques pessoais infundados e covardes contra seus desafetos”.

“Embora vários parlamentares tenham manifestado inconformismo ou irresignação com a condução da votação do impeachment da então presidente da República, inclusive dirigindo críticas ao ofendido, este somente cuidou de propor ação penal contra quem tenha o feito de maneira verdadeiramente ofensiva”, diz a ação.

“O que comprova que apenas propõe a presente ação porquanto realmente adotou postura excessiva, que extrapolou qualquer direito de opinião ou crítica, ferindo de maneira intensa a sua honra e dignidade, em especial porque colocou em risco a higidez do processo que preside e atentou contra a independência da Câmara dos Deputados”, completou.

OUTRO LADO

Em nota, Wyllys disse que ainda não teve acesso à queixa-crime apresentada por Cunha. Segundo o texto, quando o deputado for intimado e tiver acesso à íntegra da peça, seus advogados responderão pelas vias legais.

“O deputado Jean Wyllys não disse nenhuma mentira sobre Eduardo Cunha. Em denúncia formal apresentada pelo Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, perante o Supremo Tribunal Federal, Cunha é chamado expressamente de “delinquente”.

De acordo com o procurador-Geral, Cunha “faz parte de um grupo criminoso” e se valeu das prerrogativas do cargo de presidente da Câmara dos Deputados para cometer diversos delitos, usando dessas prerrogativas com um “modus operandi criminoso”.

“As provas dos ilícitos cometidos por Cunha são inúmeras e foram devidamente recolhidas e apresentadas pelo Ministério Público. O deputado Jean Wyllys não inventou ou criou qualquer qualificativo original para se referir ao réu, apenas concordou com aqueles que o Judiciário vem usando: Cunha é um delinquente, integra uma organização criminosa e é réu por diversos crimes por decisão unânime da máxima instância do Poder Judiciário”, diz o texto.

O deputado afirmou que “concorda com todos os termos usados pelo Procurador-Geral e tem usado cada um deles para descrever objetivamente a conduta e o caráter de Cunha, de modo que não há calúnia, injúria ou difamação, mas descrição objetiva de fatos que são públicos”.

A nota diz ainda que ele fez suas manifestações “no exercício de sua atividade parlamentar, fazendo uso de suas prerrogativas constitucionais, exercendo sua liberdade de expressão e coberto pela imunidade de suas opiniões e expressões que a Constituição e a lei lhe garantem”.

Wyllys criticou a divulgação da ação de Cunha contra ele pela imprensa, uma vez que se trata de uma “manobra de distração, sem qualquer base jurídica, para cravar uma manchete nos jornais na qual ele apareça como vítima, quando na verdade é réu”.

“Muito nos estranha que alguns veículos de comunicação se prestem a essa manobra, agindo como porta-vozes de Cunha e ajudando-o a desviar o foco das investigações que a Justiça realiza sobre sua conduta criminosa e sobre a conspiração golpista que ele mesmo urdiu para se livrar dela e livrar, também, outros corruptos que têm medo de ser presos.”

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Janeto Bobo

28 de maio de 2016 às 22h07

“Honra, … dignidade … o decoro”: o Cunha sabe o que estas palavras significam?

Responder

Mario Carvalho Martins

28 de maio de 2016 às 19h13

Seria cômico se não fosse trágico, a que ponto chegamos. Esse cidadão, que me recuso citar seu nome, presidiu aquele espetáculo DANTESCO, que a historia ira chamar como o dia da vergonha, uma assembleia de criminosos presidida por um bandido, TERÁ QUE REPRESENTAR, contra a imprensa internacional, é só pesquisar no Google. Agora dignidade, honra que esta sendo maculada é do eleitor que viu o governo eleito pelo seu voto ser afastado , justamente por nao ter o compactuado e interferido na comissão de ética. Dignidade honra ofendida é nossa eleitor e contribuinte que temos que assistir e bancar a permanência desse senhor, impunemente, na vida publica verdadeira bofetada em nossa cara, que nos custa por mês R$500.000,00.

Responder

Alice F

28 de maio de 2016 às 17h45

então passou da hora de a presidenta entrar na justiça por perda e danos morais na sua honra,pq tiraram dela e presidencia e tbm estão difamando ela dando um golpe ne !!!!

Responder

SIDNEY MACHADO

28 de maio de 2016 às 15h42

Pessoal a Folha ainda está preparando uma jogada neste tabuleiro de xadrez.

Responder

SIDNEY MACHADO

28 de maio de 2016 às 15h41

A divida Foolha faz parte do esquema!

Responder

Ben Alvez

28 de maio de 2016 às 13h18

“calúnia, difamação e injúria.”
“Cunha acusa Wyllys de ter ferido sua honra e dignidade.”

Mas que piada!

Eduardo Cunha não possui honra nem dignidade a ser ferida.

Chamar Eduardo Cunha de corrupto e ladrão não é calúnia, não é difamação nem injúria: é a constatação da realidade.

Quem vai julgar a ação?

Gilmar Mendes Dantas, que não possui honra nem dignidade?

Responder

Deixe um comentário