Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Cafezinho Literário: a poesia de Bruna Baldez

Por Paulliny Gualberto Tort

29 de maio de 2016 : 00h01

Maio de 2016 entra para os calendários como um mês triste. Mas, em diversos aspectos, ele exigiu de nós um posicionamento, uma postura firme, uma ampla capacidade de defender nossos ideais. E isso, de certo modo, é algo muito positivo. Maio falou, sobretudo, às mulheres; estivemos no vórtice dos piores acontecimentos, tanto na vida política quanto na vida privada. Os reflexos desses eventos são vistos em toda parte, inclusive na Literatura.

O poema “Jatos arbitrários”, de Bruna Baldez, parece ter sido escrito para este mês de maio. Bruna diz que acredita “na palavra e na arte como manifestações de luta e vida”. Dessa crença, notamos que ela extrai a matéria bruta de seus versos. Carioca de 23 anos, formada em Letras pela UFRJ, ela quer mudar o mundo e pincela o caminho com rimas.  No final desta página, há uma breve entrevista com ela. E é com a Bruna que o Cafezinho Literário encerra o mês de maio.

Quero publicar também!

Nosso chamado continua aberto. Saiba aqui as condições para submeter um texto, que não precisa ser inédito. Lembrando que todos podem enviar trabalhos para análise. No entanto, assinantes desta coluna recebem newsletter semanal com novidades incríveis sobre o universo dos livros. A existência do Cafezinho Literário depende da colaboração de autores e leitores como você. Participe!

Paulliny Gualberto Tort

Editora do Cafezinho Literário

Bruna Baldez, autora do poema "Jatos arbitrários"

Bruna Baldez, autora do poema “Jatos arbitrários”

Jatos arbitrários

Ao despertar cruel

Das marés terrenas

Golpeiam, temidas,

Covardes hienas.

 

Sussurram nas ondas

De ódio assombroso.

Devoram, na farsa,

O sonho do povo.

 

Afogam denúncias

Na contracorrente

Das armas impunes

Do sangue da gente.

 

Resistem os gritos

De amor

(Não escuta?)

Do mar, fez-se arte.

Da dor, faz-se luta.

***

Entre silêncio e palavra, uma conversa com Bruna

As primeiras coisas primeiro: Quem é Bruna Baldez?
Uma mistura de calmaria e inquietação. Voz baixa, mente em ebulição. Mistério e transparência. Silêncio e palavra. Formada em Letras pela UFRJ, apaixonada pela Língua Portuguesa e Literatura. Do fazer poético, procuro não a solução, mas o entendimento (ainda enviesado) do mundo, do eu e do outro.

Quando a poesia entrou na sua vida?
O primeiro encontro aconteceu ainda na infância. Ganhei de aniversário um livro que reunia poesias de Vinicius de Moraes, Cecília Meireles e Mário Quintana. Mais tarde, conheci autores que inspiraram grande parte da minha escrita, como Baudelaire e os modernistas Drummod e Manuel Bandeira.

Pensa em publicar um livro? Tem blog ou qualquer outro canal de publicação?
Quando criança, eu já dizia: quero ser escritora. Aos onze anos, escrevi e registrei um livro. Em 2015, tive a minha primeira poesia selecionada em um Concurso Literário da Editora AMC Guedes. Hoje, reúno os meus escritos no blog brunabaldez.blogspot.com e sonho em publicar futuramente um livro de poesia.

Na sociedade em que vivemos hoje, tão pautada pela violência, qual é o lugar e a missão da poesia?
A poesia não pode ser pensada como um lugar de fuga, de introspecção ou alienação. Qualquer manifestação artística e cultural é, também, uma manifestação social. Em uma sociedade contaminada pelo ódio e pela injustiça, as palavras se oferecem como instrumento vivo de luta, resistência e desconstrução.

*A ilustração desta postagem é um detalhe da obra Pink Branches, do artista havaiano Chris Campbell.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina