Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Brasília- DF- Brasil- 21/07/2016- Brasília - O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, em entrevista à imprensa, fala sobre a operação policial que prendeu, um grupo suspeito de planejar atos terroristas a 15 dias da Rio 2016 (José Cruz/Agência Brasil)

Terroristas amadores não existem – O que está por trás do uso dessa etiqueta?

Por Bajonas Teixeira

22 de julho de 2016 : 10h23

(Foto: José Cruz)

Por Bajonas Teixeira de Brito Junior, colunista de política do Cafezinho.

A lei antiterror, até onde sei, além de potencialmente perigosa para a democracia, é suficientemente severa para merecer toda atenção de parte da opinião pública, tanto é assim que sua discussão foi um dos momentos mais polêmicos no país nos últimos tempos.

Não podemos esquecer que, por mais que possamos estar diante de uma ameaça real hoje, o termo terrorista foi empregado durante a ditadura apenas para se referir aos opositores do regime. Tanto foi assim que, quando praticados pela direita militar reacionária, os atos que propriamente hoje chamaríamos de terrorismo, nunca receberam esse nome. Até hoje não os recordamos como tendo sido “atos praticados por terroristas”.

De fato, tivemos as cartas bombas à OAB, resultando na morte da secretária Lyda Monteiro da Silva, em agosto de 1980, dezenas de atentados à bomba contra bancas de jornais, espancamentos de líderes sindicais e estudantis, a tentativa de assassinar 20 mil jovens e quase todos os importantes artistas da música popular brasileira, no que seria o maior atentado terrorista da história conhecido, no Rio Centro, em 30 de abril de 1981.

Nem os cabeças nem os executores, nem o grupo como tal, ou seja, ninguém na verdade, dessa extrema direita militar, passou para a história sob o rótulo de terrorismo ou terrorista. Já temos um motivo para duvidar do emprego dessas qualificações, tanto quanto para indagar sobre como e quando torna-se conveniente o seu uso.

Terroristas Amadores

No entanto, ao passar em revista sua primeira aplicação, sentimos que há muitas obscuridades que, no mínimo, deveriam ter sido prevenidas nesta première. Uma delas é o rótulo “terroristas amadores”, que ontem vimos ser fartamente empregado, tanto pelo ministro da Justiça quanto pelo ministro da Defesa. Uma matéria chegava a trazer o seguinte título:

Jungmann chama de amador grupo de suspeitos presos por suspeita de terrorismo

Estranho título esse de um grupo de suspeitos presos por suspeitas, não?  Suficiente talvez apenas para promover mais suspeitas, nesse caso em relação à própria operação.

Não existe terrorismo amador, assim como não existe (ao menos até agora o Brasil não inventou) terrorismo infantil. Ou é terrorista, e nesse caso pode causar destruição de vidas indiscriminadamente por objetivos políticos e ou religiosos, ou não é terrorista. A expressão terrorista amador parece tão imprópria que, mesmo sem maior consideração, desperta certo ceticismo. Ontem mesmo na rua, ouvi um idoso dizendo: “Terrorismo amador? Mas que palhaçada. Quem ama não mata.” Enfim, o potencial jocoso é grande. E pode expor o país com tramas de amadoras mal engenhadas.

Dois senões bastante sérios vieram do próprio juiz responsável pelas prisões, que, desmentindo o ministro da justiça em dois pontos,  nem concordou com o fato de que o grupo preso formaria uma “organização”, já que não estão articulados em pirâmide de comando, nem adotou o uso do termo “terrorista”. Ora, se o juiz que prende dez pessoas por terrorismo evita o termo terrorismo, alguma coisa parece estar bastante errada.

 

UOL juiz contradiz

Outros aspectos substanciais que deixam dúvida é que, por trás da designação “terrorismo amador”, estão os supostos atos, ou decisão de atuar, que não ficaram bem claros. As declarações do ministro nos informaram que a prisão foi feita por que o grupo estava planejando ataques. Contudo, foi dito também que não tinham armas e que falavam em aprender artes marciais. Segundo Alexandre de Moraes, citado em matéria do G1, tratava-se de uma “célula absolutamente amadora”, porque não tinha “nenhum preparo”.

A matéria do G1 trazia ainda outras informações prestadas pelo ministro:

“O ministro citou como exemplo mensagens do suposto chefe do grupo de que era necessário aprender artes marciais e atirar com armas. ‘E mais, qualquer célula organizada não iria procurar comprar armas pela internet’, ironizou o ministro.”

E ainda:

“Segundo o ministro, ‘eles falavam em atirar’ e, em razão disso, mencionavam a intenção de comprar um fuzil AK-47 em uma loja clandestina no Paraguai.”

Pois é. Uma célula organizada não iria comprar armas pela internet. E não iria falar disso, também, pela internet. Nada disso convence pela seriedade. E então, fica a dúvida se essa menção – “eles falavam em atirar” – tem mais consistência do que as outras.

O próprio ministro parece ter desacreditado a existência de uma “organização terrorista”, já que diz que uma “célula organizada não iria procurar armas pela internet”. E, então, o juiz que evitou acatar a existência de uma “organização”, estaria coberto de razão. Mas se não existe a organização, com organograma e estrutura piramidal, mesmo assim o grupo não ofereceria perigo? Certamente.

Mas eis que essa menção por demais nebulosa – “eles falavam em atirar” – oferece muito pouco para o nosso convencimento. A impressão que fica é que a justificativa das prisões, de que teriam ocorrido quando o grupo decidiu passar a ação, se prende a essa minúscula declaração vaga – “eles falavam em atirar”. Atirar em quem? Contra o que e com que propósito? Em que ocasião e com que alvos? Nada disso é dito.

É dito que a ocasião para o ataque seriam as Olimpíadas. Mas é aí que tudo fica ainda menos claro. Faltando exatos quinze dias para a abertura do evento, contando a partir de ontem, 21 de julho, como um grupo que não dispõe 1) de estrutura hierárquica de comando; 2) mínima preparação para cometer atos de violência; 3) que não possui armas, munições, e, ao que tudo indica, não disporia de nenhuma recursos financeiro, e 4) que fala em aprender a atirar e entrar numa escola de artes marciais, poderia ser uma ameaça de fato e constituir uma verdadeiro grupo terrorista?

Mas sobretudo, onde estão as provas, as conversas gravadas, os diálogos escritos nos chats, as declarações feitas na rede? A investigação deve ter feito farta coleta de materiais. Onde estão? Até onde lembramos, o único indício que foi mencionado, pela mulher do ‘líder’ preso (um professor de árabe amador), teria sido uma foto publicado pela Veja.

Em obediência ao que determina a lei antiterrorismo, teria que ser mostrado que existiram de fato os tais “atos preparatórios” e com “o propósito inequivoco” de consumar a violência. Convenhamos que se tudo que o ministro tem é o mencionado “eles falavam em atirar”, ao que junta o propósito de aprender lutas marciais, então a coisa está demasiado mal amarrada.

A opinião pública, diante de tema tão controverso, está no direito de exigir as provas. Se em relação ao ex-presidente Lula, imagens da intimidade, escutas telefônicas de conversas privadas, feitas e divulgadas de forma ilegal, e tantas outras coisas, vieram abundantemente a público, como num caso tão sério de terrorismo tudo o que temos é uma foto da Veja e a menção a “eles falavam em atirar”? Queremos as provas, não há motivo que justifique a ocultação dessas provas.

É preciso que as conversas sejam transcritas, que os áudios sejam divulgados, que toda documentação venha à luz para que fique bem claro, nesse episódio inaugural, que não estamos sendo vítimas de uma farsa. Caso contrário, dificilmente deixarão de pairar graves suspeitas sobre o que se esconde por trás dessas prisões.

Bajonas Teixeira de Brito Júnior – doutor em filosofia, UFRJ, autor dos livros Lógica do disparate, Método e delírio e Lógica dos fantasmas, e professor do departamento de comunicação social da UFES.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Gustavo Fonseca

24 de julho de 2016 às 00h14

A intenção é bem clara, trata-se de abrir o precedente pra prender ou, ao menos, investigar os adversários do NR (“Novo Regime”). Interessante o uso de tantos elementos de retórica nas pseudo-justificativas para tais prisões, que tentam desde já nos acostumar com o inaceitável. Nesse ponto vale a pena assistir ao filme francês “O valor de um homem”, que aborda toda a hipocrisia (através de elementos retóricos diversos, como quebras constantes da fala dos personagens e rodeios), a semelhança é muito interessante.
Para comprar uma arma na loja da esquina é preciso ir até a esquina, mas é possível por ali passar por tantos motivos… agora, irão armar todo um cenário e prendê-lo lá, na esquina – afinal, você certamente está – ou, er, bem, poderia estar – indo até lá para comprar aquela arma, certo?

Responder

Eduardo De Paula Barreto

23 de julho de 2016 às 14h56

.

O TERRORISTA TUPINIQUIM
.
Ele pegou doze ovos
E os amarrou na cintura
E com um pé do galo morto
Fez um estilingue natura
Que cobriu com centenas
De longas pretas penas
Que retirava gritando assim:
Vai lá, vai que dá
Vai lá, vai que dá
Sou o terrorista tupiniquim.
.
Ele treinou luta com um cachorro
E tiro ao alvo com o Pokémon
Cobriu a cabeça com um gorro
E simulou barba com batom
E com um cabo de vassoura
Fez uma metralhadora
Toda furada por cupim
E fazendo cara de bravo
Soltava o alto brado:
Sou o terrorista tupiniquim.
.
Mas quando ele usou a Internet
Para exibir as suas conquistas
O nosso 007
Frustrou os seus planos terroristas
E ele foi preso preventivamente
Devido ao risco iminente
De implantação do terror
Assim o Brasil ficou famoso
Por ser o único país do Globo
Que tem terrorista amador.
.
Eduardo de Paula Barreto
23/07/2016.

.

Responder

Sandra Francesca de Almeida

22 de julho de 2016 às 16h20

Trata-se de mais uma grande farsa. Tudo é farsa e farsantes nesse (des)governo.

Responder

Ricardo Oliveira

22 de julho de 2016 às 15h47

Retrato mais perfeito impossível, pena não ser apenas uma excelente piada, faltou o apenas o Muhatraíra Temer.

Responder

Maria Thereza G. de Freitas

22 de julho de 2016 às 15h42

um deles cria galinhas. serão galinhas-bomba? uma palhaçada, gerando manchetes para quem os sustenta – o pig.

Responder

    maralucyneto

    22 de julho de 2016 às 15h56

    ahahahah. É isso mesmo Maria Thereza! Galinhas bombas e pintinhos explosivos.

    Responder

Messias Franca de Macedo

22 de julho de 2016 às 14h04

Somente não é o fundamentalismo dos horrores porque é golpe!
E o golpe mais vagabundo &$ mais salafrário &$ mais descarado da história mundial!
http://www.conversaafiada.com.br/economia/ajuste-posto-ipiranga-e-uma-malandragem/Terroristas.jpg/@@images/c9128df9-ae1c-4b4b-aa13-a73936fbe78c.jpeg

Responder

    Terceira Onda ?

    22 de julho de 2016 às 14h46

    O cunha ficou mto loko ahuahuahu

    Responder

Tiago Bevilaqua

22 de julho de 2016 às 13h50

Isso foi mais um golpe midiático do governo golpista. Para dizer algo como: vejam como somos eficientes, pegamos um grupo que estava pensando em fazer terrorismo. Amadores? Não importa. Representava um perigo. Lamentável!

Responder

Deixe um comentário