Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Por que um jantar entre Gilmar e Temer para discutir estratégia do impeachment não causa estranheza?

Por Redação

04 de agosto de 2016 : 06h16

por Brenno Tardelli, no Justificando

Como um jantar promovido por ruralistas para o Presidente do Tribunal Superior Eleitoral e Ministro da Suprema Corte, Gilmar Mendes, e o Presidente Interino Michel Temer a fim de discutir estratégias para assegurar o impeachment não chocam o noticiário nacional?

O encontro aconteceu ontem, na casa do ministro interino ruralista Blairo Maggi, que foi governador do Estado do Mato Grosso, terra natal de Gilmar. Ao jornal O Globo, insuspeito para servir de assessoria do governo interino, senadores da base aliada disseram que uma das estratégias seria antecipar a votação do impeachment, artifício oportuno, uma vez que Temer perde popularidade a cada dia que passa.

post-gustavo-gindre

E assim, às claras, sem qualquer receio de constrangimento, um Presidente do Tribunal Superior Eleitoral, figura fundamental para o processo político articula uma manobra para beneficiar um político e prejudicar outra. Gilmar ocupa cargo fundamental para a política do executivo nacional, pois, dentre outras participações, julgará a chapa Dilma/Temer por uso de verba de campanha. Enfim, como pode um sujeito dessa função fazer o que ele faz?

Gilmar pode. Como disse Gustavo Gindre – não o conheço, mas pela sua postagem tem um senso de justiça maior do que a grande maioria dos juristas -, ele pode muito. Se você tiver dificuldade em saber as razões, sente-se e assista o programa Coisas que Você Precisa Saber. Junto a Igor Leone, tive a chance de escrever uma mini biografia sobre essa figura. Deixei muita coisa de fora, infelizmente, pois a modernidade não costuma consumir conteúdos que ultrapassem um determinado tempo. Mas a minibiografia dele está aqui:

Por que a mídia não aborda em extensos editoriais o jantar de ontem? Será que a pauta não é relevante?

A questão sempre pode ser respondida com o inverso: imagine Ricardo Lewandowski, Presidente do Supremo que será o responsável por conduzir o julgamento do impeachment, jantando com Dilma, Lula e a base do PT para discutir estratégias que assegurem a volta da Presidenta? Aí sim, a pauta ganharia relevância, entende?

O pior é que não é a primeira vez que Gilmar arregaça as mangas para trabalhar como político – entenda, não há problema algum em ter sua militância partidária, desde que você não seja um ministro do Supremo, óbvio. Gilmar poderia fazer exatamente o que faz de forma legítima, apenas deveria estar na tribuna de uma das casas do legislativo, simples.

Como que a outra parte vai estar em pé de igualdade quando o juiz se vale de táticas não jurídicas ou processuais, mas apenas políticas, em um jantar que não houve convite para todos. Apenas um teve o privilégio de cochichar no ouvido de Sua Excelência.

A existência de um ministro como Gilmar é um deboche a qualquer país que se pense como uma democracia séria, no qual, como dizem os cínicos, as instituições funcionem.

*Brenno Tardelli é diretor de redação do Justificando

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Denise Espirito Santo

04 de agosto de 2016 às 16h09

Gilmar é um mafioso e agente institucional do PSDB para assuntos relacionados à lavanderia de dinheiro sujo – caso Opportunity e GOLPE! Numa democracia, esse verme seria afastado da vida pública

Responder

    Esther

    06 de agosto de 2016 às 01h49

    também deu o HC para Daniel Dantas e para o médico paulista que estuprava pacientes

    Responder

Antonio Passos

04 de agosto de 2016 às 12h29

O Brasil merece uma mudança de nome, HIPOCRISIL seria mais adequado.

Responder

João Ostral

04 de agosto de 2016 às 10h46

Qualquer tentativa de Gilmar julgar seus perseguidos político, estes deve se recorrer a ONU. Ponto.
Já existem muitos elementos publicamente visíveis, suficientes para abrir um processo de atentado a ética profissional, a constituição, aos direitos humanos, etc.

Responder

maria nadiê Rodrigues

04 de agosto de 2016 às 09h59

Até o JB Online divulgou a declaração de uma jovem que foi estuprada por Feliciano, com provas robustas da safadeza do sujeito cheio das moral. Por que os blogues progressistas não comentam isso?

Responder

    migueldorosario

    04 de agosto de 2016 às 10h53

    nem tive tempo para ver isso ainda. pode linkar aqui?

    Responder

    João Ostral

    04 de agosto de 2016 às 10h53

    Crimes é para periferia e PT, a casa grande não comete crimes, só traquinagens perdoáveis.

    Responder

Lafaiete

04 de agosto de 2016 às 09h58

Observem a pose de todo poderoso de um e de submisso do outro!

Pobre Brasil! Até quando?

Responder

Marcvs Antonivs

04 de agosto de 2016 às 09h49

Para que não reste mais dúvida alguma: esse golpe foi dado pelo judiciário. A classe política foi apenas o meio para se atingir o objetivo. Apenas um idiota não consegue ver o alinhamento entre a obscenidade de Curitiba com o ministério público, PGR e stf. Dessa forma o Brasil estréia uma novidade, pelo menos por essas bandas: o golpe togado. Já tivemos: golpe CÍVICO-MILITAR: a proclamação da república foi um caso clássico que aliou o recém criado Partido Republicano aos militares comandados pelo Ministro da Guerra do imperador (se há presença constante na nossa história é a presença de traidores!!!); golpe CIVIL: o golpe de Vargas em 1937 é um exemplo perfeito; Golpe MILITAR: em 1964 embora os civis tivessem iniciado o golpe houve um claro golpe dentro do golpe. Quando os civis abriram os olhos os militares já tinham tomado conta do boteco. E agora temos o golpe CÍVICO-JURÍDICO. O judiciário está usando de maneira clara a classe política para perpetrar o golpe. Não acredito, nesse momento, que os togados vão assumir completamente o controle, mas que estão dosando tudo, estão.

Responder

frederico

04 de agosto de 2016 às 09h35

O que se vai falar quando dois grandes FDPs se encontram. Não há o que falar, há sim que se cobrar do Supremo uma reprimenda pública a Gilmar Mende.kkkkkkkkkkkkkkkk Essa piada foi boa né?!?!?!?!?

Responder

Comedor de coxinha

04 de agosto de 2016 às 09h01

Fazer o que. Esperar pra ver no que da. Coisa boa tenho certeza que não vai ser…. Muita gente que sai nas ruas hoje contra o PT vai ser prejudicada também. Pagaram pra ver no que vai dar. Agora a conta vai chegar….

Responder

Marcos Augusto Neves

04 de agosto de 2016 às 08h55

Regredimos 30 anos ou mais, estamos vivendo um Estado de exceção, onde uma elite ignóbil tenta garantir seus privilégios, e o pior; ninguém faz nada! Pobre Brasil.

Responder

Deixe um comentário