Ciro Gomes ao vivo na Band

Globo ameaça próximos presidentes no seu editorial pós-golpe

Por Pedro Breier

01 de setembro de 2016 : 18h04

Por Pedro Breier, correspondente policial do Cafezinho

No dia 31 de agosto de 2013, exatos 3 anos antes do golpe midiático/judicial/parlamentar de 2016, foi publicado um editorial no Globo afirmando que o apoio do jornal ao golpe de 64 foi um erro.

A Globo reconhece o erro mas ao mesmo tempo tenta justificá-lo: outros grandes jornais também apoiaram, havia o temor de que Jango instaurasse uma ‘república sindical’, ‘a intervenção fora imprescindível para a manutenção da democracia’, etc.

Em um trecho o editorial afirma o seguinte:

A História não é apenas uma descrição de fatos, que se sucedem uns aos outros. Ela é o mais poderoso instrumento de que o homem dispõe para seguir com segurança rumo ao futuro: aprende-se com os erros cometidos e se enriquece ao reconhecê-los.

A Globo, no entanto, não aprendeu com os próprios erros.

Podemos dizer com segurança que a empresa da família Marinho é a grande protagonista do golpe de 2016.

Afinal, sem o seu jornalismo furiosamente antipetista e macartista (não só o jornalismo, mas também através de mensagens subliminares nos seus programas de entretenimento: na minissérie ‘Felizes Para Sempre?’, de 2015, por exemplo. há uma cena em que aparece um quadro de Che Guevara na casa luxuosa de um empreiteiro corrupto, numa clara tentativa de ligar a corrupção à esquerda, quando o perfil de empreiteiros corruptos na realidade está muito mais para eleitor de Aécio Neves); sem a sua parceria com a Lava Jato, utilizando vazamentos seletivos para manipular a opinião pública, tentar interferir na eleição de 2014 e depois derrubar o governo; sem o seu poder de assassinar reputações que intimida deputados, senadores e ministros dos tribunais superiores; e sem a convocação do exército coxinha com cobertura em tempo real das manifestações da direita o golpe não seria possível.

O editorial do Globo de hoje, o dia seguinte ao golpe de 2016, é um festival de cinismo, soberba e ameaças.

Não vem com a mentira do editorial do dia seguinte ao golpe de 1964 – Ressurge a Democracia -, mas começa ameaçando os próximos presidentes: o título é ‘Para que jamais haja outro impeachment’ e o subtítulo ‘A partir de agora, governante que desejar tomar atalhos, e não apenas no manejo do orçamento, para contornar a Carta, sabe o risco que corre’.

No final do editorial fica claro que na verdade não são os governantes que ‘contornam a Carta’ que correm o risco de serem apeados do poder:

A partir de agora, qualquer governante que pense em atalhos à margem da lei, no manejo orçamentário, precisará refletir sobre as implicações de seus atos. O mesmo vale para delírios no campo político-institucional. O fortalecimento não é apenas das cláusulas da responsabilidade fiscal, mas da Constituição como um todo, para desaconselhar de vez projetos bolivarianos como o do lulopetismo. Serve de aviso geral à nação.

O impeachment de Dilma serve para “desaconselhar de vez projetos bolivarianos como o do lulopetismo”.

Não é ‘só um aviso geral à nação’, mas uma ameaça aos eleitores e próximos presidentes, feita pela auto-proclamada suprema comandante do país, a Globo: ou o governo se alinha ideologicamente aos Marinho ou cedo ou tarde será derrubado.

Neste trecho, todo o cinismo da Globo:

São um feito os dois impeachments (Collor e Dilma), sem rupturas, num continente cuja trajetória é pontilhada de acidentes institucionais e autoritários, à direita e à esquerda, tendo como ligação, entre esses dois campos que se opõem, o nacionalismo, muitas vezes turbinado pelo populismo, como tem sido na tragédia do chavismo e foi na debacle do lulopetismo, com a mais grave desestabilização da economia brasileira na República.
É de notável ineditismo, na América Latina, o fato de esses incidentes institucionais no país serem contornados sem as rupturas clássicas na região.

Uma empresa que apoiou a ditadura militar chamar os governos ‘lulopetistas’ e o chavismo de autoritários é positivamente ridículo.

E afirmar que o impeachment de Dilma se deu ‘sem ruptura’ é um escárnio.

Mas, como diz Jânio de Freitas em sua coluna de hoje na Folha, ‘nenhum golpista já admitiu ser golpista’.

A Globo ainda lembra várias vezes, no editorial, a ligação de Dilma com Brizola, tripudiando, após essa vitória suja, em cima de seu mais feroz combatente. Outro trecho:

No processo contra Dilma, não há acusações de corrupção, mas crimes que têm a ver com a visão ideológica lulopetista, com o tempero brizolista da ex-presidente. Não passou despercebido que, ao se defender no Senado, Dilma Rousseff usou tática do guia Leonel Brizola: nunca responder as perguntas e falar o que quiser.

Mais uma vez fica claro que o crime de Dilma, para a Globo, foi ter uma visão ideológica ‘lulopetista com tempero brizolista’, portanto desalinhada com o que os Marinho querem para o país: neoliberalismo selvagem e a conta da crise paga pelo povo, para que sua fortuna e seus privilégios permaneçam intocados.

O cientista político Moniz Bandeira afirmou, quando recebeu o título de Doutor Honoris Causa da Universidade Federal da Bahia, que ‘uma potência é muito mais perigosa quando está em decadência do que quando conquista o seu império’.

Com audiências minguando ano a ano – a internet e o Netflix vão acabar com a televisão como a conhecemos – e a narrativa política sendo disputada por sites progressistas, a Globo é uma potência em decadência.

E provou estar correta a frase de Moniz Bandeira, atuando decisivamente para que estejamos vivendo mais um golpe em nosso país.

Apenas 3 anos depois de afirmar que foi um erro o apoio ao golpe de 64.

Mas em algum momento a decadência será irreversível, e aí uma eventual admissão de culpa por mais um crime contra a democracia será muito pouco.

O fim do monopólio inconstitucional da Globo nas telecomunicações virá, de um jeito ou de outro.

Pedro Breier

Pedro Breier, colunista d'O Cafezinho, é formado em direito mas gosta mesmo é de jornalismo. Nasceu no Rio Grande do Sul e hoje vive em São Paulo.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

65 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Morhamed Dias

08 de setembro de 2016 às 08h57

Luta de classes. E o pior de tudo é que uma grande parte da classe que a elite mais odeia, ainda não notou o tamanho do problema. E nem percebeu que ela é o foco do ataque, muito mais que o PT.

Responder

Leonisio Barroso

04 de setembro de 2016 às 18h24

E qual Rede de TV não é tendenciosa; A Record ? A Band ? A Rede TV ? O SBT ? O interessante é ter várias opções de se informar, jornais, internet, rádio, etc. e formar sua opinião. Acreditar na primeira notícia que se tem é errar na certa …

Responder

Dirceu Cateck

04 de setembro de 2016 às 00h37

Desde Getúlio…

https://www.youtube.com/watch?v=cX6BHoKPHZ4

Responder

André Pereira

03 de setembro de 2016 às 02h35

Chocado!

Responder

Marcio Roberto

02 de setembro de 2016 às 15h33

Mais parece um relatorio de seviços prestados aos EUA.

Responder

Marcelo

02 de setembro de 2016 às 14h54

Ideias retrógradas de um autor inconformado com o fim de um governo corrupto e aliciador dos menos intelectualizados.

Responder

    Leonardo Dutra

    04 de setembro de 2016 às 01h49

    Ah sim… mais intelectualizados são os telespectadores da Globo, Aham.

    Responder

    Maria do Carmo Oliveira

    04 de setembro de 2016 às 09h22

    Alôôô! Bernie Sanders, Noam Chomsky, Chico Buarque, Caetano, Gil, Fernanda Montenegro, Fernando Verissímo, Miguel Nicolelis, Boaventura de Souza Santos, Mia Couto, Sônia Braga, Wagner Moura, Susan Sarandon, Denny Glover, Tom Morello, Oliver Stone, Elza Soares, e o Papa Francisco – os menos intelectualizados… Do outro lado: lobão, roger, alexandre frota, constantino, danilo gentili, suzana vieira, miriam leitão, olavo de carvalho, merval pereira, marina silva, marcelo tas, arnaldo jabor, aécio néscio, serra, dória, alkmim (e toda a gangue do PSDB/DEM/PPS/PSB) – a “nata” da intelectualidade… Sei! Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk! Ou você é muito cínico ou um completo imbecil!

    Responder

    Laura Domingues

    07 de setembro de 2016 às 10h02

    Não se preocupe, os menos intelectualizados já foram aliciados pelos golpistas antes. E irão começar a colher os frutos podres agora.

    Responder

Kdid

02 de setembro de 2016 às 14h54

Esperneia!!! Esquerdista infeliz!!!

Responder

    Gennaro Gama

    02 de setembro de 2016 às 17h47

    Grita, gado marcado e com coleira

    Responder

    Maria do Carmo Oliveira

    04 de setembro de 2016 às 09h26

    Infeliz está o povo brasileiro! Por causa de gente como você (os cínicos e/ou analfabetos políticos) estamos na beira do abismo… Uma ruptura institucional não é um passeio pela Paulista para tomar champanhe em dia de domingo de sol, moço! É muito sério e joga a credibilidade do país no lixo! Se você se interessasse mais por história do que por caçar pokémon, talvez entendesse a gravidade do momento histórico que atravessamos. Néscio!

    Responder

Custodio Oliveira

02 de setembro de 2016 às 14h47

Só um debil mental, com sérios problemas psiquiátricos e idiotizado, que não conhece a correta ortografia, como o joserodney, não consegue perceber a realidade dos fatos e a verdade do exposto nesta matéria

Responder

joserodney

02 de setembro de 2016 às 14h33

Quem escreveu este lixo e um debil menal, com serios problemas psiquiatricos deveria estae em uma clinica de recuperacao o idiotizado

Responder

    Luiz

    02 de setembro de 2016 às 15h45

    Creio que nesse caso o único débil mental aqui é você!

    Responder

MOREIRA

02 de setembro de 2016 às 13h44

Na minha casa ninguém assiste a globo e seus telejornais mentirosos. Aliás, sequer sabemos que tipo de programação essa bosta anda passando. Infelizmente, a maior parte dos brasileiros ainda tem a globo como sinônimo de boa programação. Coitados!

Responder

maria clara

02 de setembro de 2016 às 12h56

ABAIXO A REDE GLOBO, POIS O POVO É MUITO BOBO!

Responder

Mauro Casiraghi

02 de setembro de 2016 às 10h32

A Rede Globo é uma aberração em um país, uma empresa jornalística que comanda o poder político, faz-se porta-voz dos banqueiros e empresários e serve de agente controlador de um governo estrangeiro. Daí o porque do pasmo de jornais europeus e mesmo norte-americanos. Mas, se a Rede Globo existe e impera no Brasil já de muitas déca
das é uma prova de que existe público e apoio para ela. Resumindo, uma massa de brasileiros descontentes não impede a Globo de dar as cartas no Brasil. Ou seja, o brasileiro tem a Globo que merece. E tanto pior pra ele.

Responder

    Wellington

    04 de setembro de 2016 às 06h47

    Verdade Mauro. Comparo a Globo no Brasil com essas refeições do tipo hambúrguer com fritas e refrigerantes (minisséries, programas no estilo do PEGN, G. Repórter/Rural e Autoesporte, etc.). Confesso que devido à embalagem (fotografia, locais, por exemplo) até em mim já despertaram o “paladar”, de forma até tentadora, como o é ainda para a grande maioria da população, ante os demais canais da TV aberta. Usam para isso até o futebol como “molho e temperos”. Mas aos poucos minha consciência evoluiu, e da mesma forma que a minha dieta tem se tornado naturalíssima e saudável, minha consciência também. O problema é a pressão psicológica da dualidade (mídia/sabor) x (consciência/saúde) na cabeça da grande massa. Tal fenômeno se repete na música, literatura e artes em geral. Aliás muitos confundem leitura séria e comparada com esse
    “jornalismo” fast-food oferecido pela Globo. Finalizando, é um trabalho de décadas (acredito que só no próximo século) de evolução de consciência.

    Responder

Edson do Nordeste

02 de setembro de 2016 às 11h01

QUANDO O PIG IRÁ CAIR?
QUANDO A ESQUERDA FOR COMBATIVA, QUANDO A ESQUERDA REPARTIR O CONHECIMENTO QUE TEM COM O POVÃO!
QUANDO O POVÃO TIVER UM MÍNIMO DE INFORMAÇÃO, PRA PODER TER CONSCIÊNCIA E IR AS RUAS, COBRAR OS SEUS DIREITOS!
MAS, ISSO É UM SONHO!
A ELITE BRASILEIRA SEMPRE CONTROLOU O POVO!
O PRIMEIRO SOCIALISMO COMEÇA COM DISTRIBUIÇÃO IGUALITÁRIA DE CONHECIMENTO!
HOJE A ELITE TEM JORNAIS, REVISTAS, EMISSORAS DE TV. E IRÃO CONTROLAR A INTERNET!
A MAIORIA DOS BRASILEIROS TÊM IDEIAS DE DIREITA!
A BATALHA ESTÁ SENDO PERDIDA TODOS OS DIAS, DENTRO DAS CASAS DO CIDADÃO, É SO ELE LIGAR ALGUM MEIO DE COMUNICAÇÃO!
AÍ EU PERGUNTO AONDE ESTAR A ESQUERDA?

Responder

FRS

02 de setembro de 2016 às 09h13

Quando a mídia se passa a assume esse papel politico e, inclusive, já dispensando as mascaras, não há como não se sentir em uma republicas de bananas. O sociedade brasileira é doente e, pelo que parece, continuará sendo.

Responder

Andre_Gotha

02 de setembro de 2016 às 08h13

PT pagando caro por não ter feito uma Lei de Meios…bastaria fazer um cópia de Lei inglesa que as firmas familiares de imprensa ficariam sem argumentos; bastaria trazer o capitalismo para as telecomunicações brasileira que eles não poderiam contra-argumentar

Responder

Marcos Rogério Cabral

02 de setembro de 2016 às 07h39

A questão toda é que muitos que votaram na Dilma apoiaram o golpe. Estavam felizes com o fato de poder comprar celulares, linha branca e automóveis. Qdo a conta chegou, ninguém quis pagar. Taí o resultado. Uma presidente impedida sem crime.

Responder

    João Batista Kreuch

    02 de setembro de 2016 às 08h00

    Cara o seu raciocínio é dos mais estranhos que já vi! Aliás, não é estranho, é exatamente o que pensa a Globo! Boa parte da população melhorar de condição financeira, então, é o que não devia ter acontecido e por isso se justifica que tirem do poder quem fez isso a acontecer: Então, só pode manter seu cargo até o fim quem não inventar de melhorar a vida da população e fazer com que possam comprar eletrodomésticos, celulares e automóveis!!! cara, vc devia se olhar no espelho e repetir isso olhando pra sua própria cara, e ver se se aguenta!

    Responder

      Mauro Casiraghi

      02 de setembro de 2016 às 10h35

      O socialismo ainda não é uma realidade brasileira. Nem tampouco a democracia. Eu sobrevivi a uma ditadura militar e pensei que acabaria meus dias em um Brasil democrático. Hoje o Brasil perdeu o sentido para mim. Enquanto existir a Globo/CIA, o Brasil viverá de ditaduras alternadas com períodos curtos de fraca democracia.

      Responder

        Custodio Oliveira

        02 de setembro de 2016 às 14h54

        Infelizmente não é apenas a Globo que manipula as informações e dita as regras do jogo. Todas as outras emissoras, Band, Record, Rede TV, de uma maneira ou de outra tem o mesmo comportamento. Na Band os comentários ofensivos sempre foram direcionados ao governo Dilma. Nunca falam “é uma vergonha” sobre o governo paulista. Na Record, por conta da eleição municipal, todo dia tem matéria negativa sobre as obras para as Olimpíadas. Não que tais obras tenham sido corretas, mas sim pelo fato de que o Crivella é candidato a prefeito…

        Responder

          Wellington

          02 de setembro de 2016 às 15h48

          Verdade. Exceto o Ricardo Boechat, na Band e o Paulo Henrique Amorim, na Record. Ambos tiveram a cabeça a prêmio por defenderem a tese do golpe montado por Temer e Cia e CIA (literalmente).

          Responder

            Custodio Oliveira

            02 de setembro de 2016 às 17h05

            Desculpe-me Wellington mas discordo. O Boechat por diversas vezes, principalmente no editorial matutino da rádio, classificou como “parte do jogo democrático” toda a armação promovida pelo Temer e sua turma, apoiados pela Globo. O PHA que desde o princípio apontou para a farsa. Abraço

            Responder

            André Pereira

            03 de setembro de 2016 às 02h48

            O Boechat só falou que é golpe quando era tarde demais. Pode não ser tão golpista quanto os outros e nem fascista, mas é golpista também.

            Responder

      Wellington

      02 de setembro de 2016 às 15h37

      Prezado, mais calma e menos paixão. Você até parece que não foi bom em interpretação de textos no colégio, nos sentidos conotativos e denotativos das palavras? (Aproveita e revisa esses conceitos já que agora concursos são “a chance” de bom emprego nesse país neoliberal que se anuncia…)
      Entendi perfeitamente o que o colega disse. E sim, votei em Lula e Dilma e sou também contra o impeachment. O grande problema é que somos um país-show embalado pela Globo (para não fugir ao tema da matéria). Veja-se, por exemplo, futebol x outros esportes, como tema compreensível pela grande massa diante até da nossa estrutura político-administrativa dos poderes e da própria Constituição: Futebol “dos milhões de técnicos” gera mais audiência – sempre – e não apenas nos três últimos anos, como a política gerou, e até muda programações “nobres”. Coisa comparável somente ao circo montado para o impeachment e que, de maneira oposta, atletas de verdadeiro ouro olímpico (até então desconhecidos) levaram uma vida a cada 4 anos para conseguir, sem patrocínio algum. Culpa nossa também. Que além de não educarmos e promovermos a educação levamos tudo para o lado da polarização e dos achismos. Nessa linha, a “seleção do Neymar-Galvão” se fizer gol é a “melhor do planeta” e vice-versa, caso não o faça, “está fora”. Técnicos idem. Vimos isso nas olimpíadas recentemente. Culpa deste país maniqueísta e futebolístico, sem direitos fundamentais, sutilmente escravocrata, transplantado para a política até com o apoio de algumas “igrejas”. O colega está certo e muitos brasileiros não votam por convicção mas porque ganham mais isso ou aquilo. Também não estão dispostos à via crucis, mas querem a prosperidade imediata dos céus! E foi justamente essa parcela “mutante” da classe C que antes elogiava (sei do que estou falando com casos reais, não são todos, mas muitos) aliada aos interesses da direita “salvadora” e oportunista que se acha “informada” pela Rede Globo, Folha, Veja, etc., até mesmo dentro das novas faculdades particulares (paradoxalmente permitidas pelos governos Lula-Dilma) que foi o fiel da balança em ano de eleições. Pense nisso. Não descartando, claro o “apoio” externo já mostrado pelo wikileaks.

      Responder

        João Batista Kreuch

        02 de setembro de 2016 às 16h37

        Beleza, Wellington, reconheço que não captei seu pensamento com os não muitos elementos que havia no seu comentário anterior. Obrigado por dar-se ao trabalho. Esse fenômeno de parte da favorecida classe média mutante é bastante complexo e acho que prevalece mesmo a parca formação política e baixíssima capacidade crítica – dois fatores que permitem tamanha manipulação da opinião pública com a simples escolha de palavras numa manchete de jornal! Com esse ônus, nossas chances de progredir politicamente, reconheço, são poucas.

        Responder

          Wellington

          02 de setembro de 2016 às 17h17

          Don’t worry my friend! (língua da Matriz do novo Estado que se fundou aqui…).
          Obs: o comentário anterior não foi meu, mas do Márcio Rogério.
          Sem problemas! Que bom que você captou a ideia. Grande abraço!

          Responder

      André Pereira

      03 de setembro de 2016 às 02h41

      Também acho que você não captou bem a mensagem do Marcos. Mas tudo bem. Acho que é o calor da hora.

      Responder

André Luiz

02 de setembro de 2016 às 02h11

O Rio(Sede da Rede Globosta) tá precisando de Dilma como governadora. Aliás, vi agora que ela vai morar lá…

Responder

    Mauro Casiraghi

    02 de setembro de 2016 às 10h37

    Isso não mudará muita coisa não. A Dilma não é mais forte que a Globo. O PT não é mais forte que a Globo. Caso o fossem, ela estaria ainda como Presidente do Brasil. A Globo é a porta-voz da casagrande fascista brasileira e pouco importa onde seja a sua sede.

    Responder

      André Luiz

      02 de setembro de 2016 às 11h57

      É isso é verdade. Mas a Globo não é maior que o povo brasileiro. Resistência! Eu quero ver os jornalistas dela em campo.

      Responder

        André Pereira

        03 de setembro de 2016 às 02h50

        Por enquanto tem sido maior sim. Espero pelo dia de nossa libertação desta máquina manipuladora.

        Responder

      André Luiz

      02 de setembro de 2016 às 11h58

      obrigado pela observação

      Responder

André Luiz

02 de setembro de 2016 às 01h46

Rede Globosta! Bosta, bosta, bosta…Só bosta e seus Williams! Venham pra campo jornalistas da Globosta.

Responder

ricardoaraxa

02 de setembro de 2016 às 00h26

O Brasil tem de resolver logo o que quer.Democracia ou globo!

Responder

    André Luiz

    02 de setembro de 2016 às 01h47

    Eu prefiro democracia!

    Responder

Sandra Siqueira

02 de setembro de 2016 às 00h13

Tomara que venha logo. Não assisto mais esta emissora faz um bom tempo. E não assino mais o jornal, desde o dia que notei que havia dois meses que eu pegava o jornal, e só as mentiras da primeira página me desanimavam a ler o resto. E aí eles iam se acumulando no canto da sala esperando a coragem chegar. Nunca chegou este dia. Aí cancelei de vez.

Responder

    André Pereira

    03 de setembro de 2016 às 02h51

    Fez muitíssimo bem.

    Responder

Fernando Santos

01 de setembro de 2016 às 23h30

quem manda a esquerda serem um bando de bundões..taquem fogo no PIG!! e pronto, problema resolvido!!!

Responder

    Jsus

    02 de setembro de 2016 às 15h57

    Incitador diota e covarde.

    Responder

André Monteiro

01 de setembro de 2016 às 22h59

Nós somos uns bananas! A gente já devia todo dia fazer uma manifestação em frente a Globo até ela fechar! Tem que fazer que nem as muralhas de Jericó! Ou a gente acaba com a Globo ou a Globo acaba com a gente! A ultima opção é a que está prevalecendo. Até quando aceitar a Globo em nossa sociedade?

Responder

    Torres

    02 de setembro de 2016 às 01h59

    meu jovem.
    aceite.
    não há nada que se possa fazer além de não dar audiência.
    a Globo é líder, rica, com muitos negócios.
    se revoltar não muda esse fato.

    Responder

Sandra Francesca de Almeida

01 de setembro de 2016 às 21h50

A obsessão com Lula é da ordem do pathos.

Responder

    Sara

    02 de setembro de 2016 às 00h29

    A verdade é que a globo morre de inveja porque Lula é maior que eles e um homem ser maior que uma emissora, para eles deve ser de matar. kkkkkkkk

    Responder

Marcos Augusto Neves

01 de setembro de 2016 às 21h48

Eu não assisto, meus filhos não assistem, não por questões ideológicas mas por simples consciência de que não acrescenta em nada, e quero estar vivo para ver a morte dessa empresa.

Responder

Sergio Santos

01 de setembro de 2016 às 21h45

Só ………
ISSO MESMO QUE VOCÊS ESTÃO PENSANDO
E UMA CAMBADA, ESSES MARINHOS

Responder

Pedro Pereira

01 de setembro de 2016 às 21h21

Depois de ler esse lixo em forma de texto, os coxa disseram amem.

Responder

    Ricardo Oliveira

    01 de setembro de 2016 às 21h45

    Pelo comentário inteligente deves estar no rolo do banheiro dos marinho se for suficientemente macio.

    Responder

Andrea Prates

01 de setembro de 2016 às 21h20

O que essa canalhice toda vem propiciando, sem dúvida alguma, é um estado de indignação tão grande por parte da esquerda, capaz de unificar a luta e acirrar a disposição para eleger o próximo mandatário. E vai! Perceba que, mesmo com todas as dificuldades históricas de se unir numa pauta comum, em vista das diferenças ideológicas, a esquerda vem elegendo os presidentes há 4 eleições. Agora, então, que sofremos um golpe de estado, com requintes de desfaçatez desse Congresso imundo e com o rasgado empenho das “famiglias” da mídia, sobretudo, os marinho, o que não falta à esquerda é disposição, não só para recuperar a Presidência… de forma legítima. pelo voto direto… como também de defender e garantir o fim dos aportes financeiros a estas empresas.
A globo já vem sofrendo a execração popular desde as manifestações de 2013, tendo, inclusive, uma considerável redução em suas assinaturas, por conta da sua prática manipuladora, tendenciosa, mentirosa. De lá pra cá, vem angariando mais e mais a antipatia da população, e muito graças a essas atitudes prepotentes, como o editorial calhorda de hoje. E quanto mais insiste em afirmar o seu poder, mais acirra os ânimos contra ela.
O fato é que a regulação da mídia é pauta prioritária, e o fim da concessão aos marinho é bandeira de luta! NÃO TEM ARREGO!

Responder

Rogério Bezerra

01 de setembro de 2016 às 21h19

Caso não tenham tido o desprazer de ler revistas da Globo, saiba que há 3 ou 4 anos dentro da revista Superinteressante estava embutido num texto de assunto científico uma crítica ao governo de Dilma. Não tinha que estar lá, mas estava. Ao pagar minhas comprar minúsculas do mês ( agora economizo para tempos difíceis e para sumir…) o jovem caixa (omito o nome) me disse que uma revista dizia que Lula começou a enriquecer em 1980… Isso aconteceu em todos os veículos de comunicação.

Responder

Fabiano França

01 de setembro de 2016 às 20h17

A globo é um godzilla que precisa ser abatido.

Responder

Dr.Ló

01 de setembro de 2016 às 19h32

Não tenho vergonha de dizer que temos que pedir desculpas. O PT tem que pedir desculpas, o governo tem que pedir desculpas – lula

Responder

Torres

01 de setembro de 2016 às 19h22

não sei se entendi direito, mas o texto afirma que o chavismo não é autoritário?
está de brincadeira?

Responder

    André Pereira

    03 de setembro de 2016 às 03h00

    Mesmo que seja, a história da Venezuela tem sido de autoritarismo de uma elite que nunca socializou a riqueza do petróleo e nem investiu para que o país fosse menos dependente desta. O autoritarismo veio da sabotagem explícita que a oposição fazia desde o início de um governo de interesse popular, minando qualquer possibilidade deste dar certo. Que tal parar de comparar o Brasil com a Venezuela, uma vez que são países muito distintos?

    Responder

      Torres

      03 de setembro de 2016 às 10h50

      eu não comparei Brasil com Venezuela, André.
      não seja desonesto consigo mesmo.
      o que deixei bem explícito é que o chavismo é autoritário.
      e eu não concordo com nenhuma forma de autoritarismo.
      governos são construídos.
      é preciso saber lidar com a elite tb.

      Responder

        André Pereira

        03 de setembro de 2016 às 17h53

        Se não coube a você, que assim seja. O ponto que me incomoda, em geral – não tome como algo particular – é o clichê do bolivarismo querendo se implantar no Brasil.

        Responder

          Torres

          03 de setembro de 2016 às 18h50

          coisa de retardado.
          a única semelhança é que a política economica de Dilma traria caos social ao Brasil.
          mas sequer teria a proporção do caos venezuelano.
          aqui ainda temos política, coisa que Maduro tentou fortemente destruir, e quase conseguiu.
          são projetos estatistas, em ambos os países.
          mas realmente, o Brasil é um país muito mais complexo.
          e o PT, ou Lula, não são autoritários como Chavez ou Maduro.

          Responder

robertoAP

01 de setembro de 2016 às 18h55

Eu não ficaria nem um pouco infeliz ,se os brasileiros usurpados e agora gozados pela imunda globo,se reunissem e tacassem fogo naquela fábrica de bandidos.
Iria fazer como Nero, tocar minha harpa alegremente,olhando as belas labaredas.

Responder

    André Pereira

    03 de setembro de 2016 às 03h00

    Eu ficaria bem feliz.

    Responder

C.Poivre

01 de setembro de 2016 às 18h45

É preciso extinguir a figura do “impeachment” que fica nas mãos de parlamentares venais em sua maioria. Na Venezuela é o povo que decide através do plebiscito revogatório solicitado por 20% dos eleitores, após a segunda metade do mandato presidencial, conforme previsto na Constituição do país. Na eleição presidencial lá o processo é muito mais transparente com mais de uma maneira de identificar o eleitor na hora do voto que é também impresso não ficando apenas restrito ao sistema eletrônico, o que dá mais segurança e permite todo o tipo de auditoria. A Fundação Carter, depois de acompanhar várias eleições na Venezuela, reconheceu que o processo eleitoral nesse país está próximo da perfeição. Temos muito a aprender com os venezuelanos.

Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com