Jornal da Forum: Lula quer reindustrializar o Brasil!

‘Já foi o tempo em que acreditar na isenção da Lava Jato era caso de ingenuidade. Agora é pura má-fé’

Por Redação

23 de setembro de 2016 : 12h45

SOBRE A PRISÃO DE GUIDO MANTEGA

por Guilherme Boulos, no Facebook

A Lava Jato teve uma atividade intensa até o impeachment de Dilma. Operações semanais. Na prática, seus alvos políticos foram só petistas, apesar de várias citações de políticos de outros partidos em delações.

Depois do impeachment, a Lava Jato tirou férias de alguns meses. Parecia ter um certo sentimento de dever cumprido. Neste meio-tempo veio a delação de Sérgio Machado, a implicação de Temer, Jucá, Renan e novas citações a Serra e Aecio. Cunha perdeu o foro privilegiado, podendo agora ser julgado por Moro.

Então, a Lava Jato volta à cena:
E os procuradores de Curitiba indiciam… Lula!
E Moro mandou prender hoje… Guido Mantega!

Já foi o tempo em que acreditar na isenção da Lava Jato era caso de ingenuidade. Agora é pura má-fé.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Everson R.G

25 de setembro de 2016 às 13h25

Depois que passaram a mão na cabeça do Aécio,eu também desacreditei.
Passei a achar que é de proteção a outro bando de corruptos,e com Moro ligado a esse jogo.

Responder

Julio

24 de setembro de 2016 às 18h55

O sistema chora e purga-se pontualmente de corrupção e máfia. A reacção alérgica é de choque com as acusações.
O cidadão é indiciado e responde, as grandes figuras e professores catedráticos são também arrastadas e as suas reputações podem ser também destruídas. Assim evolui a justiça, por prevenção remove e no processo destrói a vida calma dos inocentes. Falam de mudança este é o custo da mudança: listas e listas de nomes todos culpados de milhares de roubos de galinheiro.
O Brasil não deve se assustar. A classe média e os de direita não devem fingir apoiar o fim do PT.Também eles trabalham para matar os corajosos investigadores.

A constante referência que os políticos brasileiros de todos os partidos são corruptos só serve para nada mudar. O judicial nunca criou ditaduras, em país algum. Políticos criam estados policiais.

O Brasil não tem procuradores livres para perseguir prefeitos, quanto mais manda-chuvas. Esses investigadores e juízes vão ser destruídos, as suas carreiras arrastadas, tudo isso tentando processar criminosos de guerra no descalabro financeiro(a petro-economia do Brasil chegou ao seu fim triste e curto).

Não interessa a motivação profissional dos juízes e procuradores, é legítimo que sonhem destruir corruptos e poderosos. E que façam tudo para tratar as ligações políticas como cidadãos, arrastando-os para o sistema comum brasileiro.
São gente comum e honrada, e como tal merecem o tratamento comum e triste.

Responder

Jst

23 de setembro de 2016 às 14h01

Eu não acredtio em nada que vem da lava jato desde que ignoraram a primeira delação contra o Aécio.
naquele momento, ficou cristalino para mim que o objetivo daquela operação não era combate a corrupção.
O tempo me deu razão.
Outra coisa que sempre acreditei é que todo profissional do direito é limitado cognitivamente. Não conseguem raciocinar e medir consequências dos seus atos. Só são bons em decorebas, isto porque no direito não tem fórmulas nem cálculos.
O nosso judiciário será nossa desgraça.

Responder

Deixe um comentário

O 2021 de Ciro Gomes O 2021 de Lula Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou?