Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Brasil condenado na CIDH por não combater trabalho escravo

Por Redação

16 de dezembro de 2016 : 11h57

Sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos responsabiliza o Estado do Brasil  pela violação ao direito a não ser submetido à escravidão e tráfico de pessoas de 85 trabalhadores resgatados da Fazenda Brasil Verde, localizada no estado do Pará.

Em março de 2000, dois jovens escaparam da Fazenda denunciaram a situação em que se encontravam.

O Ministério do Trabalho organizou uma fiscalização e produziu relatório que indicou que os trabalhadores se encontravam em situação de escravidão. Os trabalhadores foram aliciados por um ‘‘gato’’ nos locais mais pobres do país e viajaram durante dias em ônibus, trem e caminhão até chegarem à Fazenda. Suas carteiras de trabalho foram confiscadas e eles assinaram documentos em branco.

As jornadas de trabalho eram de 12 horas ou mais, com um descanso de meia hora para almoçar e apenas um dia livre por semana. Na Fazenda eles dormiam em galpões com dezenas de trabalhadores em redes, sem eletricidade, camas ou armários.

A alimentação era insuficiente, de péssima qualidade e era descontada de seus salários. Eles se adoentavam com regularidade e não recebiam atenção médica. O trabalho era realizado sob ordens, ameaças e vigilância armada.

Confira comunicado da Corte Interamericana de Direitos Humanos

Confira a sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário