Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Afranio Silva Jardim: “estou indignado com o que assisti”

Por Miguel do Rosário

11 de maio de 2017 : 12h34

Na Rede Brasil Atual

Após depoimento de Lula, jurista pede para retirar artigo de Moro em livro-homenagem

Ex-apoiador da Lava Jato, Afrânio Silva Jardim, um dos maiores processualistas brasileiros, se mostrou inconformado com atuação do juiz. “Posso estar errado, mas Lula não está tendo direito a um processo penal justo”

por Redação RBA publicado 11/05/2017 10h27, última modificação 11/05/2017 10h31

São Paulo – Em seu perfil no Facebook, o mestre e livre-docente em Direito Processual pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), Afrânio Silva Jardim, se disse “indignado” com a atuação do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, no depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tomado nessa quarta-feira (10) na capital paranaense. O jurista pediu publicamente que um artigo do magistrado, publicado em livro que o homenageia, fosse retirado da obra.

“(…) solicito, de público, aos amigos Pierre Souto Maior Amorim e Marcelo Lessa, organizadores do livro ‘Tributo a Afranio Silva Jardim’, que diligenciem junto à Editora Juspodium no sentido de que não conste, na sua terceira edição, o trabalho do referido magistrado. A obra foi publicada, em minha homenagem, sendo composta por vários estudos de renomados juristas pátrios e estrangeiros”, diz Jardim em sua postagem.

Segundo o professor, considerado um dos maiores processualistas do país e citado em mais de cem acórdãos no Supremo Tribunal Federal (STF), outros autores da obra também estariam incomodados em figurar ao lado de Moro. “Esta minha solicitação, além de ser motivada pelo inconformismo acima mencionado, tem como escopo evitar constrangimento ao próprio juiz Sérgio Moro, diante de críticas técnicas que venho fazendo a seu atuar processual. Ademais, alguns colaboradores da obra coletiva já se manifestaram desconfortáveis em figurar na companhia deste magistrado no aludido livro.”

“A minha indignação é tanta, que, apesar de professor e ex-membro do Ministério Público experiente, quase não consegui dormir esta noite e, por isso, estou aqui novamente fazendo este aditamento. Sinto necessidade de ‘gritar’, sinto necessidade de ‘desabafar'”, lamenta . “Posso estar errado, mas o ex-presidente Lula não está tendo o direito a um processo penal justo. Ele não merecia isso. Fico imaginando o ‘massacre’ a que seria submetida a sua falecida esposa D. Maria Letícia, pessoa humilde e inexperiente …”.

“Confesso que continuo amargurado e termino dizendo que, se o ex-presidente Lula restou humilhado, de certa forma, também restou humilhado o povo brasileiro, que nele deposita tantas esperanças”, pontua o jurista. “Termino também dizendo que restou ‘esfarrapado’ o nosso sistema processual penal acusatório, que venho procurando defender nestes trinta e sete anos de magistério. O juiz Sérgio Moro me deixou triste e decepcionado com tudo isso.”

Quando o processo da Operação Lava Jato teve início, o processualista chegou a trocar e-mails com Sérgio Moro, abordando questões processuais, conforme relatou em entrevista concedida ao site Viomundo, em setembro de 2016. “Quando a Lava Jato estava trabalhando só com o aspecto policial, até elogiei porque ninguém é a favor da corrupção”, disse.“Porém, quando percebi que a questão era política, mandei um e-mail falando da minha decepção. Ele perguntou por quê. Expliquei. Ele disse que lamentava e, assim, rompemos.”

***

Leia abaixo, a íntegra da mensagem publicada pelo professor:

INTERROGATÓRIO DO EX-PRESIDENTE LULA. ESTOU INDIGNADO COM O QUE ASSISTI

Após assistir a toda audiência em que ocorreu o interrogatório do ex-presidente Lula, no dia de ontem, fiquei indignado com a forma pela qual o juiz Sérgio Moro conduziu este ato processual.
Por este motivo, solicito, de público, aos amigos Pierre Souto Maior Amorim e Marcelo Lessa, organizadores do livro “Tributo a Afranio Silva Jardim”, que diligenciem junto à Editora Juspodium no sentido de que não conste, na sua terceira edição, o trabalho do referido magistrado. A obra foi publicada, em minha homenagem, sendo composta por vários estudos de renomados juristas pátrios e estrangeiros.

Esta minha solicitação, além de ser motivada pelo inconformismo acima mencionado, tem como escopo evitar constrangimento ao próprio juiz Sérgio Moro, diante de críticas técnicas que venho fazendo a seu atuar processual. Ademais, alguns colaboradores da obra coletiva já se manifestaram desconfortáveis em figurar na companhia deste magistrado no aludido livro.

A minha indignação é tanta que, apesar de professor e ex-membro do Ministério Público experiente, quase não consegui dormir esta noite e, por isso, estou aqui novamente fazendo este aditamento. Sinto necessidade de “gritar”, sinto necessidade de “desabafar”. Posso estar errado, mas o ex-presidente Lula não está tendo o direito a um processo penal justo. Ele não merecia isso. Fico imaginando o “massacre” a que seria submetida a sua falecida esposa D.Maria Letícia, pessoa humilde e inexperiente…

Confesso que continuo amargurado e termino dizendo que, se o ex-presidente Lula restou humilhado, de certa forma, também restou humilhado o povo brasileiro, que nele deposita tantas esperanças.
Termino também dizendo que restou “esfarrapado” o nosso sistema processual penal acusatório, que venho procurando defender nestes trinta e sete anos de magistério. O juiz Sérgio Moro me deixou triste e decepcionado com tudo isso. Como teria dito um ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, “estamos vivendo uma pausa em nosso Estado de Direito” …

Afranio Silva Jardim, professor associado de Direito Processual Penal da Uerj. Mestre e Livre-Docente em Direito Processual (Uerj)

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

79 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

José Carlos gaspar

13 de maio de 2017 às 09h38

Nunca tive dúvida quanto ao caráter criminoso desse juiz que usa a justiça apenas como arma para atingir objetivos obscuros. Meu diploma de direito e meu sonho pela magistratura foram rasgados quando apos acompanhar 5 concursos públicos tive a certeza de como magistrados como ele, recebem a toga sem qualquer capacitacao moral ou profissional, apenas pelo fato de terem amigos ou parentes na magistratura ou pior ainda, apenas por serem maçons ou filhos destes. No caso de Moro, ele possuía ambos requisitos e recentemente recebeu grau 33 (quase máximo) desta entidade, a qual historicamente equipado ao PCC ou ao CV por proteger apenas suas famílias. E lamentável que muitos brasileiros esquecam a razão e transformem a justiça num campo de futebol, em detrimento a princípios basilares do direito e da civilidade dentre outros da igualdade, da liberdade, da moralidade e da transparencia. Enfim, quando vemos tribunais superiores endocando ações criminosas desse juiz bandido, temos a certeza absoluta que eles estão a clamar por uma revolução civil sangrenta, pois, qualquer país civilizado precisa de justiça e não de instituições oligárquicas.

Responder

Edgar Belisário

13 de maio de 2017 às 06h02

É uma vergonha o Brasil ainda ser governado por donos grandes jornais, redes midiáticas e mais um banco de lesas pátria. Por seu turno, ouvindo o que contido nos arquivos disponibilizados, o sentimento e entendimento é de o Dr. Sérgio Moro não se portou como um MAGISTRADO, mais se parecia como um assistente de acusação. A PARCIALIDADE E FALTA DE ISENÇÃO foi imensa. Vejo a atuação com ABUSO DE AUTORIDADE dele e dos membros da Procuradoria Federal, PREVARICAÇÕES manifestas, e midiáticos ao extremo. Os vazamentos são insofismáveis, cujos prejuízos à defesa dos acusados ocorrem de modo solar. O Magistrado se mostra arrogante e tem aversão à atuação sagrada dos operadores do direito, não cumprindo o que estatui a Lei 8.906/1994. É UMA VERGONHA, para se dizer pouco, como se comporta o magistrado midiático e não discreto.
Assim entendi ao ouvir os arquivos, já a REDE GLOBO desinforma e não merece nenhuma credibilidade porque faz parte na função de JULGADORA/MANDANTE.

Responder

Júlio César Cardoso

13 de maio de 2017 às 01h29

O velho jurista, desfraldando a sua bandeira vermelha, não se conforma ao ver o seu político nas barras da Justiça e por isso, de forma melancólica, desmerece a competência do juiz Sérgio Mora, que está fazendo um bom trabalho.
Lula tremeu na base diante de Moro. Só ficou aliviado depois que o juiz prometeu que ele não seria preso. Mas saiu da audiência borrado

Responder

Rosilda Maria Beserra

12 de maio de 2017 às 21h29

Até que fim alguém estar percebendo a farsa do Dr Sérgio Moro concordo com o senhor o povo mas uma vez estar enganado , mas fazer o que a massa é manobrada que Deus tenha misericórdia destes país.

Responder

Glaucia Lobo

12 de maio de 2017 às 10h37

Demorou!

Responder

Maria Jose Dos Santos Gouveia

12 de maio de 2017 às 09h26

Assista o depoimento completo sem os cortes que a globo estar fazendo e a montagem juntando pedaços e fazendo interpretação diferentes a primeira noticia é que os advogados massacraram o advogado de defesa do Lula

Responder

Rui Ribeiro

12 de maio de 2017 às 07h53

José Ribeiro Filho, Ribeiro Roosevelt

Responder

Reinaldo Novelli

12 de maio de 2017 às 05h06

Gente o ladrão tem direito de fugir,de mentir mas um juiz não pode ser parcial , nem mentiroso ,é pior que roubar e fugir kkkkk

Responder

Maria Cecilia Cesarino Graca Couto

12 de maio de 2017 às 01h19

Eu tb de ver tanta mentira do Lula!!!!

Responder

Maria Cecilia Cesarino Graca Couto

12 de maio de 2017 às 01h18

Tb!

Responder

Maria Noelia

12 de maio de 2017 às 00h11

respeito sua opinião

Responder

Lydia Francisca Paiva

11 de maio de 2017 às 22h43

Indignação, no meu entender é a palavra que define a audiência de ontem, tendo como juiz o Sérgio Moro! Sofrível o nível de perguntas, claramente o juiz mostrou sua parcialidade, sua incompetência para julgar qualquer evento por mais simples que seja! Inaptidão para o cargo que ocupa! Estamos sendo manejados e manipulados por forças radicais de extrema direita, fascistas comandadas pelo MP e Rede Globo. Trata-se de um atentado contra a democracia e a todo povo brasileiro. Infelizmente, há uma classe social que pir falta de conhecimento, de entendimentove de preguiça de se conscientizar, acredita nessa estrutura criminosa montada contra nós!

Responder

Lobo

11 de maio de 2017 às 19h42

O próprio Lula falou durante interrogatório do prejuízo para o país, que Vaza Jato atingiu em proporções catastróficas. Analisando os “resultados” da Vaza Jato da para concluir que “heróis” fizeram de tudo em melhores interesses de Estados Unidos. Então, com tanto desvio da lei e objetivo, no caso que objetivo era combater a corrupção, a Vaza Jato pode ser só de esfera da Alta Traição. Simples assim.

Responder

Àlvares de Souza

11 de maio de 2017 às 17h28

O juizeco está nu. Já não era sem tempo. Muito mais do que primitivo, é primevo! Suas fotos com Aécio e Temer são acintosas, incompatíveis com a função que exerce. Sua subordinação á mídia capitaneada pela Globo e sua ação subalterna à essa condição, temerária, indigna.

Responder

Gustavo Pacheco

11 de maio de 2017 às 20h27

Podem ter ocorrido alguns erros, mas o fato é que a operação Lava Jato tem sido um sucesso por ser inovadora. Nunca antes, tantas pessoas ricas e influentes foram presas e condenadas. Antes, só pobre e “ladrão de galinha” que ia para a cadeia. E quantas pessoas desconhecidas e pobres não foram vítimas de violação, sendo indevidamente presas, torturadas ou até mortas sem o direito a qualquer defesa? Não vi nenhum jurista renomado se levantar em favor destes. Só porque é o ex-presidente Lula que está havendo essa “indignação”. Todos são iguais perante a lei e Lula não poderia ser diferente. Defender o Lula dá Ibope.

Responder

    Edi Passos

    12 de maio de 2017 às 00h43

    As maioria das pessoas “ricas e influentes” envolvidas na lava-jato não foi e nem será presa, ao contrário, algumas foram promovidas a governantes do Brasil e estão lá, no executivo e no congresso, destruindo um a um – e em em pouco tempo – todos os direitos conquistados pelos mais fracos nos últimos cem anos . Muitas outras só foram presas para “delatar” Lula e o PT, sendo que dessas várias já foram soltas e outras o serão nos próximos dias! Mas isso pouco importa, não é?

    Responder

Margarida Prado de Oliveira

11 de maio de 2017 às 17h23

É confortável ouvir opiniões como esta do Dr Afrânio Silva Jardim, pois norteia nosso pensamento de leigos que somos, mas que percebemos claramente a maneira como foi conduzido este depoimento, injusta , partidária, baseada no achismo. Não é postura de um juiz. Isso envergonha nosso Brasil, de tantos profissionais competentes, justos na área da justiça, e em um momento tão importante na História, uma postura dessa.

Responder

Hamilton Fernando Braga

11 de maio de 2017 às 19h27

Fanny Assis, Roberto Braga.

Responder

Helena Dulcineia Campos

11 de maio de 2017 às 18h26

Eu que não sou jurista detestei a atuação do Juiz que uma parte do povo o considerae a herói!

Responder

Paulo Sergio Silva

11 de maio de 2017 às 18h22

Que vergonha Sr. Juiz Sergio Moro.
Os seus pares em “direito” se sentindo envergonhados e não querendo figurar ao seu lado.
Vergonha.

Responder

Luiz Hortencio Ferreira

11 de maio de 2017 às 15h07

Caro Professor Afranio Silva Jardim, tenho visto muitos ilustres juristas como o Sr. de indignarem a respeito do que o nosso Brasil está assistindo com relação à operação lava jato e os atos do nosso judiciário via de regra em todas as instâncias (1º grau até STF) e imagino que se pessoas com o grau de conhecimento jurídico, juristas renomados como o Sr. estão indignados ao ponto de não conseguir dormir uma noite de sono, imagine nós meros mortais como estamos nos sentindo. Quando um Jurista/Professor com seu conhecimento e cultura afirma que “Posso estar errado, mas o ex-presidente Lula não está tendo o direito a um processo penal justo” e “solicito, de público, aos amigos Pierre Souto Maior Amorim e Marcelo Lessa, organizadores do livro ‘Tributo a Afranio Silva Jardim’, que diligenciem junto à Editora Juspodium no sentido de que não conste, na sua terceira edição, o trabalho do referido magistrado”, nós brasileiros comuns ficamos apavorados, pois ficamos imaginando o que realmente está acontecendo com nossas instituições democráticas e o que vai ser de nosso e do futuro de nosso filhos amanhã.
Gostaria de saber porque os Juristas indignados deste nosso país não se mobilizam para estancar estas barbaridades jurídicas/midiáticas/ilegais/antidemocráticas que estão tirando o vosso sono e de muitos de nós.

Responder

Marcia Assayag Assayag

11 de maio de 2017 às 18h01

A estratégia de Lula em usar a esposa falecida essa foi de última.

Responder

Luiz Alberto Viana

11 de maio de 2017 às 14h53

Professor Afranio parabéns por sua inteligência, competência, cortagem e principalmente por sua honestidade. Fosse o senhor pessoa com outro tipo de caráter e ao perceber que este julgamento (no que se refere ao ex-presidente Lula) é político e nada mais, o senhor ficaria calado e não teceria mais comentários nem contra e nem a favor sobre o fato. Aliás, como muitos portadores de caráter duvidoso estão fazendo. Ou seja, ficaram calados quando perceberam que também foram e estão sendo vítimas de um golpe de estado. Estes não batem mais panelas. Nem contra e nem a favor. Coitados. Sei que estes quando colocam a cabeça no travesseiro também não conseguem dormir, porém por motivos diversos ao da sua insônia desta noite. Professor as coisas começam a entrar nos eixos. Graças a Deus. E assim poderemos voltar a dormir em paz na certeza de que muitos sonhos de nosso sofrido povo voltarão a ser realizados!

Responder

Eduardo Lcg

11 de maio de 2017 às 17h50

Exatamente!
Parabéns professor!
Vindo à tona novos fatos não existe razão para manter uma posição que se mostrou equivocada ou foi desvirtuada de seu propósito real.
Ninguém é a favor da corrupção* e somente inúteis** julgam por convicção e pessoas maquiavélicas*** agem de má fé contra uma pessoa e/ou contra a pátria.

*até corruptos e corruptores dizem que são contra
**inúteis úteis como gado, massa de manobra por parte de –>
***corruptos, corruptores, entreguistas, bandidos, etc sejam, políticos, funcionários públicos ou privados, empresários etc

Responder

Cesar Sampaio

11 de maio de 2017 às 17h38

Samuel Callou Sampaio

Responder

Jorge Leite Pinto

11 de maio de 2017 às 14h32

Curto e grosso!
Interessante notar os vagabundos coxinhas que perdem seu inútil tempo aparecendo aqui com comentários idiotas e de baixo calão. Desejo profundamente que paguem caro por suas ignorâncias políticas e se arrependam (mesmo que não admitam) pela estupidez que fizeram ao apoiar este golpe que está aniquilando nossa soberania.

Responder

    Cláudio Carvalho Fernandes

    11 de maio de 2017 às 14h56

    Nós NUNCA fomos soberanos! FALHAMOS como povo e nação: tivemos de tudo: governos militares, de centro-direita, de centro-esquerda… e SEMPRE a corrupção está lá, SEMPRE a propina está lá, SEMPRE o “jeitinho brasileiro está lá… quer saber? Que se “terceirize” o judiciário, o executivo, o legislativo, etc. Prefiro não ter “pseudo-soberania” nenhuma e ser feliz, ter segurança, saúde, educação civilidade, poder sair a noite e me sentir seguro, ter saúde de qualidade, ter estradas decentes, ter justiça que funciona, ter educação de qualidade sem ter SEMPRE um político corrupto, uma propina, um empresário corrupto, etc. no meio. CANSEI desse país de MERDA!!!! CANSEI!!!

    Responder

Maria Virginia Silva

11 de maio de 2017 às 17h14

Não só o Sr: Afranio esta

Responder

Roberto Moore

11 de maio de 2017 às 17h14

Ele queria o que ? Um bang bang no tribunal

Responder

Antônio Marcos

11 de maio de 2017 às 17h11

N é o único com o salário do moro deveria pelo menos ouvir a quem é acusado desde 1970

Responder

Sonia Varela

11 de maio de 2017 às 17h10

Fritz Huguenin Rosemary GayFantinel Isaura Brandao

Responder

Maria Izabel Ladeira Silva

11 de maio de 2017 às 17h07

O réu foi até a república de Curitiba depor. Junto foram milhares de admiradores preocupados com a honra e a integridade física do réu. Durante o depoimento, empalou o juiz da Globo, que como sempre, tinha muita convicção mas nenhuma prova. E, de quebra, ainda fez um comício fodástico lançando-se candidato. O réu voltou maior e mais forte.Os fascistas dormiram espumando e acordaram desorientados. A república de Curitiba não entregou a encomenda. 3 anos de investigação sem uma mísera prova. Nada. Só a narrativa de demonização. E o pacto criminoso com mídia, que o réu fez questão de jogar na cara do suposto juiz. Cadê o laranja??? Cadê a off shore??? Como Lula pode ser dono de um apartamento que nem ele nem seus herdeiros jamais poderão usufruir??? Esse processo é uma farsa. É por isso não há justiça nem juiz. Defender Lula é defender p estado democrático de direito.

Responder

    Girliana Gomes

    11 de maio de 2017 às 17h27

    ??????????????

    Responder

    Abigail Emília Bracarense

    11 de maio de 2017 às 18h17

    Vc disse tudo!

    Responder

    Natalia Duarte

    12 de maio de 2017 às 01h19

    Pois é! Exatamente isso! Uma justica sem provas, agindo somente com convicções políticas!… E o pior: muita gente aplaudindo o abuso dos direitos do outro. Vamos ver esse pessoal aplaudir quando começarem a tirar seus direitos também!

    Responder

    Rui Ribeiro

    12 de maio de 2017 às 07h55

    Natalia Duarte ??????????

    Responder

Edir Figueredo

11 de maio de 2017 às 17h07

Todo o povo do bem. Independentemente de partido. Os juristas deveriam ter vergonha de uma palhaçada dessa. Um ex-presidente respondendo por causa de uma reforma de cozinha. Enquanto bilhões são deixado de lado pra da evasão a essa sandisses

Responder

Liliana Lima

11 de maio de 2017 às 17h04

Qualquer pessoa com um mínimo de lucidez tb pensa assim! Humilhação ao povo pobre desse país sem lei!

Responder

Cláudio

11 de maio de 2017 às 13h59

Para variar, o cara é barbudo…

Responder

Ronel Flores

11 de maio de 2017 às 16h56

Afraneo Silva, tanbem o Brasil está indignado com a cara de pau do LULA de mentir e acusar a DIFUNTA de tudo .

Responder

Maria Ligia Porchat de Assis

11 de maio de 2017 às 13h55

Junto-me ao senhor com o mesmo sentimento de humilhação após assistir o depoimento de Lula ao juiz de Curitiba. Sem provas e tantos questionamentos e outros com tantas provas sem nenhuma pergunta.

Responder

Deraldo Nascimento

11 de maio de 2017 às 16h52

????

Responder

Pedro Cordeiro

11 de maio de 2017 às 16h36

Professor, parabéns! Bom que refletiu e reconsiderou. Acho até q todos os brasileiros apoiaram. Todos nós queremos o Brasil tirado a limpo. Infelizmente, não é isso q está acontecendo…

Responder

Ademar Batista Leite

11 de maio de 2017 às 16h26

Paulo Tsuru, ainda bem que o Jânio Lúcio Lamounier Borges, não quer mais a prisão do Lula, ou estou enganado Valdeni Mariano?

Responder

Laércio Silva

11 de maio de 2017 às 16h22

Puxa vida Antonio Beleza que pena. .leia isso…

Responder

Luiz Carlos

11 de maio de 2017 às 16h13

Shirlei Citele

Responder

Alex Sandro Dias

11 de maio de 2017 às 16h13

Silvânia Silva, da uma lida neste artigo, o jurista renomado se queixa da postura do juiz em relação ao tratamento dado juridicamente ao ex presidente. Depois tente assistir ao depoimento do Lula, sem cortes pela globo, ou com seus comentaristas falando aquilo que acharam, já dizia um conhecido eu quero saber da notícia, a conclusão, a opinião é minha. O que o Moro fez e tem feito com Lula não é mais justiça. Mas assista ao depoimento e tire suas conclusões, se quiser eu te marco nos vídeos, um beijo minha linda

Responder

Deraldo Nascimento

11 de maio de 2017 às 16h11

Eu também como é que um ser humano tem a coragem de colocar a própria esposa que acabou de morrer como culpada dos crimes que ele cometeu. Como o Leonel Brizola vociferou la atrás que esse homem é capaz de pisar no pescoço da mãe epossivel

Responder

    Rejane Carvalho

    11 de maio de 2017 às 16h29

    oi? vc é ruim de interpretação e não tem qualquer conhecimento jurídico, né…

    Responder

    Silvia Machado

    11 de maio de 2017 às 16h32

    Deraldo pra vc

    Responder

    Marcela Sales

    11 de maio de 2017 às 16h33

    As vezes é melhor ficar calado do que falar besteira. ?

    Responder

    Gerson Pompeu

    11 de maio de 2017 às 16h51

    A sua indigência é só mental, ou também de caráter?

    Responder

    Arthur Eduardo Hameister Filho

    11 de maio de 2017 às 17h04

    “Falta muito amor no mundo, mas também falta interpretação de texto.” L. Sakamoto.

    Responder

    Deraldo Nascimento

    11 de maio de 2017 às 17h18

    Eu ?????

    Responder

    Thaís Ellery

    11 de maio de 2017 às 17h48

    Não seja desonesto. Quem falou isso foi o Lula para o Brizola. É bom pesquisar e não repetir as mentiras que os outros contam. E outra, a cota era da Dona Marisa. Ela que foi lá mais de uma vez. Ele falou a verdade e não jogou a culpa para ela. Como ele mesmo falou, como seria possível um ex presidente ter aquele apartamento sem que pudesse ir à praia? O apartamento está no nome da OAS e isso sim tem provas. A mídia é que levanta tudo isso em relação à Dona Marisa.

    Responder

    Maísa Tuckmantel

    11 de maio de 2017 às 19h03

    Bem diz o ditado que falta amor no mundo, mas falta mais é interpretação de texto????? jirico, vê de novo!

    Responder

    Deraldo Nascimento

    12 de maio de 2017 às 06h29

    ???????

    Responder

    Deraldo Nascimento

    12 de maio de 2017 às 06h30

    Isso não é um ditado senhora abs

    Responder

Elso Gonçalves Dos Santos

11 de maio de 2017 às 16h11

Três situações, no depoimento que eu duvidei da legitimidade Documento sem assinatura, documento com número do apartamento rasurado e as caixas do acervo escritos “praia e sítio. Provas que poderiam ter sidos “fabricadas” .

Responder

    Jaqueline Navegantes

    11 de maio de 2017 às 17h06

    Sério? Vc acha que políciais federais , dezenas deles, em lugares distintos resolveram vamos fabricar provas contra Lula? O papel sem assinatura, não é perfeito quando é um documento de gaveta que é assinado no momento oportuno. Não o que é mais provável é que , os policiais federais foram foram na OAS pegaram papel timbrado, fizeram uma minuta e plantaram a prova. E quanto as caixas com praia e sítio , na véspera da apreensão os policiais federais , entraram no galpão e escreveram em dezenas de Caxias sítio e praia para incriminar o Lula… ! Tô bege!

    Responder

      Edi Passos

      12 de maio de 2017 às 00h59

      Sim, exatamente, mas os “policiais federais” só faziam isso quando não estavam nas redes de esgoto sociais falando mal de Lula e Dilma e fazendo campanha política para Aécio Neves!

      Responder

Zeco Zeco Gonsa

11 de maio de 2017 às 16h10

É o princípio do fim de um “juiz” político.

Responder

Valeria Paula Guimaraes

11 de maio de 2017 às 15h58

Que vergonha!

Responder

Alvaro Renoldi

11 de maio de 2017 às 15h58

Moro vai acabar sozinho.

Responder

Graça Melo

11 de maio de 2017 às 15h53

E, professor, e assim caminha a justiça brasileira, uma vergonha. Fico me perguntando: como pode um juiz que também se diz professor olhar olho no olho de seus alunos. Será que não fica constrangido com este péssimo exemplo. E o aluno como se sentirá ao ouvir o juiz explicar o Direito Penal ou Processo Penal, será que confia, é temeroso, em fim, é esta a nossa Justiça de hoje, desalinhada!

Responder

    Vicentepc

    11 de maio de 2017 às 23h22

    E a escola que aceita um professor como este inquisidor merece distinção? E os alunos? Cego quando guia cego ambos caem no b II raco

    Responder

Vitor Chiozzini

11 de maio de 2017 às 15h53

Margarida Maria Gonsalez Chiozzini

Responder

Vitor Chiozzini

11 de maio de 2017 às 15h53

Nedael Chiozzini

Responder

Marília Macedo Lima

11 de maio de 2017 às 15h49

Mestre Afrânio sempre impecável nas suas colocações.

Responder

Nora Augusta

11 de maio de 2017 às 15h45

É, o negócio agora é abandonar o barco.

Responder

Petralha Zuero

11 de maio de 2017 às 15h43

Responder

João Valente

11 de maio de 2017 às 15h40

Vozes dignas se levantam mostrando a parcialidade e a politização midiática de um processo imoral e injusto.

Responder

Deixe um comentário