Boulos no programa de Maurício Meirelles

Zaffaroni: O “Plano Condor” judicial (tradução exclusiva para o Cafezinho)

Por Miguel do Rosário

08 de julho de 2017 : 14h24

Na Página 12

O “Plano Condor” judicial

Por Eugênio Raúl Zaffaroni *
Tradução: Marcos (um internauta amigo do Cafezinho)

Sem os “Ford Falcon” (usados na repressão durante a ditadura argentina) nem as sirenes, sem “zonas liberadas” e sem seqüestros, avança pelo Cone Sul uma “Operação Condor” judicial.

Uma prisão política como a da dirigente social Milagro Sala e de seus companheiros parece algo anacrônico, fora de época e, justamente por isso, é um escândalo e uma vergonha internacional para todos os argentinos, porque compromete a própria imagem de nossa Nação.

No lugar dessas medidas obsoletas – próprias de etapas anteriores do colonialismo- , expande-se agora pelo Mercosul uma nova tática na conhecida estratégia de neutralizar a quantos possam oferecer alguma séria resistência eleitoral contra o avanço do totalitarismo corporativo sofrido por nossos países, o que é funcional ao mesmo tempo, tanto para o desprestígio da política, um objetivo que não é menor, como para que seu lugar seja ocupado pelos “chief executives officers” das transnacionais.

Trata-se de eliminar de qualquer disputa eleitoral, através da via judicial, todo e qualquer líder ou dirigente popular capaz de ganhar uma eleição competindo contra os candidatos das corporações ou outros traidores da pátria parecidos, empenhados em endividar-nos com uma rapidez singular e nunca antes vista.

Para isso bastam alguns juízes cujas motivações são manipuladas pelos serviços de inteligência e os gerentes e agentes das corporações, especialmente as dos meios de comunicação, motivações essas que podem ser medo, servilismo, vantagens, promessas ou esperanças de promoções, comodidade, aspirações políticas ou o simples desejo de estrelato.

São conhecidos os casos de Cristina Kirchner, enfrentando uma absurda acusação de “traição à Pátria”, que ignora o texto claro e expresso de nossa definição constitucional; por uma operação econômica que terminou beneficiando os amigos do poder e que prejudicou o Banco Central por imprudência do atual governo (no melhor dos casos); ou por um imaginário sobrepreço no aluguel de um hotel.

Não menos absurdo é o caso de Lula, interrogado por um apartamento de reduzidas dimensões em um balneário de menor prestígio, que nunca esteve em nome dele, mas que responde ao impulso do monopólio de meios de comunicação mais poderoso da América do Sul, criador de uma estrela judicial favorita.

Menos conhecido é como está operando o “Plano Condor” judicial no caso de Fernando Lugo, expresidente do Paraguai. A justiça eleitoral do Paraguai decidiu que qualquer força política que apoiar a eleição de Fernando Lugo como candidato a presidente estará fazendo “propaganda maliciosa”, com a estranha particularidade de que Lugo não se candidatou.

Ou seja, sua candidatura não foi impugnada, porque não se candidatou, mas, pelas dúvidas, condena-se qualquer pessoa que pretenda que ele seja candidato.

Para isso a justiça eleitoral atribuiu-se a competência para interpretar a Constituição e, certamente, o fez de modo muito particular: o artigo 229 da Constituição paraguaia diz que o presidente não poderá ser reeleito em nenhum caso.

A leitura racional dessa disposição permite entender que se refere ao presidente em exercício. Mas a curiosa interpretação da justiça eleitoral paraguaia é que quem foi uma vez presidente não poderá tornar a ser presidente nunca mais na vida. Em outras palavras: Lugo é para a justiça de seu país um incapaz perpétuo.

Mas dos disparates deste novo “Plano Condor” ninguém está a salvo, nem mesmo José (Pepe) Mujica, que mora em um sítio e de quem nunca encontrou sequer um tostão. O personagem preocupa o novo totalitarismo dos “executivos”, devido à sua popularidade nacional e internacional, sem que as diversas manifestações do “Pepe” dizendo que não quer voltar à presidência os acalme.

A questão começou com a publicação de três panfletos chamados de “livros”, desses escritos por “jornalistas” e que em pouco tempo estão sendo vendidos a peso nos sebos, e que vinculan Pepe Mujica com assaltos cometidos por ex-tupamaros nos anos noventa, que foram presos e condenados naquela ocasião.

Aos “livros” dos “jornalistas” somaram-se as declarações de um ex-policial, chefe do departamento de roubos e furtos na época da ditadura, cujo vice foi condenado, precisamente, por torturar tupamaros.

Foi esse material com o qual a minoria opositora pretendeu criar uma comissão investigadora no Senado, desbaratada pelo discurso do próprio Mujica, que nem seus inimigos tiveram coragem de responder.

Mas com esses mesmos elementos se estimula uma fiscal para que reabra causas encerradas há décadas.

Não faz falta dizer que para o novo totalitarismo corporativo transnacional e para seus aliados locais pouco lhes importa o dano que este “Plano Condor” pode causar à democracia, já que, bem ao contrário, é justamente isso o que procuram, o desprestígio da política.

Mas ao mesmo tempo estão provocando um desprestígio mais profundo em relação à justiça. Não somente ninguém levará a sério no futuro as decisões dos juízes que se prestam a substituir funcionalmente os porta malas dos “Falcon” (onde eram colocados os seqüestrados), como existe o risco de que a dúvida termine atingindo a totalidade dos juízes.

Será difícil convencer os nossos Povos de que ainda existem juízes nos nossos países. E ainda mais: se os juízes devem “dizer o direito”, existe o risco de que a desconfiança alcance o próprio direito, a própria institucionalidade.

Os genocidas dos “Ford Falcon” do velho “Cóndor” dizimaram uma geração de seus futuros dirigentes mais inquietos frente à injustiça social, mas este novo “Condor” procura destruir a confiança não apenas na política mas também nas instituições básicas de nossas repúblicas e no próprio direito.

Devemos ter um extremo cuidado com isto, porque quando o direito é desprezado, não fica outro caminho a não ser o da violência.

Por sorte, nossos Povos são intuitivos e pacíficos, apesar de que conscientemente não acreditem muito no direito -porque suas promessas foram quase sempre fraudulentas-, sabem que o caminho da violência é uma armadilha e que, no fim das contas, os mortos são sempre os que estão do seu lado. A nossa principal tarefa deve ser a de reforçar esta convicção.

* Professor Emérito da Universidade de Buenos Aires.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

15 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Ana Maria

08 de setembro de 2017 às 15h03

Conversando com um diplomata estrangeiro esta semana ele riu-se do que chama nossa inocência. Só nós (brasileiros desolados com o descarrilhamento nacional) achamos que o golpe, a Lava Jato, a demonização da política e a caçada a Lula são tramas conduzidas apenas por gente do Brasil, como Moro, Janot, Temer, parte do Judiciário, mídia, Polícia Federal etc. Enquanto o filme passa, as transnacionais avançam sobre o petróleo, o pré-sal, o sistema elétrico, o subsolo e a Amazônia. O mesmo filme, diz ele, que está em cartaz em outros países da América Latina, inclusive no Equador, onde o sucessor de Rafael Corrêa, tal como Pallocci, passou-se para o outro lado. Talvez tenha razão, talvez seja paranoico, mas a precisão do roteiro e a impotência geral diante de seu avanço são impressionantes. (Tereza Cruvinel, Brasil247)

Responder

Rosivan Pereira

06 de setembro de 2017 às 23h48

Enquanto isso, bate_se panelas…

Responder

Marcos

11 de julho de 2017 às 00h22

Sim, meu prezado Nóslem Salem, eu, Marcos, sou o autor da tradução.

Somente depois de enviar meu email vi que alguém havia postado outra tradução nos comentários.

Se observar bem, verá diferenças.

Saudações cordiais,

Marcos

Responder

Marcos Pinto Basto

10 de julho de 2017 às 10h05

Nós estamos no centro desse velho furacão assassino de democracias que hoje aparece com outros nomes, conforme o país onde atua. Aqui chamam-lhe Lava Jato e combate a corrupção, mas todos os maiores corruptos do Brasil estão livres, leves e soltos para vomitarem toda a ordem de bobagens. Para estancar este mal, só uma REVOLUÇÃO que leve o Povo ao Poder porque estamos fartos de ser espezinhados!

Responder

Nóslen Salem

10 de julho de 2017 às 05h31

O autor é realmente este Marcos?

Responder

Jorge Leite Pinto

09 de julho de 2017 às 12h57

Excelente artigo!

Responder

Jorge Gomes

09 de julho de 2017 às 03h31

Gostaria de parabenizar o Magistrado Argentino pela observação, mas gostaria de ressaltar que tal referência à OPERAÇÃO CONDOR, quem a fez foi este que lhes escreve neste blog, em reportagem do DCM, há cerca de 6 dias, tive a oportunidade de fazer tal assertiva. Não tenho a pretensão de dizer que é um plágio, mas fica o registro das idéias e do pensamento reflexivo sobre o tema. Se quiserem conferir segue o link: http://www.diariodocentrodo

Responder

JOAO DO SERTÃO

08 de julho de 2017 às 18h25

É O QUE ACONTECE COM A OPERAÇÃO LAVA JATO, STF, TSE…PSDB, PMDB, DEM (e seus aliados). A JUSTIÇA A SERVIÇO DA OLIGARQUIA FASCISTA, ENTREGUISTA E ALIADA DOS BANQUEIROS NACIONAIS E INTERNACIONAIS!

Responder

Márcia Cidade

08 de julho de 2017 às 18h22

Obrigada, Marcos!

Responder

Anônimo

08 de julho de 2017 às 15h08

Interessante!

Responder

Marcus Vinicius Pereira

08 de julho de 2017 às 15h07

Ótimo texto de um grande mestre do direito que sabe o que está falando , se continuar assim a Democracia na AL e a autodeterminação dos Provos irão morrer.

Responder

Jackie Alboledo

08 de julho de 2017 às 17h47

Então, a direita copiou o golpe ao pé da letra, as datas de manisfestacoes, e o plano condor tbem

Responder

Jose Roberto Michel

08 de julho de 2017 às 17h45

QUER SABER COMO FUNCIONA A MÍDIA PODRE (GLOBO, ETC)?
ASSISTA, NA NETFLIX, AO FILME MEXICANO “A DITADURA PERFEITA”

Responder

Deixe uma resposta

x
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com