Audiência no Senado com presidente do Banco Central discute autonomia da instituição

A preferência partidária no Datafolha: PT amplia vantagem sobre PSDB

Por Miguel do Rosário

02 de outubro de 2017 : 21h56

Tivemos a pachorra de comparar os três últimos Datafolhas, para checar a evolução das preferências partidárias. O Datafolha, tucanocêntrico, não gosta de trabalhar seus próprios números nesta seara. Prefere dar manchetes mentirosas, opostas à própria pesquisa que divulga, como a de que o “brasileiro quer Lula preso”.

Eu comparei números de dezembro/16, junho/17 e setembro/17.

 

A última pesquisa confirma o que o Datafolha já tinha detectado em junho: que o PT recuperou boa parte de sua militância, perdida ao longo da construção do clima de golpe, com ajuda sempre luxuosa da Lava Jato, e tem hoje preferência de 19% do eleitorado, o que é mais que a soma de todos os outros partidos. Eu fiz uma tabelinha comparando com os dois principais partidos ideológicos, PT e PSDB.

Mesmo no Sudeste, onde o PSDB tem mais força, o PT tem três vezes mais simpatizantes que o PSDB: 15% versus 5%.

A força da direita, os números deixam claro, está na antipolítica. A Lava Jato, por isso mesmo, foi essencial para o golpe, mas perdeu boa parte dos dentes. Quanto mais a Lava Jato avança sobre Lula, mas ela própria perde prestígio, e mais Lula recebe a solidariedade do eleitor brasileiro.

O PSDB minguou até mesmo entre o único setor onde tinha liderança, entre os eleitores com renda superior a 10 salários mínimos. Neste setor, o PSDB tinha alcançado 16% em junho e caiu para 11% agora, em setembro. Nesta mesma faixa, o PT cresceu de 5% em dezembro do ano passado, para 10% este ano, empatando com o PSDB.

No Nordeste, o PT tem a preferência de 29% do eleitorado, contra 1% do PSDB.

Entre pessoas com ensino superior, o PT tem 10% do eleitorado, contra 5% do PSDB.

Entre o público feminino, o PT tem 17% do eleitorado, contra 2% do PSDB.

 

 

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »