Debate entre presidenciáveis na RedeTV! 22 horas

Celso Amorim: a mídia deu o golpe e exerce o poder político hoje

Por Miguel do Rosário

18 de abril de 2018 : 12h41

Fernando Haddad e Celso Amorim falam, de maneira muito clara e objetiva, sobre o que eles mesmos chamam de golpe judicial e midiático.

Celso Amorim compara o papel da mídia na ditadura militar, que era de ser uma força influente, com os dias de hoje, quando elas passam a exercer, efetivamente, o poder político, com ajuda do sistema de justiça.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Geralda Garcia de araujo

18 de abril de 2018 às 15h23

A mídia, Ah, a mídia. O PT no governo teve medo de mexer com ou teve a ilusão de coopta-la. Taí o resultado, é muito triste!

Responder

    Denise

    19 de abril de 2018 às 20h58

    Geralda procure saber o que foi feito em relação à mídia no Governo Lula. Procure saber sobre a distribuição de verba para a comunicação e sobre o trabalho do Guchiken

    Responder

Olinto A. F. de godoy

18 de abril de 2018 às 13h15

Crítica pela esquerda: porque essas pessoas chave no/do lulismo nada fizeram de relevante lá atrás qd a guerra híbrida começou? Pessoas com a vivência deles caminharem bovina e conscientemente para o matadouro, apesar de milhares de alertas (Putin e Erdogan inclusos) exemplos e literatura sobre o assunto, é algo que nunca vou entender. O Império e Temer, por exemplo, servem muito bem de estudo de caso para os intelectuais progressistas no sentido de ensiná-los a manter o poder e não só à tomá-lo, como já ensinava um tal de Maquiavel tempos atrás. O José Dirceu era um/o cara pronto para essa tarefa. Mas foi escanteado. Vamos ver o que vai sair dessa geléia geral em que nos meteram.

Responder

    Fehnelon

    19 de abril de 2018 às 15h57

    * Sua leitura da situação é muito lucida.

    Em defesa, devo dizer que não foi só o PT, muitos que tinham posição privilegiada para observar não viram isso chegando, acho q no fundo ninguém acreditava numa nova quebra do pacto social.
    Agora, é uma situação de extremos, não há limites, nenhum dos lados pode perder. Se nós voltarmos os impérios midiáticos serão destroçados, e eles sabem disso. Se não voltarmos, seremos, lenta e sistematicamente caçados e extintos como organização… Nesse caso só restaria a clandestinidade e a luta revolucionaria. Força!

    * Ou ficar a pátria livre ou morrer pelo Brasil

    Responder

Carlos Batista

18 de abril de 2018 às 12h55

Celso Amorim poderia aproveitar e explicar o porquê do Brasil, país com tradição de tolerância e recebimento de refugiados e perseguidos políticos, durante o governo Lula ter se aproximado de um regime tão carregado de tintas fascistas como o Irã, que a época tinha como presidente Mahmoud Ahmadinejad, notório antissemita que declarou publicamente que o Estado de Israel, por sinal a única democracia do Oriente Médio, deveria ser “riscado do mapa”…..

Responder

    Miguel do Rosário

    18 de abril de 2018 às 18h41

    Carlos, você é burro ou o quê? Os EUA não se “aproximam” da Arábia Saudita? Além do mais você tem preconceito exagerado contra o Irã. Se o Irã é fascista, os EUA são muito mais então! O Irã, que eu saiba, nunca destruiu outros países ou patrocinou golpes de Estado.

    Responder

      Denise

      19 de abril de 2018 às 20h55

      Boa Miguel!

      Responder

    Fehnelon

    19 de abril de 2018 às 16h07

    Entendo seu comentário Carlos, mas ele só faz sentido se adotamos o discurso de Washington e a visão Hollywoodiana sobre o Irã. Percebe que vc já parte do ponto que é fato concreto que o Irã é cheio de terroristas? E imagino pelo seu comentário que, assim como eu, vc não conheça absolutamente nada sobre o Irã, nenhuma informação que não venha do eixo ocidental de noticias… A CNN (e por consequência a Globo) retratam o Irã como nação terrorista…. Será que uma rede da região, a Al-Jazeera, por exemplo concorda?

    * Carlos, estamos do mesmo lado, todos somos um, e estão mentindo pra gente.

    Responder

      Denise

      19 de abril de 2018 às 21h02

      O Governo Lula não “se aproximou” do governo do Irã, com a conotação que vocês querem dar a isso, apenas vendeu nossos produtos, abriu mercado, gerando empregos aqui.

      Responder

    Fehnelon

    19 de abril de 2018 às 16h28

    *Putz, não consigo… citar Israel foi demais… Pq aí, e dane-se que é o braço do norte na região, estamos falando de “O Estado Terrorista” por definição, que há décadas dizima a Palestina.

    Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com