O depoimento de Lula à juíza Gabriela Hardt

Blog de jornalista envolvido na Lava Jato faz campanha contra CPI das Delações

Por Redação

19 de junho de 2018 : 21h05

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta  (PT-RS), rebateu hoje os ataques do site direitista O Antagonista e de grupos de extrema-direita à instalação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar esquemas de venda de proteção em delações premiadas por parte de advogados e delatores no âmbito da Operação Lava Jato e em investigações anteriores.
 
 “O Parlamento deve exercer seu papel constitucional e não aceitar pressões, ainda mais de um site que está a soldo não se sabe de quem e espalha mentiras dizendo que a CPI seria contra a Lava Jato”, disse o líder.
 
O líder criticou deputados que assinaram o requerimento para instalar a CPI e agora, “acovardados”, por pressão dos direitistas, de grupos ligados a procuradores e juízes que comandam a operação, se pronunciam contra a iniciativa. “Ou o Parlamento se afirma enquanto instituição e os parlamentares honram seus mandatos, ou vamos dar recibo de covardia institucional”, disse Pimenta.
 
*Mão longa do MP* – Pimenta estranhou a preocupação com a CPI expressada pelo site direitista Antagonista, que serve como “uma espécie de mão longa do Ministério Público que em Curitiba atua na Lava Jato”. Os ataques que membros do MP não poderiam fazer ao Parlamento foram terceirizados ao Antagonista, na opinião de Pimenta. Só nesta terça-feira, foram mais de 60 posts contra a CPI, muitos em tom de ameaça a parlamentares.
 
No twitter, o líder do PT escreveu: “Qual o medo do @o_antagonista em a Câmara investigar as delações da Lava Jato? Será que eles têm algo a esconder? O que sabemos é que o Diogo Mainardi foi citado por um executivo da Odebrecht em delação envolvendo Aécio Neves. Eles estão com medo do que o Parlamento possa descobrir?”.
 
O requerimento da CPI foi protocolado na Casa no dia 30 de maio, e não há mais como os deputados retirarem as assinaturas de apoio. O pedido, encabeçado pelos líderes Paulo Lula Pimenta (PT-RS), Arthur Lira (PP-AL), Baleia Rossi (MDB-SP), Júlio Delgado (PSB-MG), André Figueiredo (PDT-CE), José Rocha (PR-BA), Orlando Silva (PCdoB-SP), Chico Alencar (PSOL-RJ), Weverton Rocha (PDT-MA) e José Lula Guimarães (PT-CE), é assinado também por mais 181 parlamentares.  A instalação da CPI só depende do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).
 
Pimenta observou que a CPI não é contra a Lava Jato e a qualquer instituição que dela participa, como a Polícia Federal ou o Ministério Público. O objetivo é único e exclusivamente investigar a chamada indústria da delação, num esquema criminoso em torno da Operação Lava Jato, explicou Pimenta. Segundo o parlamentar, trata-se de uma articulada estrutura de “venda de proteções, em relações subterrâneas entre juízes, procuradores e advogados”.
 
“O Brasil tem discutido tantas iniciativas de combate à corrupção e o Parlamento não pode se eximir agora de investigar grandes escritórios de advocacias e, eventualmente, agentes públicos, envolvidos em esquemas suspeitos num mercado de delações”, disse Pimenta. Para ele, é vergonho parlamentares aceitarem ameaças de grupo direitistas e do site Antagonista. “Na história, ou se entra de cabeça erguida ou pela porta dos fundos, não se pode acovardar”, alertou.
 
*Taxa de proteção* – O ponto de partida para a CPI são as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros” e que se encontra foragido. Em suas delações, ambos acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
 
O dinheiro, segundo pessoas que acompanham o caso, seria para proteger outros participantes de futuras delações, conforme matéria publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Para Pimenta, as denúncias que surgiram sobre a venda de “proteção” em delações premiadas são “muito graves” e precisam ser investigadas. “As delações são um instrumento novo. As denúncias que surgiram são muito graves, não são pequenas. Pessoas pagas para não serem delatadas? Isso é gravíssimo”, disse.
 
 Leia a integra do requerimento por intermédio do link abaixo:
http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=B12795BB2BDC342330F50DB7D79EDCA7.proposicoesWeb2?codteor=1664329&filename=RCP+43/2018
 

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Batista Neto

22 de junho de 2018 às 10h36

Esse tema em debate, a abertura da CPI que se propõe a investigar as fraudes praticadas na INDÚSTRIA das Premiações Delatadas, enseja uma oportunidade interessante de se perguntar onde estão o Ciro e o PDT diante dessa proposta. Estão do lado do esclarecimento e da transparência, requisito inerente de forma indissociável ao serviço público, onde se abrigam as quadrilhas que atuam nas PREMIAÇÕES DELATADAS, ou do lado do Antagonista, em defesa dos interesses dos mercenários a serviço da BANCA rentista agiota?

Responder

João Ribett

20 de junho de 2018 às 19h55

Diogo Mainardi também foi denunciado por Tacla Duran. Eis a razão do ataque histérico dele!!

Responder

    Brasileiro da Silva

    20 de junho de 2018 às 21h15

    Ser denunciado Por um doleiro foragido significa algo? O foragido apresentou provas, entrou com processo contra ele?

    Responder

      Batista Neto

      22 de junho de 2018 às 10h15

      Oh estrangeiro (brasileiro?)!! A acusação do Tacla Duran não pôde até agora ser transformada em investigação e denúncia JUSTAMENTE porque quem tem a OBRIGAÇÃO LEGAL de autorizar a abertura de inquérito (investigação) e formalizar a denúncia NÃO QUEREM OUVIR A ACUSAÇÃO e nem autorizam que o Advogado Tacla Duran preste depoimentos e apresente as suas provas às quadrilhas da Farsa a Jato, conforme pedido da Defesa de Lula. Portanto, o criminoso, nessa estória, não parece ser o Tacla Duran que já foi investigado e considerado inocente em vários países onde a MAFIA não tem o controle absoluto do judiciário. Aqui a bandidagem está do outro lado, disfarçada de togas.

      Responder

Weliton Oliveira

20 de junho de 2018 às 09h53

Diogo Mainardi É colega do Miguel? Mentira. Mainardi é mercenário a serviço do Tio Sam.

Responder

Nércia Dantas

19 de junho de 2018 às 22h52

O antagonista é um blog braço direito da lava jato o qual é usado para atacar quem nao concorda com algum dos desmandos da lava jato.
A corrupção na Petrobrás começou em 2003. Nunca antes na historia da Petrobrás houve corrupção. A corrupção ocorreu apenas nos governos do PT, todos esses diretores entraram na Petrobras no governo do PT, antes disso eles trabalhavam em outros lugares e eram honestos, foi o pt que os corrompeu.

Responder

Brasileiro da Silva

19 de junho de 2018 às 21h43

Miguel, atacando um colega de profissão?

Responder

    Batista Neto

    22 de junho de 2018 às 10h29

    Se o “colega”, in casu, é um BANDIDO, como o Diogo Mainardi, mercenário patrocinado pela BANCA, e tem que esclarecer denúncias que o acusam, revelar as denúncias não é ataque. É, outrossim, obrigação do verdadeiro JORNALISTA, como Miguel do Rosário.

    Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com