Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Abutres bancários já rondam os restos mortais do Museu

Por Miguel do Rosário

04 de setembro de 2018 : 13h06

Por J. Carlos de Assis

Não se deixe enganar pelo que o oligopólio bancário privado do país chama de participação no financiamento da reconstrução do Museu Nacional. É pura hipocrisia. O que querem é dar, mediante PPP, mais uma tacada na área da cultura mediante financiamento de projetos, muitas vezes lucrativos, para em seguida sacar o dinheiro correspondente junto ao governo, na forma de dedução do imposto de renda pela Lei Rouanet.

Não só isso. Se a reconstrução seguir o modelo do Museu do Amanhã, teremos aí mais um elefante financiado por dinheiro público que o distinto público vai pagar sob a forma de ingressos com preços abusivos. Portanto, é quase certo que o projeto de reconstrução do Museu Nacional ativou o apetite da banca no sentido de sacar logo um projeto privatista dessa excepcional oportunidade, embutindo-se descaradamente o propósito de cobrar ingressos.

A iniciativa da banca me provocou nojo. É incrível como se tenta tirar dinheiro do povo mesmo num momento de comoção social. Se houvesse um mínimo de sinceridade na proposta os bancos teriam dado um tempo mínimo para o velório. Não, nada. As cinzas ainda estavam quentes e os abutres do sistema bancário já estavam sobrevoando as brasas do Museu. Pior. Recobriram seus interesses escusos com uma suposta oferta generosa.

Acaso você tem dúvida disso? Então me explique a pressa dos bancos em anunciar a oferta de financiamento. Eles são entidades muito sóbrias, cuidadosas. Não tomam decisões precipitadas. Primeiro calculam todas as probabilidades de perda e de ganho antes de colocar o dinheiro dele no jogo. Se agiram com toda a pressa é porque sabem que não tem nenhuma chance de perder. Não querem financiar museu nenhum com seu lucro, e sim com IR público.

Mas os bancos estiveram também entre as forças que empurraram o Museu Nacional para o desastre. A Globo falou em cortes orçamentários, mas não mencionou a razão profunda disso, a Emenda 95. Para quem ainda não sabe, a Emenda 95 estabeleceu o congelamento do orçamento federal por 20 anos. Não existe nada tão estúpido no mundo, exceto por um radicalismo neoliberal exacerbado, obcecado pela idéia do Estado mínimo.

Bom, aí está o Estado mínimo pregado e praticado por Henrique Meirelles, que agora quer votos do povo. Talvez algum idiota argumente que não há relação entre a Emenda 95 e o incêndio do Museu. E é patético como a rede Globo omite qualquer consideração sobre esse tema. Foi a maior impulsionadora ideológica da Emenda 95. Agora, fala em omissão genérica das autoridades, como se autoridades não tivessem um nome.

Mas nem de tudo Meirelles é culpado. Alguém comprou mais de 300 parlamentares, deputados federais e senadores, para aprovarem a Emenda 95. As eleições estão aí. É hora desses trânsfugas prestarem contas. O site frentepelasoberania.com.br tem todos os nomes e como votaram a Emenda 95 na Câmara e no Senado. O momento é de ir à forra. Vá ao site e veja o nome e a forma como votou cada um dos parlamentares em todos os Estados. E depois o liquide metaforicamente.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alan Cepile

05 de setembro de 2018 às 10h50

Excelente matéria Miguel.

Responder

Brasileiro da Silva

04 de setembro de 2018 às 20h43

Verdade. Devemos deixar que os governos cuidem da reconstrução. Pelo cuidado que eles tiveram com o Museu Nacional nas últimas décadas, é fácil imaginar que a reconstrução sera feita em tempo curto e de modo exemplar.
#SQN

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?