Cafezinho 2 minutos: Posse de Bolsonaro e alegações finais contra Lula

Hugo Sales Corrêa: Mais uma opinião sobre Haddad X Ciro

Por Miguel do Rosário

03 de outubro de 2018 : 14h04

Caro Miguel,

Por questão de sanidade mental preciso liberar angústias e energias acumuladas ao assistir o que hoje acontece no Brasil.

Ofereço a você e as seus leitores, caso julgue relevante, as minhas humildes reflexões. Não posso afirmar que o que escrevo aqui é isento de um viés pessoal e é uma análise qualificada, porque me falta tanto preparo quanto paz de espírito para tal. Mas aqui vai:

Primeiro, se deve esclarecer o que há de comum entre Haddad e Ciro:

1. Programa Emergencial para Geração de Empregos: Retomar obras paradas e aquecer o setor de construção civil, que depende pouco de importação e faz uso de mão de obra de baixa qualificação.
2. Programa relativo ao crédito das Famílias: Aquela coisa toda do SPC, em que as pessoas já deveriam estar carecas de saber como é.
3. Revogação do Teto do Gastos e da Reforma Trabalhista.
4. Retomada do Pré-Sal e fortalecimento da Petrobrás: Nesta questão me preocupa a atitude cautelosa e ponderativa de Haddad, onde deveria ser mais enérgica e dura. Haddad também parece ter desistido da Embraer.

Os itens acima já dão muito o que fazer para um governo de quatro anos e assinalam um fim da nossa masoquista fase de austeridade e entreguismo. Portanto, supondo mobilização política das massas e autoridade no executivo, não me preocupa muito a escolha entre os dois.

O que me preocupa é exatamente esta suposição de mobilização, para ambas as escolhas.

Afirmo, ao interpretar André Singer, em seu diagnóstico de muita clareza (espero não distorcer suas palavras aqui): O Lulismo é uma política de não-enfrentamento, que é portanto, despolitizadora das próprias massas que ao PT deram o poder.
Tanto uma decisão marqueteira quanto uma abertura à psique coletiva do apoio orgânico ao PT, a frase da campanha é: O Brasil Feliz de Novo. Será que as premissas para o Brasil Feliz de outrora se configuram da mesma forma hoje?

Ciro também preocupa nesse quesito, já que se encontra com apoio diminuto de forças partidárias e tem pouca presença popular. Será que por si só, a mensagem do Novo Desenvolvimentismo chegará aos corações das pessoas, já ocupados por medo da violência e repulsa da política? A própria campanha de Ciro avalia que não e decide intensificar críticas ao PT (merecidas ou não) e apostar na mensagem de propor uma salvação de uma polarização odienta (real ou não).

Hoje o medo se instala nos progressistas e moderados com a escalada da extrema direita. Ciro periga se juntar à plateia da corrida eleitoral, onde já se encontram Alckmin e Marina. Haddad e os nossos compatriotas petistas recebem a inegável mensagem do antipetismo evidenciada pelas duas últimas pesquisas. Será que o gênio político Lula perdeu a precisão nos cálculos ao ser privado de acesso direto à dissonância de sinais da realidade brasileira? Será que houve um tropeço na dança à beira do abismo?

O que é certo é que não se pode culpar só o PT pelo Bolsonaro, que nada mais é que uma resposta tosca e contraditória às limitações do capitalismo globalizado e financeirizado. A tragédia é que, na conivência da esquerda, a nossa voz perdeu a força para responder em nome do nosso povo.

Qual é o vencedor que trará o povo de volta para o jogo da democracia? É o candidato que quer o Brasil Feliz de Novo ou é o candidato em que todos discordam em algo, mas que poucos fecham os ouvidos às suas propostas, já que não há ódio nem amor?

Atenciosamente,
Hugo Sales Corrêa

Mestrando do Programa de Engenharia de Sistemas e Computação
COPPE, UFRJ

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Nilson Moura

03 de outubro de 2018 às 22h52

Enxugando gelo…

Responder

joao carlos

03 de outubro de 2018 às 16h47

Hoje me peguei pensando e cheguei ao entendimento que Bolsonaro não é um candidato liberal ou conservador, ou um modelo disso, basta olhar o seu passado político, As pessoas votam nele, não porque ele é um pleno representante do liberalismo ou do conservadorismo, votariam em Amoedo ou outro se procurassem um modelo liberal.

Não! Brasileiros votam em Bolsonaro porque ele incorporou a voz que progressistas, ainda cegos, divagam em enxergar; de nada vale ficar comparando “planos de governos”, o eleitor de 2018 não está indo atrás de planos de governos. O Eleitor de 2018 quer o fim da corrupção, de qualquer partido, por isso PSDB e PT, tradicionais partidos, estão fracos e perdendo votos, como primeira opção de voto.

Bolsonaro não é apenas o representante do antipetista, mas o antipsbedista BOlsonaro incorporou todos os erros da república desde a redemocratização, erros do PT e do PSDB em comandar o país para o bom caminho e para a diminuição da corrupção. Bolsonaro surge como um nêmesis contra a corrupção, o eleitor médio ver nele força, as vezes bruta, para acabar com a corrupção. Agora eu pergunto: como o PT conseguiria desconstruir essa imagem do Bolsonaro? Não tem como, por isso culpa mídia e etc.

Não vale a pena ficar falando nesta altura de planos de governo de um e de outro, a prioridade é a corrupção, por isso Ciro ainda se salva e o eleitor moderado prefere ele num hipotético segundo turno (46% x 39), pois não tem histórico de corrupção. Mas o mesmo eleitor prefere Bolsonaro do que Haddad (44% x 41%).

Petistas podem gritar e culpar as pesquisas, ou contra a mídia, mas a não muda o fato, o fato da indignação do eleitor com a corrupção.

Ciro, como disse, se salva pois, apesar de ter processos contra ele, nenhum é por corrupção. Corruptos serão descartados neste eleição. Amoeda, que também não.

Responder

Adyneusa

03 de outubro de 2018 às 14h24

Tanto Ciro quanto os ciristas estão atrapalhando a campanha e facilitando a chapa do coiso.
Nunca se viu pedir votos para um terceiro colocado quando há riscos do fascista ganhar.
Ciro não está preocupado com a democracia, Mas com o poder.

Responder

    Marola

    04 de outubro de 2018 às 05h20

    Típica estratégia petista, se arvorar em pretenso defensor de uma causa maior, exigindo desprendimento … dos outros.

    Responder

    Josue

    05 de outubro de 2018 às 18h57

    Vc acredita mesmo no que diz? Quem atrapalhou a campanha de quem? Quem, sabendo que perde para um Fascista e com 50% da população rejeitando, faz ouvidos moucos não larga o osso e se faz de vítima?
    Quem se labusa na corrupção e não faz uma autocrítica? Qual candidato perdeu para Brancos e nulos em todas as urnas e para Doria e não reconhece o fracasso, se pondo como vítima padrão pt?

    Acorda!

    Responder

    Sergio Santos

    06 de outubro de 2018 às 18h32

    O PT agiu como o partido messiânico de sempre. Se o pior acontecer e o “coiso” ganhar, será em função da estratégia “genial” do PT de Lula de repetir o caso Dilma. A esquerda deveria vir com um único candidato, Ciro Gomes, para se contrapor ao “coiso”. A leitura de que o povo se esqueceria dos recentes escândalos de corrupção, falso ou verdadeiros, mas com certeza existentes, para “voltar a ser feliz” é muito simplista. Agora é pagar para ver o estrago causado.

    Responder

Deixe uma resposta