Cafezinho 2 minutos: Posse de Bolsonaro e alegações finais contra Lula

Nesta foto de 12 de dezembro de 1968, o deputado Marcio Moreira Alves explica, na Camara dos Deputados, antes da votação do pedido de licença para processá-lo formulado pelo governo federal, que seu intuito não foi ofender as Forças Armadas. Em discurso na Câmara, em 03 de setembro do mesmo ano, ele protestou contra a invasão da UnB, conclamando o povo a realizar um "boicote do militarismo", não participando da comemoração do Sete de Setembro. No dia 13 de dezembro de 1968, o presidente Arthur da Costa e Silva edita o AI-5. (Crédito: 12.dez.68 / Folha Imagem)

Motivação para o Ato estava na direita

Por Denise Assis

06 de dezembro de 2018 : 17h55

Por Denise Assis

Enquanto em Paris os jovens reviravam as ruas do Quartier Latin, em maio de 1968, em protestos pela mudança de comportamento para amar, ser feliz e conquistar direitos, no Brasil a juventude caminhava para uma luta sangrenta em busca de liberdade e sobrevivência.

No início de março os estudantes ganharam as avenidas das grandes capitais, para impedir o acordo MEC-USAID, uma “americanizada” no sistema de ensino que desagradou a todos, pois tinha, na sua essência, segundo descreve o jornalista Arthur Poerner em seu livro: “O Poder Jovem”, o combate ao comunismo na vida universitária, com a desculpa de dinamizar o ensino no país.

Juntou-se a esta pauta as condições do restaurante Calabouço, destinado aos estudantes, localizado próximo ao Aeroporto Santos Dumont, no rio de Janeiro. A Polícia reprimiu e no confronto foi morto com um tiro certeiro, Edison Luiz Lima Souto, um secundarista pobre, de Belém do Pará. Seu enterro parou a cidade e atraiu para as ruas toda a classe média, já insatisfeita com a carestia e em estado de perplexidade com a violência.

As passeatas não deixaram as autoridades em paz, até julho, quando depois de uma noite de terror, com uma invasão na unidade da UFRJ, na Praia Vermelha, houve abuso de todo tipo. Mais de dois mil estudantes permaneceram em assembleia durante oito horas. O presidente Costa e Silva declarou que manteria a democracia a qualquer custo, e depois de receber as lideranças, decidiu pela proibição dos protestos.

Fora das ruas, o movimento refluiu e, pouco a pouco ações de esquerda começaram a eclodir. Nada, porém, comparado aos atos terroristas de direita, descobertos e trazidos à luz pela Agência Pública, no dia primeiro de outubro deste ano. Documentos inéditos guardados há meio século no arquivo do Supremo Tribunal Militar, escancarou o que, de fato, levou ao recrudescimento e à decretação do AI-5, em 13 de dezembro de 1968. Os atentados, na verdade, fizeram parte de um plano para prolongar a ditadura.

Do final de 1967, até agosto do ano seguinte, uma seita esotérica, paramilitar e de extrema direita, formado por 14 policiais da antiga Força Pública (como era chamada à época a Polícia Militar de São Paulo), todos seguidores fanáticos de Aladino Félix, executou 14 atentados a bomba, furtou dinamites de pedreiras e armas da própria corporação, além de praticar pelo menos um assalto a banco, plenamente esclarecido. Foram os pioneiros do terrorismo, e os responsáveis pela maioria das ações terroristas registradas no período – um total de 17 das 32 contabilizadas pelos órgãos policiais.

Em setembro, poucos dias antes do feriado da Independência, um discurso do deputado federal Márcio Moreira Alves, do MDB, partido de oposição, sugerindo que as moças se negassem a dançar com rapazes fardados nos bailes em comemoração à data, irritou as fileiras militares. O discurso era em protestando contra a invasão da Universidade de Brasília (UnB) pela Polícia Militar. A peleja se seguiu até o final do ano, com processo de cassação aberto contra o deputado. A Câmara, porém, negou pedido de permissão pela sua cassação, também barrada no Supremo.

Historicamente, o discurso de Marcio Moreira Alves virou a gota d’água para a decretação do Ato. Hoje, se sabe, que ele viria de qualquer jeito. Porque a direita quis assim.

Escute abaixo o discurso de Marcio Moreira Alves:

Denise Assis

Denise Assis é jornalista e autora dos livros: "Propaganda e cinema a Serviço do Golpe" e "Imaculada". É colunista do blog O Cafezinho desde 2015.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alan Cepile

06 de dezembro de 2018 às 18h31

O curioso é que a ditadura brasileira é repleta de tudo aquilo que atualmente a direita acusa a esquerda: terrorismo, assalto a banco e a ditadura propriamente dita.

Responder

    Ulisses

    06 de dezembro de 2018 às 18h42

    Menos, Alan. Terrorismo e assalto a banco praticados por quem?? Dilma foi presa por essas coisas.
    Praticados pela esquerda!!

    Responder

      Alan Cepile

      06 de dezembro de 2018 às 19h32

      Como assim praticados por quem? Vc leu a matéria??

      Responder

Deixe uma resposta