Samia Bonfim no MyNews: qual a pauta da esquerda?

Soldados israelenses atiram em jovem palestino amarrado e vendado

Por Tulio Ribeiro

22 de abril de 2019 : 17h45

O jovem, Osama Hahahjeh, foi internado em um hospital em Beit Jala, a oeste da Cisjordânia, recuperando-se das balas nas coxas que recebeu de soldados israelenses. Claro que Osama é palestino, e pressuposto é mais verdade ainda que ele não é o bandido da história.

Soldados israelenses atiraram na última quinta-feira, 18 de abril, em um menino palestino de 16 anos “algemado e vendado” quando tentou se esvair diante de uma prisão arbitrária no enterro de um professor.

O jovem, foi preso após comparecer ao funeral de um professor de sua aldeia, que foi atropelado por um veículo dirigido por um israelense. Um soldado escondido em uma oliveira aproximou-se dele e obrigou-o a se jogar no chão, depois do qual amarrou as mãos atrás das costas e cobriu os olhos com um curativo.

Após a sua detenção,narrou hahahjeh, iniciou-se uma discussão entre jovens palestinos e soldados israelenses. “Eu fiquei confuso, então me levantei”. Explicou o palestino:

“Imediatamente, eles me acertaram na perna direita, depois eu tentei correr, eles me acertaram na perna esquerda e eu adormeci”

Após o tiroteio, um soldado retirou o cinto do adolescente e usou-o como torniquete para parar o sangramento. Enquanto os militares e os palestinos estavam discutindo e se empurrando, outro soldado apontou uma pistola contra um grupo de palestinos e, mais tarde, outro atirou para o ar.

O Exército israelense garantiu que está investigando o incidente. Mas utilizou uma resposta padrão e recorrente, “das pedras contra balas”: Hahahjeh foi preso enquanto participava de um protesto de um grupo de manifestantes que atiraram pedras em veículos de colonos israelenses. No enterro?

O grupo israelense de direitos humanos B’Tselem veio socorrer a verdade, afirmou que este incidente é o último de uma série do que descreveu como tiroteios injustificados contra adolescentes e jovens palestinos. Segundo seus dados, quatro palestinos que não atingiram a idade de 20 anos foram assassinados na Cisjordânia desde o início de março. Assim denunciou o porta do grupo israelense, Roy Yellin:

“Como nos quatro casos anteriores que investigamos, este é um exemplo do uso imprudente do fogo letal por Israel, e mostra que a vida humana dos palestinos conta muito pouco aos olhos do exército israelense”

Tulio Ribeiro

Túlio Ribeiro é graduado em Ciências econômicas pela UFBA,pós graduado em História Contemporânea pela IUPERJ,Mestre em História Social pela USS-RJ e doutorando em ¨Ciências para Desarrollo Estrategico¨ pela UBV de Caracas -Venezuela

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »