Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Divulgação

A tertúlia entre Barroso, Deltan e Moro

Por Redação

16 de julho de 2019 : 21h00

A revelação foi feita hoje pelo blog do Reinaldo Azevedo. O blogueiro (sem aspas) pegou leve. Disse que não era denúncia. O ministro do STF, Roberto Barroso, chamou Sergio Moro e Deltan Dallagnol para um jantar íntimo em sua casa.

Mas eu acho que é um escândalo sim. Porque reforça uma tese. De que havia um conluio entre as instâncias judiciais: primeira, segunda, terceira e quarta instância, MPF, PGR, todos juntinhos, de mãos dadas, bebendo vinho, mancomunados para acusar, condenar, prender.

Esqueceram completamente que justiça implica em olhar sobretudo o outro lado, o lado da liberdade, da inocência, das garantias, e da estabilidade jurídica e política do país.

Não teve jantar com advogados de defesa.

Não teve mensagens com advogados de defesa.

A comunicação do judiciário é sempre com a acusação.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

17 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Luiz

20 de julho de 2019 às 05h34

A reciprocidade invocada a menor constitui classe. assim, é possível que alguns liberais não se sintam burgueses.

Responder

Pedro Cândido Aguarrara

18 de julho de 2019 às 20h21

Barroso e Deltan têm um caso homoafetivo e existem provas disso nos arquivos das conversas do Intercept.

Ainda não foram divulgadas mas serão pois é de INTERESSE PÚBLICO já que um julga processos onde o outro acusa.

Isso é o que está circulando pelas redes.

Responder

Roberto

17 de julho de 2019 às 10h34

Miguel, sua credibilidade está se definhando. Não vimos toda esta celeuma quando vários ministros do STF se encontraram com vários advogados dos corruptos da esquerda. Ou seja, dois pesos e duas medidas. Sempre considerei o Cafezinho o site menos pelego, mas desta vez vc errou na medida. Sugiro fazer uma reportagem com os encontros do Toffolli, Levandowisk, Gilmar Mendes e Marco Aurélio, com advogados e amigos dos bandidos que estão presos, em horários suspeitos…

Responder

    Celeste

    21 de setembro de 2019 às 01h15

    bandidos por bandidos o barroso tb foi advogado do terrorista italiano…. o q vc ta recriminando mesmo?

    Responder

Flavio Ferreira

17 de julho de 2019 às 07h57

Concordo. Se o LL passou a ser dono porque visitou uma vez o triplex e cometeu crime de lavagem porque o imóvel não está no seu nome (surreal), um jantar íntimo pode entre instâncias da Justiça pode ser considerado conluio.

Responder

Luiz

17 de julho de 2019 às 05h44

A ideia de um conluio entre instâncias constitui o vínculo corporativo que alia uma classe média ascendente, disposta a dar contorno burgues seletivo à sua atuação na estrutura de poder do Estado, ao que já foi denominado aproximadamente de macrossistema internacional de combate à corrupção, em especial, de inspiração neoliberal. A ilação é plausível, uma vez que para o pragmatista não importa aonde a organicidade se instala, se no público ou no privado, desde que ressalvados os controles fetichistas.

Responder

Sérgio Ferreira

17 de julho de 2019 às 05h18

O Barroso numa sinuca: não pode mais afirmar, pelo menos em relação à mensagem que o dalanhol encaminha ao moro, que mensagens são falsas.
foi envolvido e agora, ou toma alguma medida judicial ou cala e consente
e se perguntado se a mensagem é verdadeira ou se tinha relação pessoal com integrantes da farsa jato … mentirá, correndo o risco de ser desmentido?
o intercept é inteligente demais ..

Responder

Ioiô de Iaiá

17 de julho de 2019 às 02h21

Muito bom, Miguel.
Os que criticam o seu texto não percebem, ou não querem perceber, a necessidade de independência entre quem acusa e quem julga. Ainda mais grave, juiz da instância mais alta. Esses juízes são suspeitos para casos ligados à Lava jato.
Fica a pergunta: se Fux, Barroso e Fachin tivessem tido contato próximo com a defesa, isso não seria apontado como um escândalo de suspeição pela mídia venal?
Os fascistoides que comentam aqui, pagam mico a cada comentário e já têm direito a diplomas de analfabetismo político. Viraram Tiriricas dos comentários.

Responder

Paulo

16 de julho de 2019 às 22h35

Sabemos a posição do Barroso, em relação ao combate à corrupção. É o Ministro com quem mais me identifico, nesse aspecto (e no geral). Normalíssima a reunião do Ministro com as instâncias inferiores e o MP, diante da repercussão social da Lava-Jato (o que foi tratado poderá, ou não, configurar alguma anomalia jurídica). Anormal é a reunião de Toffoli com os outros Poderes para propor “pactos”. E a do GM, com presidentes como o Temerário…o único defeito de Barroso é uma identificação que considero mal refletida sobre aborto e pautas identitárias…pena!

Responder

Alexandre Neres

16 de julho de 2019 às 22h18

Caro Miguel, muito lúcido o seu texto. É por essas e outras que, com um certo cinismo, certos comentaristas dizem que é pra submeter os vazamentos ao judiciário para que ele aprecie se são irregularidades ou não. Como confiar em tamanho contubérnio? Como fazer para garantir seus direitos constitucionais por meio de um tribunal de fancaria? Aos amigos tudo, aos inimigos o processo penal do espetáculo e o direito penal do inimigo. Estão nem aí se o juiz é parcial, se a justiça é seletiva, desde que continue impunemente o massacre de pretos, pobres, putas e petistas.

Responder

Marcio

16 de julho de 2019 às 22h07

Não é a toa que Barroso é de longe o melhor Ministro do STF.

Pro aborto, desarmamentista e a favor da liberalização da maconha…mas não gosta de vermes bandidos travestidos de políticos.

Responder

    J Fernando

    17 de julho de 2019 às 10h25

    Isso mesmo. Plenamente de acordo. O Moro era um juiz travestido de político, tanto que agora é ministro do governo. Um verme bandido.
    Barroso tem mesmo que ser contra estes tipos.
    Subiu no meu conceito.

    Responder

      Marcio

      17 de julho de 2019 às 11h17

      Convidaram o Moro ao jantar por engano entào.

      Responder

carlos

16 de julho de 2019 às 21h16

É o que eu sempre falei, todas as instâncias estão cometendo crimes, e o principal deles é rasgarem a nossa constituição ao invés de guarda-la, e a solução é criar uma comissão nacional de notáveis, com poderes amplos para julgar os atos flagrantes de conluio entre membros da magistratura e os cargos que ocupam.

Responder

Justiceiro

16 de julho de 2019 às 21h11

“Não teve jantar com advogados de defesa.

Não teve mensagens com advogados de defesa.

A comunicação do judiciário é sempre com a acusação.”
***************************

KKKKKKKKKKKK Não acredito que foi Miguel quem escreveu isso. Tão fácil de desmoralizar.

Mensagem com advogado de defesa? ESQUECERAM das visitas que Sepúlveda Pertence, advogado de Lula, fez diversas vezes ao STF?

Não teve jantar com advogado de defesa? ESQUECERAM do regabofe que um grupo de advogados – quase todos com clientes na Lava Jato – promoveu para Dias Toffoli?

Pra saber dessas cositas, não é preciso nenhuma conversa manipulada vazada: todo mundo sabe disso.

Não foi Miguel, não foi.

Responder

    Marcio

    17 de julho de 2019 às 07h25

    Também achei pra lá de ridículo, infantil, quem escreveu deve ter no máximo 15 anos.

    Responder

    Marcio

    17 de julho de 2019 às 11h23

    Tambèm achei bem ridiculo, quem escreveu deve ter no maximo 15 anos.

    Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?