Incêndios na Amazonia mobilizam governos do mundo inteiro

Inpe detecta desmatamento recorde na Amazonia em 2019

Por Redação

19 de julho de 2019 : 14h12

No Inpe

Alertas do DETER na Amazônia em junho somam 2.072,03 km²

Publicado: Jul 04, 2019

São José dos Campos-SP, 04 de julho de 2019

Imagem Alertas do DETER na Amazônia em junho somam 2.072,03 km²
As áreas de alerta de desmatamento e degradação na Amazônia Legal somaram 2.072,03 km² no mês de junho de 2019, segundo os dados registrados pelo DETER, o Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (DETER) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Baseado em imagens de satélites de observação da Terra, o sistema DETER é destinado a orientar a fiscalização em campo, feita pelos órgãos competentes. Considerando somente os alertas do tipo desmatamento, onde já houve a remoção da cobertura florestal, as áreas mapeadas em junho somam 920,21 km². A distribuição das áreas de alertas por estado é mostrada a seguir.

As áreas de desmatamento corte raso nos últimos três meses (abril, maio e junho/2019) acumulam o total de 1.907,1 km2. Em 2018, foram registrados 1.528,2 km2 no mesmo período, ou seja, observa-se um crescimento de 24,8%. Já quando analisado o ano calendário do desmatamento – agosto/2018 a junho/2019 – o DETER aponta 4.574,9 km2, valor 15,1% superior ao do período de agosto/2017 a junho/2018, que foi de 3.975,5 km2. Estes comparativos são apresentados nos gráficos a seguir:

 

Em função da cobertura de nuvens variável de um mês para outro e, também, da resolução dos satélites, o INPE recomenda que a comparação entre dados de diferentes meses e anos obtidos pelo sistema DETER seja feita com cautela.

Sistema de alerta

Realizado pela Coordenação de Observação da Terra em conjunto com o Centro Regional da Amazônia (CRA), o DETER é um serviço de alerta de desmatamento e degradação florestal na Amazônia Legal baseado em dados de satélite de alta frequência de revisita.

Os alertas produzidos pelo DETER servem para orientar a fiscalização e garantir ações eficazes de controle da derrubada da floresta. Embora sejam divulgados relatórios que reúnem dados mensais, os resultados do DETER são enviados quase que diariamente ao Ibama.

O DETER utiliza imagens dos sensores WFI/CBERS 4 e AWiFS/IRS que cobrem a Amazônia a cada 5 dias e possibilitam detectar polígonos de desmatamento com área maior que três hectares. Nem todos os desmatamentos são identificados devido à ocorrência de cobertura de nuvens. A alta disponibilidade das imagens utilizadas pelo DETER torna o sistema uma ferramenta ideal para informar rapidamente aos órgãos de fiscalização sobre novos desmatamentos.

Este sistema registra tanto áreas de desmatamento, quando os satélites detectam a retirada da floresta nativa (desmatamento corte raso, desmatamento com vegetação e mineração), quanto áreas com evidências de degradação (corte seletivo, degradação decorrente de extração de madeira ou incêndios florestais) que fazem parte do processo de desmatamento na região.

O INPE enfatiza que o DETER é um sistema expedito de Alerta desenvolvido metodologicamente para suporte à fiscalização. A informação sobre áreas é para priorização por parte das entidades responsáveis pela fiscalização e não deve ser entendida como taxa mensal de desmatamento. O número oficial do INPE para medir a taxa anual de desmatamento por corte raso na Amazônia Legal brasileira é fornecido, desde 1988, pelo projeto PRODES que trabalha com imagens de melhor resolução espacial.

Os dados do DETER podem ser consultados a partir da página www.terrabrasilis.dpi.inpe.br

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Bony

12 de agosto de 2019 às 23h04

ONDE ANDAVA OCAfezinho nessa época??? Mamando na teta??? E eu votei nessa esquerda ESCROTA por toda minha vida fizeram o que?? N A D A……”O número que o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) acaba de divulgar sobre o desmatamento estimado para a Amazônia no período 2007 a 2008 trás más e boas notícias e deixa uma dúvida no ar.

As más notícias são basicamente duas. A primeira é que 11.968 quilômetros quadrados configuram um desmatamento muito alto, ainda mais quando lembramos que mais de 80% desta derrubada é ilegal, ou seja, não foi previamente autorizada como determina a lei. Aliás, boa parte dela está na verdade duplamente ilegal. Não foi autorizada e simplesmente nunca seria já que em muitos casos ocorrem em áreas de preservação permanente – margens de rios, abrigo de espécies ameaçadas de extinção, áreas de declive acentuado – ou de reserva legal, que na Amazônia compreende 80% das propriedades rurais”

Responder

Alan C

20 de julho de 2019 às 18h37

Maldito PT…..

Responder

Paulo

19 de julho de 2019 às 16h32

A fiscalização do IBAMA está sendo constrangida por esse Governo. E o pior, em troca de falácias sobre ecoterrorismo…

Responder

Deixe uma resposta