Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Caged registra queda no emprego da indústria de transformação

Por Redação

25 de julho de 2019 : 12h15

Eu separei texto e gráficos divulgados hoje pela Secretaria do Trabalho (ex-ministério do Trabalho, extinto por Bolsonaro).

Alguns gráficos mostram situação muito preocupante para o mercado de trabalho no Brasil.

Os empregos que estão sendo criados tem salário médio bem menor que aqueles que estão sendo destruídos.

Segundo especialistas, isso é “normal” e antigo, porque é um fenômeno ligado a já longa trajetória de desindustrialização do país.

Em junho, o salário médio dos trabalhadores que foram demitidos era de R$ 1.766,67, ao passo que o salário médio daqueles que foram admitidos é de R$ 1.606,62.

Outro número preocupante é que a indústria de transformação, file mignon da economia de qualquer país que almeje se desenvolver continua demitindo mais do que contratando.

A indústria de calçado tem sido a que está demitindo mais. A indústria química, que representa um dos setores mais avançados, registrou, felizmente, saldo positivo de empregos, mas decisões recentes do governo, de rescindir contratos com laboratórios públicos que produziam insulina, talvez cause impacto negativo no setor em breve.

Confira outros gráficos. O texto da assessoria de imprensa da Secretaria do Trabalho está ao final do post.

O gráfico abaixo também traz um dado preocupante: dentre os subsetores do setor de serviço, o de ensino foi o que mais demitiu, registrando saldo negativo de 7.797 vagas. A maioria desses empregos destruídos são de professores.

Na Secretaria do Trabalho

Com 48,4 mil vagas formais, emprego tem melhor junho desde 2013

Balanço do primeiro semestre de 2019 aponta a oferta de novos 408,5 mil postos de trabalho

Publicado: Quinta, 25 de Julho de 2019, 09h59
Última atualização em Quinta, 25 de Julho de 2019, 10h49

O Brasil gerou 48.436 empregos formais em junho, o melhor resultado registrado para o mês desde 2013. Divulgados nesta quinta-feira (25), os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) representam uma alta de 0,13% em relação ao estoque do mês anterior.

No consolidado do semestre, os números de junho são os melhores desde 2014. Foram 408.500 novas vagas formais nos primeiros seis meses de 2019, resultado superior ao mesmo período do ano passado, quando foram gerados 392.461 empregos.

No acumulado dos últimos 12 meses, em período encerrado em junho de 2019, o saldo entre admissões e desligamentos ficou positivo em 524.931 novos postos formais, que representa melhoria em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram gerados 280.093 novos empregos.

As informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) de junho de 2019 foram divulgados nesta quinta-feira (25) pelo secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, e pelo subsecretário de Políticas Públicas e Relações do Trabalho, Matheus Stivali.

Junho

Considerando números referentes apenas a junho deste ano, seis setores da economia tiveram resultado positivo em junho: Serviços (23.020 postos), Agropecuária (22.702 postos), Construção Civil (13.136 postos), Serviços Industriais de Utilidade Pública (2.525), Extrativa Mineral (565) e Administração Pública (483). Dois setores apresentaram resultado negativo no mês: Comércio (-3.007 postos) e Indústria de Transformação (-10.988 postos).

Destaque do mês, o setor de Serviços registrou 531.137 admissões e 508.117 desligamentos. Cinco dos seus seis subsetores apresentaram saldo positivo, com destaque para Comercialização e Administração de Imóveis (14.766 novos postos) e Serviços Médicos, Odontológicos e Veterinários (7.883 postos).

Regiões

Quatro das cinco regiões brasileiras tiveram saldo positivo em junho. Em números absolutos, o melhor resultado é do Sudeste, com 31.054 postos de trabalho criados. No período, o Centro-Oeste registrou 10.952 novas vagas, o Nordeste criou 5.142 postos formais no período e o Norte, 4.002. Apenas no Sul houve mais demissões que admissões, com saldo negativo de 2.714 postos.

Das 27 unidades da federação, 19 alcançaram variação positiva. Os estados de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso se destacaram, anotando respectivamente 18.262, 11.603 e 7.367 postos de trabalho gerados. Já Rio Grande do Sul e Espírito Santo tiveram os menores saldos.

Modernização Trabalhista

A modalidade de trabalho intermitente, prevista na modernização trabalhista em vigor desde 2017, teve saldo positivo de 10.177 empregos no mês passado. Foram 15.520 admissões e 5.343 desligamentos na modalidade, envolvendo 2.691 estabelecimentos e 1.999 empresas contratantes. Um total de 417 empregados celebrou mais de um contrato na condição de trabalhador intermitente.

Na modalidade de trabalho em regime de tempo parcial, houve em junho 5.922 admissões e 4.495 desligamentos em 3.411 estabelecimentos e 2.846 empresas contratantes. No mês, 38 empregados celebraram mais de um contrato em regime de tempo parcial.

No que se refere ao desligamento mediante acordo entre empregador e empregado, em junho de 2019 foram registrados 17.951 desligamentos, o que representa 1,5% do total de desligamentos no mês.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Justiceiro

26 de julho de 2019 às 13h23

Eu fiz um comentário ontem. Até agora não foi publicado.

Cadê você, Miguel?

Responder

Admar

25 de julho de 2019 às 21h19

Aguardando da Redação do Cafezinho algo sobre os “supostos” hackers de Araraquara os “Russos” que foram Raqueados pelos Raqueados. #QueEsculhambaçãoSujoMoro!!!

Responder

Rick

25 de julho de 2019 às 20h47

Com a privataria predatória rolando solta com as bênçãos da bandidagem togada, esperemos uma enxurrada de desempregados e a queda retumbante de vagas de empregos altamente qualificados. A dita “geração de empregos” por essa quadrilha corrupta-fascista só se forem subempregos com baixos salários e sem direitos, todos retirados desde a era do quadrilhão Temer. O Brasil está sendo desindustrializado enquanto rola o espetáculo montado dos “rackers” pra fazer cortina de fumaça frente ao desmonte do Estado brasileiro! Corja de canalhas!

Responder

Renato

25 de julho de 2019 às 17h46

“Alguns gráficos mostram situação muito preocupante para o mercado de trabalho no Brasil.”. Que tal mostrar os mesmos gráficos da situação do governo Dilma entre 2013 e 2016 quando 1/4 da indústria de transformação foi destruída ?

Responder

Anarquista Milionário

25 de julho de 2019 às 14h28

Melhores frases de Bolsonaro:
Eu não estupro você porque você é feia.
Você sabe que eu sou a favor da tortura.
O triângulo é quase uma linha reta e a soma dos catetos se aproxima “do” hipotenusa.
Um gênio , um pacifista , um homem que respeita as mulheres!!

Responder

    Renato

    25 de julho de 2019 às 15h02

    Pobre de direita não gosta de mulher.

    Responder

      Renato

      26 de julho de 2019 às 01h50

      Pobre de esquerda gosta de macho e de macho com o falo bem grosso !

      Responder

Alan C

25 de julho de 2019 às 14h10

Pobretada da direita, faz arminha que o emprego volta! rsrs

Responder

    Renato

    25 de julho de 2019 às 17h41

    O pobretão de esquerda faz o “L” de Lula Livre que voltam Lula; Dilma; Mantega; Zé Dirceu; Eduardo Cunha; Sérgio Cabral e Geddel Vieira para acabarem de saquear o país!

    Responder

    Renato

    26 de julho de 2019 às 01h52

    Pobre de esquerda faz o “L” de de Lula Livre que os corruptos voltam para acabar de saquear o país !

    Responder

Robert

25 de julho de 2019 às 13h18

Não tem jeito, o juiz ladrão, o cara que fraudou uma eleição e já colocou duas quadrilhas de bandidos na presidência do país, segue enrolado com o CONTEÚDO vexaminoso das declarações trocadas com os demais membros da camarilha de Curitiba.

Responder

Marcio

25 de julho de 2019 às 12h52

Achei que hoje ia ser o grande dia da apresentaçào dos mais novos integrantes do serviço de inteligencia cibernetica, amigos do Bundevaldo, nos quadros da Facçào Criminosa.

Terà ceia de gala aberta ao publico a noite ou sò para poucos intimos eleitores de Cabral…?

Responder

chichano goncalvez

25 de julho de 2019 às 12h46

Não se preocupem trabalhadores do Brazil, daqui a quatro (04) anos teremos eleições, claro alguns brasileiros, não estarão aqui, outros vão virar traficantes para trabalhar, outros vão roubar, seus filhos não vão mais estudar, resumindo daqui em diante as coisas vão (tenho certeza disso) piorar, claro os analfabetos politicos nos meteram nessa merda que é a quadrilha do Bolso Nada.

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?