Câmara discute privatização da Eletrobras

Novo PGR quer MP preocupado com economia e que não criminalize a política

Por Redação

12 de setembro de 2019 : 14h36

A história é mesmo irônica.

Augusto Aras, o nome escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro como novo Procurador-Geral da República pode vir a ser, se suas promessas de hoje se materializarem em ações à frente da instituição, o PGR mais progressista desde os tempos de Geraldo Brindeiro, o PGR indicado por FHC, o qual ficou injustamente marcado como “engavetador-geral da república” por enfrentar o punitivismo histérico da mídia e de setores da política nacional.

Segundo reportagem publicada hoje pelo Estadão, Aras passeou ontem pelos gabinetes dos senadores e defendeu um Ministério Público que não seja obcecado apenas com a corrupção, mas também com a economia.

Aras também defendeu uma Lava Jato “positiva”, que não “criminalize a política”.

Se os governos petistas tivessem se preocupado menos em agradar o corporativismo do Ministério Público, aceitando a famigerada “lista tríplice”, e indicado nomes realmente comprometidos com um projeto democrático de desenvolvimento nacional, talvez a Lava Jato não teria se tornando o Godzilla devastador que acabou se tornando, destruindo milhões de empregos, gerando pequenos grandes monstros como Deltan Dallagnol, e abrindo espaço para uma cultura de criminalização da política cujas consequências estamos sentindo pesadamente.

Aras esteve com senadores petistas e, segundo a matéria, causou ótima impressão.

Trecho da matéria:

Aras se reuniu nessa quarta, 11, com a bancada do PT na Casa. O discurso contra uma conduta considerada “punitivista” do Ministério Público e de independência em relação ao governo agradou aos parlamentares petistas.

O vice-líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE), afirmou que poderia dar um voto favorável ao subprocurador caso houvesse uma avaliação positiva. “Ajuda alguém que opera o direito, que seja capaz de fazer justiça respeitando a lei. Essa constatação só no contato pessoal”, disse Carvalho.

No Estadão

No Senado, Aras diz que foco da PGR não pode ser só o combate à corrupção

Indicado por Bolsonaro faz périplo por gabinetes e afirma que órgão precisa estar comprometido também com a economia do País

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2019 | 12h20

BRASÍLIA – Em busca do apoio de senadores, o subprocurador Augusto Aras, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir a Procuradoria-Geral da República (PGR), adotou um discurso de que o órgão precisa estar comprometido com a economia do País, e não apenas com o combate à corrupção.

Em seu périplo por gabinetes no Senado – o subprocurador pretende visitar os 81 -, Aras afirmou nesta quinta-feira, 12, que tem passado a mensagem aos parlamentares, responsáveis por aprovarem a sua indicação ao cargo.

“Eu tenho apenas conversado com os senadores sobre o nosso pensamento acerca de um Ministério Público moderno, capaz de atender às grandes necessidades de um Brasil novo, que exige não somente combate à corrupção, mas também exige o destravamento da economia”, disse Aras, em rara declaração a jornalistas antes de visitar o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) em seu gabinete.

Conforme o Estadão/Broadcast mostrou, os argumentos de Aras têm agradado a senadores até mesmo da oposição ao governo de Jair Bolsonaro. O escolhido para o cargo tem criticado o que parlamentares classificam como “onda positivista” de procuradores.

Aras se reuniu nessa quarta, 11, com a bancada do PT na Casa. O discurso contra uma conduta considerada “punitivista” do Ministério Público e de independência em relação ao governo agradou aos parlamentares petistas.

O vice-líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE), afirmou que poderia dar um voto favorável ao subprocurador caso houvesse uma avaliação positiva. “Ajuda alguém que opera o direito, que seja capaz de fazer justiça respeitando a lei. Essa constatação só no contato pessoal”, disse Carvalho.

Na terça, Aras foi recebido pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e por outros líderes da Casa. Na ocasião, defendeu uma “Lava Jato positiva”, que não criminalize a política. De acordo com relatos de senadores, o indicado pregou um Ministério Público Federal “moderno e clássico”, com unidade nos posicionamentos e que ajude o desenvolvimento do País, sem cor ideológica.

Segundo parlamentares, o subprocurador disse que o formato da Lava Jato pode ter levado a prejuízos, não só para reputações, mas para a economia.

O senador Otto Alencar (PSD-BA) avaliou que Aras “se colocou muito bem”. “Ele disse que a Lava Jato teve um ponto em que extrapolou o limite da lei e cometeu excessos, sem citar nomes”, disse.

Para ser efetivado no cargo, Aras será sabatinado na Comissão de Constituição e Justiça e precisa do apoio de pelo menos 41 dos 81 senadores. A sabatina deve ser feita no próximo dia 25.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

12 de setembro de 2019 às 17h35

“Criminalização da política” é o neologismo criado à direita e à esquerda para defender a impunidade dos corruptos. Quando se vê Lula e Temer, Botafogo e Barbie falando a mesma língua, pode desconfiar de que há algo muito nefasto por trás!

Responder

Paulo

12 de setembro de 2019 às 15h21

A direita critica o PT por dar comida aos pobres e os ciristas criticam o PT por dar autonomia aos que combatem a corrupção.
A culpa pelos crimes da lava-jato é de quem os cometeu.
E esse cara não é progressista coisa nenhuma , está lá para proteger a família de milicianos.
O PT realmente foi ingênuo mas isso só mostra uma crença na democracia e nas instituições.
Vocês ciristas estão totalmente confusos , ontem Ciro disse que Lula não é preso político , hoje a lava-jato é culpa do PT?
Decidam de que lado vocês estão.

Responder

Wellington

12 de setembro de 2019 às 15h09

A política brasileira é desde sempre votada exclusivamente com o poder e os próprios interesses econômicos, por tanto não há como não ser criminalizada.

As coisas começaram a mudar a partir desse ano, foi a maior transformação política da história brasileira (mesmo com Renan Calheiros ainda no Congresso).

Responder

Wellington

12 de setembro de 2019 às 15h01

“Se os governos petistas tivessem se preocupado menos em agradar o corporativismo do Ministério Público…”

Os Governos petistas aparelharam tudo, para que tudo corresse na marola mais calma possível para continuar a roubando tranquilamente e perdurar no poder.

Os governos petistas agradavam todo mundo, não incomodavam ninguém, nem o crime organizado (que tomou conta de tudo), todo mundo era livre de fazer as próprias porcarias imundas desde que não incomodasse o governo.

Só a mídia fingia de vez enquanto de criticar e do outro lado ganhava bilhões do próprio governo.

Os brasileiros não perceberam pois como de costume estavam ocupados demais com as próprias prioridades…as novelas e futebol.

Responder

Deixe uma resposta