Análise da reunião ministerial de Bolsonaro

Foto do representante brasileiro em reunião da OEA. Foto: Flickr da OEA.

OEA, um instrumento servil da guerra híbrida de Washington

Por Miguel do Rosário

25 de outubro de 2019 : 11h00

A Organização dos Estados Americanos (OEA) sempre foi acusada de ser submissa aos interesses políticos de Washington. Por vezes, porém, as contradições existentes nos próprios EUA, mais a mudança na correlação de forças de seus membros, permitiram que ela ganhasse alguma autonomia.

Entretanto, a ascensão de governos alinhados nos últimos anos, em especial a vitória de Jair Bolsonaro nas eleições brasileiras de 2018, o presidente mais subserviente aos ditames da Casa Branca que jamais governou o país (até a ditadura militar teve mais altivez), ajudaram decisivamente a transformar a OEA numa subsecretaria do Departamento de Estado do governo americano.

A nota da OEA emitida no dia 16 de outubro é um exemplo caricatural do que vem se convencionando chamar de “guerra híbrida”.

Diz a OEA:

As correntes atuais de desestabilização dos sistemas políticos do continente têm origem na estratégia das ditaduras bolivariana e cubana, que buscam novamente se reposicionar, não através de um processo de reinstitucionalização e redemocratização, mas através de sua antiga metodologia de exportação de polarização e más práticas, mas essencialmente financiam, apóiam e promovem conflitos políticos e sociais.

Ora, acusar governos pobres, falidos, que mal conseguem resolver seus próprios problemas políticos  e econômicos domésticos internos de terem a capacidade de mobilizar enormes massas de cidadãos em vários países do continente sul-americano é tão surreal que tem um ponto positivo: a nota revela facilmente as intenções (nem tão) ocultas de quem a escreveu.

Se a “conspiração  cubana e venezuelana” que, segundo a OEA, estaria por trás das manifestações na Colômbia, Chile, Equador, Argentina, é uma teoria infinitamente imbecil e irreal, a teoria de que Washington tentará, a partir de agora, atribuir aos interesses cubanos e venezuelanos qualquer movimentação progressista, qualquer revolta popular anticapitalista e/ou antineoliberal, nos parece bastante plausível!

***

Abaixo, a íntegra da nota, em tradução livre.

Comunicado da Secretaria-Geral da OEA
16 de outubro de 2019

As correntes atuais de desestabilização dos sistemas políticos do continente têm origem na estratégia das ditaduras bolivariana e cubana, que buscam novamente se reposicionar, não através de um processo de reinstitucionalização e redemocratização, mas através de sua antiga metodologia de exportação de polarização e más práticas, mas essencialmente financiam, apóiam e promovem conflitos políticos e sociais.

As “brisas bolivarianas”, a que o presidente da assembléia nacional ilegítima constituinte bolivariana se referiu, trouxeram desestabilização, violência, tráfico de drogas, morte e corrupção. O custo mais alto foi pago pelo próprio povo venezuelano, mas os países do continente também estão agora pagando um preço alto pela crise causada pela ditadura venezuelana.

A brisa bolivariana não é bem-vinda neste hemisfério. Condenamos veementemente a ameaça de exportar más práticas e desestabilização para a Colômbia feitas por essa pessoa na ditadura bolivariana.

A estratégia de desestabilização da democracia através do financiamento de movimentos políticos e sociais distorceu a dinâmica política nas Américas. Durante anos, a ditadura venezuelana, com o apoio da ditadura cubana, institucionalizou na região estruturas sofisticadas de cooptação, repressão, desestabilização e propaganda na mídia. Por exemplo, o financiamento da ditadura venezuelana a campanhas políticas tem sido uma das maneiras eficazes de aumentar a capacidade de gerar conflitos.

A crise no Equador é uma expressão das distorções que as ditaduras venezuelana e cubana instalaram nos sistemas políticos do continente. No entanto, o que os eventos recentes também mostraram é que a estratégia intencional e sistemática das duas ditaduras para desestabilizar as democracias não é mais eficaz como no passado.

A Secretaria-Geral da OEA reafirma sua obrigação de proteger os princípios democráticos e os direitos humanos e de defendê-los onde estão ameaçados. Também permanece disponível aos Estados membros em seus esforços para enfrentar os fatores de desestabilização organizados pela ditadura venezuelana e cubana.

Referência: C-081/19

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Nelson

28 de outubro de 2019 às 11h02

Meu caro Paulo. Bolsonaro não vai repensar o neoliberalismo que está aplicando pelo simples motivo de que ele está apenas a obedecer o que as megacorporações capitalistas e os países ricos determinaram para o Brasil.

Se ele recusar o neoliberalismo, e não vai fazê-lo, porque não quer e também porque o Sistema de Poder que domina os Estados Unidos o defenestraria em um piscar de olhos. Basta colocar a mídia hegemônica a divulgar todas as trapaças e tramoias que envolver Bolsonaro – o esfakeamento é uma delas – para que o povo passe a exigir a sua queda.

Ou tu achas que as agências de segurança desse Sistema de Poder não tem um dossiê também do Bozo, para usar quando for preciso?

Responder

Nelson

28 de outubro de 2019 às 10h53

O linguista e filósofo estadunidense, Noam Chomsky, diz que o governo do seu país aplica à risca o conselho que qualquer advogado mediano dá a seu cliente: “Se fores pego com a mão no bolso de alguém, seja o primeiro a gritar:’ ladrão’!, ‘ladrão’!”.

Há décadas e décadas, os governos dos EUA têm aplicado, ilegalmente, bilhões de dólares nos mais variados países do mundo para causar desestabilização e a derrubada de governos que não lhes são simpáticos.

E eles têm dinheiro a rodo para fazer isso. Afinal, seu imperialismo rapina praticamente todo o planeta. Então, acabam se utilizando do mesmo dinheiro que extraem de outros povos por meio da pilhagem para desestabilizar seus países.

De onde é que Cuba e Venezuela tirariam tantos bilhões para se imiscuírem nos assuntos internos de outros países? As alegações dos governos dos EUA contêm um tal grau de absurdo que nem uma criancinha de 5 anos nelas acreditariam. Por isso mesmo, é preciso investir também bilhões e bilhões na propaganda ideológica que vai manipular corações e mentes em favor do sistema do seu sistema dominação.

Ainda segundo Chomsky, nos EUA são gastos, anualmente, nada menos de um sexto do PIB em propaganda.

Responder

Paulo

25 de outubro de 2019 às 14h58

Bem, eu não duvido de que Cuba e Venezuela apoiem esses movimentos “insurrecionais”, ainda que mais por aconselhamento e “expertise” do que por ajuda financeira, de que não dispõem. Mas é preciso por a mão na consciência, também, e ver que o Governo Macri, pra citarmos só um exemplo, pouco ou nada fez pelo povo argentino, nesses anos (e ainda piorou). Bolsonaro, por sinal, deveria repensar esse seu neo-liberalismo de ocasião ou vai se afundar com ele…

Responder

Deixe uma resposta