Bate papo Cafezinho. Convidado: Vina Guerreiro

Com o fechamento da fábrica, o Brasil terá que importar 100% dos fertilizantes nitrogenados que consome / Divulgação Sindipetro-RS

Petroleiros gaúchos realizam ato contra demissão em massa no Sistema Petrobras

Por Redação

17 de janeiro de 2020 : 18h25

No Brasil de Fato

Manifestação contra desativação da Fafen-PR foi realizada em frente à Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), em Canoas

Redação *

Brasil de Fato | Porto Alegre,17 de Janeiro de 2020 às 15:57

Petroleiros da Refinaria Alberto Pasqualini (Refap) realizaram um ato contra as demissões em massa do Sistema Petrobras promovidas pelo governo federal e em defesa Araucária Nitrogenados S.A (Ansa/Fafen-PR). Realizado em frente a refinaria, localizada no município de Canoas (RS), na manhã desta sexta-feira (17), o protesto somou-se a outras manifestações em bases da Federação Única dos Petroleiros por todo o Brasil.

No terça-feira (14), a gestão da Petrobras anunciou o fechamento da Fafen-PR, subsidiária da estatal que atende o setor agrícola – justamente o mais produtivo do Brasil. Isso representa a demissão de cerca de 1.000 trabalhadores da unidade, sendo aproximadamente 400 empregados próprios e 600 terceirizados. Sem nenhuma negociação com o sindicato, a categoria tomou conhecimento das demissões pela imprensa.

Conforme avaliação do Sindicato dos Petroleiros do Rio Grande do Sul (Sindipetro-RS), a partir do falso argumento de que a Fafen-PR dá prejuízos, a gestão da Petrobras abandona o setor de fertilizantes nitrogenados no Brasil. O fechamento soma-se a diversos desmontes a que a petroleira vem sofrendo desde o golpe que retirou a presidenta Dilma Roussef, em 2016, favorecendo as multinacionais, os importadores e criando empregos em outros países.

Nas falas dos petroleiros e de outras categorias de trabalhadores, durante o ato na Refap, foi consenso que a única maneira de tentar amenizar os prejuízos causados por este governo é com luta e resistência. Para a dirigente do Sindipetro-RS, Miriam Cabreira, fechar uma indústria química em um país que já sofre com o desemprego é sinal de um antipatriotismo. “Esse não é o caminho para um país desenvolvido. Nós estamos revoltados com o que a gestão está fazendo conosco, tudo isso dentro do processo de desmonte para acabar com a empresa pública. 2020 já inicia com a importância de fazer esse ato, porque a luta vai ser grande contra a venda das refinarias e o desmonte da empresa”.

Para o ex-presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, o que “é certo” para esse governo significa que é prejudicial à classe trabalhadora: “Não se trata de torcer contra o governo, mas de denunciar o aparato entreguista instalado no Brasil, eleito com fake news. Com essas mentiras eles vão entregando o patrimônio brasileiro”, critica.

Representantes de outras categorias também estiveram no ato, como o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Rio Grande do Sul (Sintrajufe/RS), Marcelo Carlini, e o presidente do SindiBancários, Everton Gimenis. “Desde 2016 a gente anunciava que o golpe era para acabar com direitos trabalhistas, previdenciários e para a entrega das riquezas do Brasil. Também estão na mira deste governo a privatização da Caixa Econômica e do Banco do Brasil”, alerta o bancário.

Com o fechamento da fábrica, o Brasil terá que importar 100% dos fertilizantes nitrogenados que consome. Além disso, o país ficará dependente da importação de ARLA 32, reagente químico usado para reduzir a poluição ambiental produzida por veículos automotores pesados. Além disso, é a própria Petrobras quem produz matéria prima que gera ureia e amônia na unidade, já que o RASF (resíduo asfáltico utilizado para produzir Ureia e Amônia) é derivado da Repar, refinaria da estatal que fica ao lado da Fafen-PR. Aos prejuízos, soma-se a queda na arrecadação do município de Araucária, que vai chegar a R$ 75 milhões anuais.

Manifestação dos petroleiros foi realizada no início do turno da manhã na Refap

A Fafen-PR

Inaugurada em 1982, a Araucária Nitrogenados (Fafen-PR) tem capacidade de produção diária de 1.975 toneladas de ureia, 1.303 toneladas de amônia e 450 metros cúbicos de ARLA 32. A planta produz ainda 200 toneladas por dia de CO2, além de 75 toneladas de carbono peletizado e seis toneladas de enxofre.

O Brasil é o quarto maior consumidor de fertilizantes do mundo e, com o desmonte da Petrobras, tornou-se ainda mais dependente das importações, o que compromete a soberania alimentar. O país importa mais de 75% dos insumos nitrogenados, na direção contrária de outras grandes nações agrícolas, cujos mercados de fertilizantes estão em expansão.

Importância da amônia e ureia na agricultura

Amônia:

– Fertilizantes: sulfato de amônio, fosfato de amônio, nitrato de amônio e ureia;

– Produtos químicos: ácido nítrico (utilizado na preparação de explosivos);

– Fibras e plásticos: nylon e outras poliamidas;

– Produtos de limpeza: detergentes e amaciadores de roupa.

Ureia:

– Também utilizado como reforço alimentar para gado;

– Fertilizante sólido na adubação de um grande número de plantas;

– São grânulos brancos que contém 46% de Nitrogênio; é o fertilizante sólido de maior concentração de Nitrogênio e, por isso, é um tipo de composto que tem como principal função fornecer esse elemento para as plantas;

– O Nitrogênio garante plantas com vigor e saudáveis;

– A ureia é usada como repositor de Nitrogênio, para que a planta possa recuperar a vitalidade e continuar saudável;

– Também utilizado para reduzir a poluição de motores diesel.

Edição: Marcelo Ferreira

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

putin

20 de janeiro de 2020 às 10h40

vai ser prejudicado o povo lá do sul e os “genios” do agronegocio, que votaram o nazista.
se eu fosse um fdp daria risada disso.

Responder

Wellington

17 de janeiro de 2020 às 19h41

Mais uma dando prejuizos…deve ser culpa dos Estados Unidos…Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

Renato

17 de janeiro de 2020 às 19h31

“denunciar o aparato entreguista instalado no Brasil, eleito com fake news”. Ainda esse mimimi de Bolsonaro ter sido eleito com fake news ? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

Deixe uma resposta