Live com Miguel do Rosário (convidado especial: Luiz Moreira)

O ataque financeiro aos sindicatos

Por Redação

29 de janeiro de 2020 : 09h44

Reportagem publicada hoje no site Poder 360 mostra a queda abrupta no orçamento das centrais e sindicatos, como consequência de leis aprovadas no governo Temer.

A CUT, por exemplo, uma das mais importantes centrais do país, e que tinha o maior orçamento de todas até 2017, quando recebeu R$ 62,2 milhões. Em 2019, recebeu apenas R$ 442 mil.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Fonzie

30 de janeiro de 2020 às 10h26

Terào que voltar a vender as gréves como faziam na época do Lula, o melhor corretor de gréves do mercado.

Responder

Andressa

29 de janeiro de 2020 às 19h31

O que os vermes dos sindicatos fazeram com esse tanto de dinheiro dos outros nos anos…?

Alguem sabe explicar…?

Responder

Wellington

29 de janeiro de 2020 às 19h29

Rindo até 2045….Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

Paulo

29 de janeiro de 2020 às 19h00

Não tenho simpatia pelo sindicalismo cartorial que se desenvolveu no Brasil, ao longo das últimas décadas. Obrigavam o empregado a pagar, além do “imposto sindical” (um dia de trabalho, descontado em março), obrigatório por lei, outros penduricalhos que, em tese, constituiriam contribuição voluntária, mas, na prática, tais e tamanhos eram os empecilhos antepostos à manifestação de oposição aos mesmos, por parte do trabalhador, que no fim caíam na mesma categoria daquele. Assim, chegavam a obrigar o patrão a descontar contribuições “negociais”, “confederativas” e até “associativas” de quem sequer era associado. Fora que, pelegos que eram, simulavam uma negociação com o patronato enquanto recebiam por fora. Ganhavam à direita e à esquerda. Uma farra! Agora, poderiam se reinventar e prestar os serviços que são sua razão de existir, desde sempre, mas…

Responder

Alan C

29 de janeiro de 2020 às 14h15

Não há santo em nenhum dos lados, a bozolândia a gente já sabe o antro de corrupção, ideologia tosca e incompetência de sobre que é, e 99% dos sindicatos estavam em conluio com o patrão.

Pede pro PT acionar o exército do Stédile…

Responder

    Bispo Maiscedo

    30 de janeiro de 2020 às 20h52

    Contra o exército de Jesus da Universal? Ótimo, com sorte os dois se matam e o Brasil se livra dessas duas organizações criminosas, o MST e a Universal. Sonhar não paga imposto.

    Responder

Andressa

29 de janeiro de 2020 às 11h54

Morro de rir vendo esses numeros…..KKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Acabou a festinha com o dinheiro de quem acorda cedo e volta tarde para casa para fazer militancia politica. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Responder

Marcos Videira

29 de janeiro de 2020 às 11h22

Se em 2018 o PT tivesse adotado uma estratégia eleitoral a la Cristina Kirchner, então a situação poderia ser diferente. Apoiadora de Lula, a CUT foi a mais afetada pela estratégia errada do PT. Todos estamos perdendo de algum modo

Responder

Deixe uma resposta