Live do Cafezinho (18h:10m): Boulos, Tatto, Orlando ou França, qual o candidato mais viável para SP?

Cena do filme A morte e a morte de Quincas Berro D'Água, baseado no livro de Jorge Amado

A morte e a morte da esquerda

Por Miguel do Rosário

12 de fevereiro de 2020 : 17h09

Não deixa de ser irônico. Para os gurus da nova direita hoje no poder, ou “extrema direita”, a esquerda está mais viva do que nunca.

Todos os grandes jornais e revistas do Brasil são de esquerda. A maioria dos servidores públicos são de esquerda. As universidades foram inteiramente dominadas pela esquerda. A ONU é de esquerda. O presidente francês, Emmanuel Macron, e sua colega alemã, Angela Merkel, pertencem à famigerada esquerda globalista. Grandes corporações da tecnologia, como Google, Facebook, Amazon, Tesla, também são esquerdistas.

Holliwood, então, é um bastião de maconheiros radicais comunistas. O Oscar para o sul-coreano Parasita é a prova.

Para os gurus do outro lado, no entanto, a esquerda morreu. Ao menos no Brasil.

E agora?

Na verdade, não se trata de uma coisa nem outra. Nem a esquerda domina o Brasil e o mundo, tampouco ela bateu as botas.

Intitulado “Como a esquerda brasileira morreu“, um artigo do filósofo Vladmir Safatle provocou o debate que o chamado campo progressista mais gosta de fazer, desde que o mundo é mundo: especular sobre sua própria morte.

O colega da página, Theo Rodrigues, procurou refutar a tese central de Safatle com alguns exemplos históricos, citações de acadêmicos e pequenas vitórias parlamentares obtidas em 2019 (correção da reforma da previdência e retirada do excludente de ilicitude do pacote anti-crime).

Publicamos também, aqui no Cafezinho, um artigo de Gilberto Maringoni, no qual ele acusa Safatle de niilismo petista; não haveria sentido em falar em morte da esquerda, diz Maringoni, sem propor nenhum tipo de solução.

Peço licença aos três autores para discordar de todas essas teses: a esquerda não morreu, como diz Safatle; a razão de sua sobrevida, porém, não é a apresentada por Rodrigues; e, por fim, Safatle aponta sim algumas soluções, embora eu desconfie que apareçam no artigo por acaso, sem que o próprio autor as tenha percebido como tal.

O suposto falecimento da esquerda brasileira me lembra o romance A morte e a morte de Quincas Berro D’Água, de Jorge Amado. O protagonista é um cachaceiro, que teria “morrido” para a família ao abandonar a vida de homem sério e trabalhador. O livro começa, porém, com sua segunda morte, a morte real, física, quando seu cadáver é encontrado num quartinho sujo de Salvador.

No caminho para o enterro, seus amigos boêmios identificam um sorriso maroto no rosto de Quincas e levam seu corpo para curtir uma última farra. A aventura acaba em tragédia, quando todos morrem num acidente de barco, e o cadáver de Quincas desaparece, o que seria uma terceira morte.

Podemos transpor a metáfora do escritor baiano à política brasileira: assim como Quincas em relação à sua família, a nossa esquerda teria experimentado uma primeira morte, de ordem “moral”, quando se viu envolvida em escândalos de corrupção. Aqui não consideraremos os excessos midiáticos e judiciais, amplamente denunciados por este blog, mas apenas suas consequências políticas.

A segunda morte, física, real, ocorreu em 2018, na derrota para Bolsonaro. E hoje vemos os amigos boêmios da esquerda brincarem com seu cadáver por aí, numa última farra.

Esperemos que a vida não imite a arte e não haja  uma terceira morte, onde todos os amigos da esquerda morram num naufrágio, e o corpo desapareça…

Aliás, é interessante refletir sobre essa curiosa transformação: até a década de 60, a esquerda era vinculada à severidade e austeridade jacobinas, e à disciplina militar e científica soviéticas. Boemia, despreocupação, libertinagem, eram associados a hábitos burgueses e aristocráticos. A partir das revoluções culturais, ou contraculturais, da década de 60, sobretudo no Ocidente industrializado, a esquerda passará a ser vinculada cada vez mais a uma postura libertária nos costumes. Olhando para esse fato à luz da história, tomo a liberdade de afirmar que isso representou a sua primeira morte, e seu nascimento como esquerda Quincas Berro D’Água.

Essa mudança não é trivial. A associação com a revolução cultural dos anos 60 torna-se um ativo simbólico importante da esquerda, mas que se transformou infelizmente numa caricatura, sobretudo porque o segundo pilar dessa revolução, e que a acompanhou, a revolução científica, não foi igualmente associado ao campo progressista. Como os grandes avanços tecnológicos do Ocidente se deram com forte investimento do Estado, e num contexto de guerra fria, onde boa parte desses recursos tinham como objetivo o financiamento da máquina de guerra, a esquerda procurou, de todas as maneiras, evitar qualquer associação com eles. A esquerda então ficou associada ao movimento hippie, mas não aos avanços da ciência da computação, da física quântica e da inteligência artificial, embora a comunidade científica por trás de todos esses movimentos sempre se tenha caracterizado como profundamente progressista e disruptiva.

No Brasil, tudo isso foi ainda mais marcante. Aqui não tivemos nenhuma revolução científica; tivemos, no entanto, uma revolução cultural profundamente associada à luta contra uma ditadura de direita.

A esquerda brasileira então também passou a ser associada aos valores da revolução cultural dos anos 60, o que desde logo se revelou uma herança dúbia do ponto-de-vista político e eleitoral. Até hoje, na cabeça de muita gente, esquerda é algo associado às canções de Chico Buarque e Caetano, e a festinhas enfumaçadas em centro acadêmicos.

É possível imaginar um empreendedor norte-americano nas áreas da ciência de informação, tecnologia aero-espacial, inteligência artificial, e que teve uma origem familiar modesta, olhando a si mesmo como alguém de esquerda. O mesmo vale para o empresário de produtos orgânicos da Califórnia ou da Suécia, com faturamentos anuais crescendo 20% ou 30% ao ano. É difícil, no entanto, conceber que o dono de uma indústria de biscoitos, ou de embalagens plásticas, no interior de São Paulo, ou o proprietário de uma grande fazenda de soja, sejam pessoas identificadas com as causas progressistas.

Nos EUA, justamente por constituir o maior império tecnológico e cultural da história, com oferta crescente de empregos e oportunidades nos quais se exige, ao invés de disciplina e subserviência, virtudes criativas, disruptivas e libertárias, há um espaço muito maior para que a esquerda (associada desde os anos 60 a essas virtudes) amplie sua participação no mundo do trabalho, da política e da economia. Entretanto, mesmo lá, essa associação também tem seu preço. A maioria da classe trabalhadora americana não trabalha em Holliwood, nem no Google, nem em centros de pesquisa em cibernética de Massachusetts. Em sua maioria, são pessoas que precisam acordar muito cedo, exercer trabalhos duros que exigem quase nenhuma criatividade, e manter, à custa de uma disciplina inimaginável para um intelectual de Nova York, um nível de poupança suficiente para pagar a saúde e a educação futura de seus filhos.

Se a esquerda americana enfrenta tantos desafios mesmo contando com essas vantagens estratégicas, a situação no Brasil é muito mais grave.

Aqui não temos Holliwood. Aqui a alta cultura, a pesquisa e as universidades são direta e completamente dependentes do Estado, e isso também não ajuda a esquerda.

Quando o conservadorismo consegue se vincular aos valores de disciplina, ordem, limpeza, ética, é evidente que ele se torna o ideal popular, porque são essas as virtudes mais fundamentais para as classes trabalhadoras.

Neste aspecto, até a semântica ajuda a direita; de um lado temos o que é “direito”, “right”, ou seja, correto, ordeiro, ético; de outro lado, temos a esquerda, que representa o que mesmo? O sonho, a aventura, o risco, a imaginação?

Não é de se admirar que a ideologia de esquerda tenha se tornado quase uma característica geracional dos jovens, algo como uma ingenuidade que vamos perdendo conforme amadurecemos. Tudo isso se reflete, a propósito, nas pesquisas de aprovação ao governo Bolsonaro, nas quais o apoio dos mais velhos permanece elevado e estável.

Se é assim nos EUA, onde há uma imensa classe média progressista, culta, disruptiva, ansiosa por novas revoluções tecnológicas, para as quais não apenas se sente preparada, como acredita que representarão oportunidades de empregos ou empreendimentos de alto nível, o que será do Brasil, onde não temos nenhuma classe média desse tipo?

Em virtude da altíssima instabilidade econômica e política do país, do atraso tecnológico, do subdesenvolvimento, as nossas classes mais instruídas, que representam um percentual pequeno da sociedade, acabam valorizando a estabilidade no emprego e a segurança econômica, mais do que a invenção e o conhecimento. E assim nasce a obsessão de nossos melhores cérebros por uma vaga no serviço público, independente de sua vocação pessoal.

Voltemos ao debate sobre a morte da esquerda brasileira. Na verdade, a acepção é absurda. Esquerda e direita, se entendidos de maneira mais profunda, mais filosófica, são aspectos ontológicos fundamentais do pensamento humano. São dois lados da mesma moeda.

Não existe direita sem esquerda, e vice versa. Não é a tôa que o bolsonarismo precisa, diariamente, alimentar a lenda de uma esquerda superpoderosa infiltrando-se por toda a parte, nas famílias, nas escolas, nas universidades, nos governos, no mundo inteiro.

A esquerda brasileira, por sua vez, também precisa da direita para alimentar sua ação política; daí sua irritação e suspeição contra o “centro”, que é um espaço onde ela receia perder a razão de sua própria existência.

Independente dos excessos, paranoias e narrativas de cada um, esquerda e direita continuarão a existir, eternamente, enquanto a humanidade for governada pela política, por causa dessa tendência profunda da nossa inteligência, talvez da própria biologia, talvez da própria matéria, em dividir-se em dois. Hoje se sabe que a toda partícula corresponde uma antipartícula: há o próton, e há o antipróton, o elétron, e o antielétron, o quark e o antiquark, a matéria e a antimatéria.

A polarização elétrica das partículas, por sua vez, com cargas positiva e negativa, é um fato provado da física.

Todos os nossos conceitos são baseados em dicotomias. Carl Schmitt explicou, em seu clássico O Conceito do Político, que a inteligência humana entende o domínio estético como uma dicotomia entre belo e feio, e o domínio moral como entre bom e mau; o político seria, portanto, uma dicotomia entre amigo e inimigo.

Uma teoria de esquerda ou de direita ainda está por ser escrita, mas está claro que ambos os conceitos são fluidos, modificando-se conforme a época, a geografia, e a subjetividade de quem os formula.

Norberto Bobbio costuma relacionar a esquerda a uma preocupação com a desigualdade e a injustiça social; pensadores como Hayek, entre outros, associam a direita à liberdade individual. Pensados assim, são conceitos complementares.

Ao explicar a crise mortal da esquerda brasileira, Safatle incorre, no entanto, numa explicação duplamente vulgar: de um lado, denuncia a decisão dos governos de esquerda, desde João Goulart, de pactuarem com setores da burguesia nacional (“mistura de Friboi com MST”, diz ele); de outro compara nossa inação ao suposto sucesso da esquerda francesa, que há meses se mobiliza contra uma reforma da previdência proposta pelo governo.

Ora, nem o primeiro exemplo é modelo de fracasso, nem o segundo, de sucesso. A esquerda brasileira, se vista desde suas primeiras vitórias, com Vargas em 1930 (não é correta a associação entre esquerda e democracia; a esquerda também pode ser autoritária e antidemocrática; o mesmo vale para a direita), conseguiu desenvolver fórmulas políticas muito bem sucedidas no campo do desenvolvimento econômico. O diálogo com setores econômicos é evidentemente fundamental. Não foi esse o erro de João Goulart, nem de Lula. O erro do PT não foi ter criado espaços de diálogo com grandes empresas. Aliás, foi o contrário. O PT não soube proteger as grandes empresas nacionais. O monstro burocrático que destruiu tantas grandes empresas, muitas delas estratégicas, foi cultivado pelo PT, com suas nomeações desastrosas para tribunais superiores e para o PGR, e as leis anticorrupção mal formuladas; esses erros deram origem a todo o tipo de abuso judicial, incluindo aí abusos da Justiça americana contra empresas brasileiras.

Quanto aos erros de Goulart, não foram os apontados por Safatle, citando Marighella. O erro da esquerda dos anos 60 foi não ter ouvido as ponderações de um jovem intelectual chamado Wanderley Guilherme dos Santos, que já havia previsto o golpe num livreto de 1962. Leonel Brizola, em entrevista ao Canal Livre, em 1980, faz a autocrítica definitiva da esquerda brasileira da época: não levou em consideração a necessidade de ganhar a confiança da classe média, não tomou os devidos cuidados com os avanços do imperialismo, e se deixou associar, imprudentemente, mesmo que apenas de maneira simbólica, a alguns setores extremistas da pequena burguesia.

Quanto à esquerda francesa de hoje, não é nenhum exemplo de sucesso. A França é o país onde a extrema direita avança mais rapidamente, e onde há uma esquerda muito envelhecida, que tem enormes dificuldades de formulação e inovação, preferindo se refugiar no papel confortável de ser apenas uma força de resistência conservadora à qualquer reforma.

Essa resistência é um papel importante, fundamental mesmo, mas é uma força conservadora. Seu objetivo é conservar as coisas como estão hoje, porque se entende que isso é melhor do que mudanças para pior.

É o mesmo papel que a esquerda exerce no Brasil, com menos barulho. Entretanto, a direita facilmente põe isso na “conta”. Basta fazer como fez o governo Bolsonaro: envia uma proposta muito reacionária ao congresso, justamente para que a esquerda se oponha, horrorizada, e acabe cedendo a uma versão melhorada da mesma proposta. E assim todos podem alegar “vitória”: a direita, porque aprovou uma reforma da previdência; a esquerda, porque teria trabalhado para reduzir os danos.

Essa “prova de vida” da esquerda, apresentada por Rodrigues, portanto, não me convence.

A função ativa, com isso, é exercida pela direita, porque a esquerda perdeu a capacidade criativa de formular um novo Direito do Trabalho e um novo Direito Previdenciário.

No Brasil, o que vemos? Uma esquerda formada principalmente por servidores públicos, herdeiros e youtubers milionários fazendo proselitismo diário contra tudo e contra todos, mas com pouca energia e disposição para organizar um debate científico sobre as novas relações de trabalho que as tecnologias vem impondo ao mundo.

Safatle aponta as contradições da esquerda, cujos governadores vem aprovando draconianas reformas da previdência em seus estados, enquanto seus partidos vociferam contra a reforma aprovada no congresso, inclusive expulsando parlamentares que decidiram votar em favor dela.

O exemplo de Safatle é emblemático. Esse debate sobre previdência vem engolindo a esquerda desde muitos anos, e sempre a dividindo: de um lado, temos a esquerda parlamentar, grande parte da qual tem como principal base política sindicatos de servidores públicos; de outro, temos a esquerda no governo, que precisa abrir espaço fiscal para fechar suas contas e realizar um mínimo de investimento.

Quando está no governo, a esquerda usa todo o seu capital político para convencer sua militância de que a reforma é necessária; quando está na oposição, faz o contrário; sendo que, na última condição, há sempre a situação esquizofrênica, como apontou Safatle, de ser oposição ao governo federal, mas ser governo em alguns estados.

Este é o ponto mais delicado no debate, porque a esquerda fez uma campanha contra a reforma da previdência sem nenhum esforço para agregar inteligência e informação, de maneira que o debate ganhou uma conotação puramente moral, de luta do bem contra o mal. Isso obviamente deixou os governadores em situação delicada, forçando-os a fazer suas próprias reformas de maneira quase clandestina, lastreados apenas nesse apoio puramente partidário e fisiológico de sua própria militância.

Haverá um momento em que a esquerda precisará abandonar essa postura dúbia: o mundo do trabalho está completamente transformado. É preciso enfrentar corporativismos e fazer reformas constantes da previdência. Não há tanto mistério, basta se olhar os modelos mais bem sucedidos no mundo e copiar. Para isso, no entanto, é preciso fazer um debate esclarecido, baseado em informações, e não em slogans de guerra.

A propósito, as decisões do PDT e PSB de “fecharem questão” no caso da reforma da previdência foram completamente contrárias ao discurso de “oposição propositiva”. Se um partido fecha questão, ele neutraliza a capacidade de seu parlamentar de levar adiante qualquer tipo de negociação visando a melhora de um projeto. Deve-se fechar questão apenas em casos realmente dramáticos, como uma votação sobre entrada do país numa guerra. A consequência desse erro foi traumática para os dois partidos.

As soluções propostas pela esquerda são sempre velhas, tradicionais,  frequentemente impraticáveis, tipo “imposto sobre grandes fortunas”. Alguns agentes políticos parecem não mais se importar muito com a viabilidade política do que propõem.

A implementação de impostos sobre grandes fortunas não foi feita num governo de esquerda, por falta de condições políticas, então obviamente não será realizada numa administração tão radicalmente conservadora como a de Bolsonaro.

(Na verdade, em se tratando de justiça fiscal, a melhor solução é aplicação de impostos sobre grandes heranças, e não fortunas, porque as heranças são muito mais difíceis de serem escamoteadas; impostos sobre movimentação financeira acima de determinado valor também são bem mais práticos).

Entretanto, há uma série de avanços tributários que podem ser aplicados no Brasil: uso de ferramentas tecnológicas que permitam uma redução drástica da evasão fiscal no país; incentivos tributários ao emprego formal; simplificação máxima da tributação; maior rigor contra grandes sonegadores e mais tolerância com os pequenos.

Há uma série de iniciativas que poderiam ser conduzidas sem grandes obstáculos políticos.

A questão tributária obviamente é central para o desenvolvimento nacional, e por isso mesmo seria importante que os agentes políticos do campo progressista estivessem envolvidos num debate sério sobre o tema, discutindo soluções que pudessem ser encaminhadas e aprovadas pelo congresso nacional.

Naturalmente, temos um outro problema de ordem política (e um pouco de ordem eleitoral também): os deputados de esquerda não querem ser vistos apoiando qualquer medida que possa beneficiar o governo. Periodicamente, os lacradores de redes sociais divulgam estatísticas que mostram o percentual de apoio de cada parlamentar ou partido a projetos encaminhados pelo Executivo, de maneira que se cria uma pontuação “ideológica”, onde aqueles que jamais votaram em favor de qualquer projeto do governo serão os campeões da esquerda.

Para os partidos e parlamentares, contudo, que levarem a sério o conceito de fazer uma oposição propositiva, por mais doloroso e impopular (dentro de algumas bolhas) que isso seja diante de um governo liderado por um presidente com o caráter de Jair Bolsonaro, será preciso fazer política da maneira mais madura e pragmática possível. Há uma brecha importante na atual conjuntura, que é a disposição do legislativo de manter uma postura de autonomia e independência em relação ao Executivo, além da disposição do próprio Executivo, apesar das terríveis características de alguns de seus membros, de respeitar a independência do parlamento, e de estimular a desconcentração de poder e recursos em favor de estados e municípios.

Ao mencionar uma das razões da morte da esquerda brasileira, Safatle na verdade dá a linha para que ela possa renascer. É uma coisa que eu já publiquei por aqui e gostaria de acreditar que ele pescou a ideia no Cafezinho: Safatle lembra que a esquerda governa muitas cidades e estados, e que, em 2019, esperou-se que, dessas administrações, emergissem modelos de governança e projetos de desenvolvimento que pudessem ser usados politicamente por todo o campo progressista.

Pois é, Safatle. É exatamente isso. Onde estão esses projetos? Sabemos que o governo do Maranhão vem fazendo muita coisa interessante. Cadê a “união da esquerda” que não ajuda Flavio Dino a mostrar o que tem feito?

Entretanto, comunicação requer também iluminar os problemas, os vícios, os erros, para ajudar os governos a corrigirem-nos. Se a esquerda confundir comunicação com propaganda, cometerá outro grave erro.

Onde está o Consórcio do Nordeste? O que ele faz, do que se alimenta? Onde estão todos os milhares de prefeitos, vereadores e deputados de esquerda? Como falar em “união da esquerda” se não se discute nenhum projeto que possa ser efetivamente implementado ou defendido de maneira coletiva por essas administrações e parlamentares?

Sobre o artigo de Theo, me parece evidente que a esquerda não vai renascer através de narrativas acadêmicas complicadas. O povo não está interessado se a esquerda adotará o discurso deste ou daquele intelectual francês. O povo quer ação. E para haver ação, é preciso projeto. Onde está o projeto de desenvolvimento, onde está a teoria econômica, onde estão as iniciativas reais nas prefeituras e estados?

O debate sobre nomes (Ciro? Lula? Dino? Haddad?) apenas serve para atiçar divisões, fragilizando todo o campo progressista. O debate precisa se dar em torno de projetos, e para isso é preciso investir em inteligência: os partidos progressistas, ao invés de papo furado sobre “união de esquerda” podiam criar um fundo para financiar pesquisas, seminários, livros e vídeos, sempre focados na discussão de um projeto nacional. Fala-se na necessidade de se reindustrializar o país. Como fazer isso? Fala-se nos problemas de comunicação? Como melhorar o sistema nacional de comunicação sem que isso implique em acusações de “chavismo” que apenas paralisam o debate? Qual a melhor reforma política, que dê mais segurança à nossa democracia, e que igualmente evite qualquer acusação de autoritarismo? Como melhorar o nosso sistema de justiça, evitando crises como a que vivemos nos últimos anos?

Tudo isso exigirá, naturalmente, uma severa autocrítica de todos os erros cometidos nos últimos governos progressistas. Me parece, contudo, a única saída viável para reestabelecermos um núcleo duro político, capaz de, aos poucos (ou rapidamente, quem sabe), reconquistar o prestígio social que um dia teve, e voltar a ganhar eleições.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

65 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Fernando Moraes

04 de maio de 2020 às 08h48

Excelente análise.

Responder

Ioiô de Iaiá

17 de fevereiro de 2020 às 11h47

Boa análise, Miguel.
Com certeza, a esquerda não morreu. Parafraseando em parte o Veríssimo, quem tem olhos, ouvidos e um pouco de capacidade de reflexão não tem como não ser de esquerda no Brasil. Como bem disse o NeoTupi (com comentários sempre excelentes), o Haddad perdeu por pequena margem, mesmo tendo toda a nossa horrível mídia e as classes dominantes contra ele e a esquerda. Jogo jogado e bola pra frente, mesmo com juiz (Judiciário) ladrão.
Para mim está claro, que a esquerda precisa cooperar, não contar com um únicosalvador da pátria e utilizar melhor a Internet e mídias sociais, já que com a mídia dominante ela não vai arrumar nada.

Responder

Luiz

15 de fevereiro de 2020 às 23h15

A expressão “oposição propositiva” é eleitoralmente infeliz. É possível que soe melhor nas palavras de Nancy Pelosi. Mas aí já seria outra conversa. A esquerda não parecerá convincente sem deixar mais claro o papel do estado na sociedade que almeja. O que é o estado para a esquerda?

Responder

    Andressa

    15 de fevereiro de 2020 às 23h41

    Uma mamadeira.

    Responder

      Angelo Annunziato

      16 de fevereiro de 2020 às 19h07

      Falou pouco, porém disse tudo!

      Responder

      Gilmar Tranquilão

      16 de fevereiro de 2020 às 19h40

      Sim, uma mamadeira, aquela de pir*oca que a direita ridícula inventou e nunca existiu kkkkkk

      Responder

        Abdel Romenia

        17 de fevereiro de 2020 às 06h33

        Tá com saudade da sua né ? Kkkkkkkk

        Responder

        Wellington

        17 de fevereiro de 2020 às 06h37

        A sua tiveram que tirara a força com os 18 anos. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Responder

          Gilmar Tranquilão

          17 de fevereiro de 2020 às 09h51

          Esqueceu o comentário do andressão, mula…kkkkkkkkk

      Luiz

      16 de fevereiro de 2020 às 22h08

      Uma?

      Responder

    Evandro Garcia

    16 de fevereiro de 2020 às 16h33

    O único concentrador de renda no Brasil é o Estado, que além de ser falido completamente arrecada trilhões por si memso e não devolve nada deixando os brasileiros na miséria.

    Responder

      Luiz

      16 de fevereiro de 2020 às 23h31

      O INSS também é um privilégio?

      Responder

        Evandro Garcia

        17 de fevereiro de 2020 às 06h36

        Não. Que pergunta é essa ?

        Quem falou de privilégios ?

        Responder

          Gilmar Tranquilão

          17 de fevereiro de 2020 às 09h56

          Silêncio!! Ninguém fala de privilégios, a elite não gosta dessa conversinha.. kkkkkkkkkk

NeoTupi

15 de fevereiro de 2020 às 20h44

Haddad teve 47 milhões de votos (contra 58 do Bozo). Virasse 5,5 milhões de votos e a esquerda estaria de volta presidência (não digo de volta ao poder, porque o Congresso e o Judiciário conservadores limitam bastante o poder de um presidente de esquerda). Qualquer análise política racional prevê com altíssima probabilidade um candidato de esquerda no segundo turno em 2022. Então onde a esquerda está morta?
E de onde você tirou a ideia de que a esquerda não tem propostas? Podem estar dispersas, não ter uma bandeira unificada, mas tem. Ex: Há anos as centrais sindicais defendem redução da jornada de trabalho sem diminuição de salário. Como a esquerda deveria defender as “novas formas de trabalho” onde um engenheiro desempregado pela lava jato que trabalhava 8 horas, agora tem que “empreender” 12 horas diárias no Uber para ganhar menos? Como defender um “emprego moderno” no ifood, pedalando de bicicleta 10 a 12 horas por dia para tirar R$ 1300 por mês, para ter que pagar previdência se quiser aposentar um dia, poupar 118 por mês se quiser ter férias de 30 dias, pagar ônibus ou trem de ida e volta se morar muito longe para vir pedalando?

Responder

    NeoTupi

    15 de fevereiro de 2020 às 20h47

    Quero lembrar também que Macri tinha “matado” a esquerda na Argentina. Quatro anos depois…

    Responder

    NeoTupi

    15 de fevereiro de 2020 às 21h02

    Na realidade o maior desgaste de políticos tradicionais de esquerda está em fazer parte do establishment do sistema político arraigado de privilégios que está demonizado.
    Nisso a esquerda precisava inclusive dar exemplo e cortar na carne. Se eu tivesse influência em um partido de esquerda, eu já faria a campanha municipal defendendo a redução das desigualdades com redução de salário de vereador igual ao de um professor primário iniciante da rede municipal ou fixar no próprio salário mínimo, e eliminar todo tipo de privilégio (plano de saúde privado com dinheiro público, por exemplo). Diria para o eleitor: se você quer que isso aconteça você tem que votar nos vereadores do nosso partido, porque se não formos eleitos em maioria os outros não aprovarão. Também introduziria eleição direta para Administradores regionais (sub-prefeitos) nas metrópoles, através de uma lista sextupla com candidatos de partidos da base governista eleita, implantaria orçamento participativo pela internet, enfim traria mais democracia direta para trazer o cidadão para a participação política.

    Responder

      Andressa

      15 de fevereiro de 2020 às 23h43

      Kkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Conte mais piadas para a gente rir mais um pouco kkkkkkkkkkkkkk

      Responder

        Gilmar Tranquilão

        16 de fevereiro de 2020 às 15h12

        Calminha Gleisi, a semana ainda vai começar kkkkkk

        Responder

Gilse

15 de fevereiro de 2020 às 17h38

Miguel, artigo excelente!

Responder

A Realidade é muito triste .

14 de fevereiro de 2020 às 18h01

Aceitou ate comentarios como vai tomar no huuu rsrs
E o meu porque critiquei a republica das ratazanas com sua nadega direita e esquerda ai exclui
Ta parecendo o galinha curintiano do dcm
Que aprendeu excluir comentarios que não ficam entre esquerda e direita
Por isso a esquerda ta morrendo mas ta morrendo abraçada a direita
Dois lixo o povo so quer as armas de volta o resto não importa mais

Responder

O Alquimista

14 de fevereiro de 2020 às 17h56

O PT está para a esquerda assim como Bolsonaro está para a democracia.

Responder

CARLOS ALBERTO RANGEL

14 de fevereiro de 2020 às 17h46

Um zumbi é morto, vivo, ou morto-vivo? Pois bem.. a depender da resposta teremos a real situação da esquerda no Brasil. Trata-se de um zumbi. E por que? Porque insiste em NÃO aceitar que durante décadas a esquerda ficou (e ainda permanece) nas mãos sujas de UM indivíduo, tratado como um deus pela esquerda. Enquanto a esquerda insistir neste comportamento canino devotado a um indivíduo comprovadamente criminoso, a esquerda vai continuar …. zumbi!

Responder

Realidade

14 de fevereiro de 2020 às 15h22

Sem maldade mas nem esquerda e nem direita estão mortas
Elas apenas são nadegas do mesmo trazeiro .
Da republica das ratazanas apatridas etc e tal .
A esquerda que ficou viva era a x9 dos que morreram
A direita só tem nome direita são entreguistas e americanofilos nem a le pen francesa bota fé em entreguistas tupinics
A unica coisa que vc acertou foi os nomes que o PT botou no comando do judiciário um pior que o outro esses sim elite das elites cheirosos
A esquerda é exploradas pelos clintons
A direita é serviçal dos buchs
O que o Brasil caiu foi que o android pescou todos politicos brasileiros todos
Eles procuraram apenas colocar no poder o mais servil o mais capacho o mais interventor americano possivel pronto .
O Pt mexeu por acaso nas forças armadas Não pobre entra como soldado e rico entra pela aman
O pt mexeu no judiciario não listinha da panelinha tríplice
O pt mexeu nas urnas eletronicas em que existem documentarios americanos mostrando falhas erros mentiras absurdas não
O que o pt mexeu lula achou que era o cara obama enrolou ele nisso ciro gomes esta correto
Resumo lula deu maior mancada ao inves de marta a sem alegria da dilma
Deixou dirceu tomar rasteira
Fez estadio para o curintia na patria de chuteira queimou o filme do pt em sao paulo
E para piorar tudo o brasileiro votou junto sobre o não desarmamento
Pode procurar ai a eleiçao que mais votaram juntos 65 por cento
Lei feita por um senador pmdb no governo do entregas tudo henrique cardoso
E essa esquerda puritana hoje bate palma para eletizaçao das armas
A dilma fala na onu sobre os estados unidos estar gansando o brasil sna
Mas nao faz um computador central para nossas conversas ficarem no pais e ainda diminui o valor de guerra cibernética das forças armadas
Ate o snoudem grita la da russia ligou para o lula em um telefone sem criptográfia ela é responsavel uns 60 por cento lula não é dono do PT e eu voto no pt por ser mais organizado
Mas na real essa republica é nivelada por baixo
Voto no pt mas sei que o ciro poderia ganhar sim se o lula fosse humilde
Essa geise rofiman rsrs tambem nao vou com a cara rs

Responder

José Ricardo Romero

14 de fevereiro de 2020 às 08h34

Excelente texto, Miguel. Estou indicando a leitura para quem eu conheço. Esta percepção da história está muito bem colocada. Parabéns.

Responder

putin

13 de fevereiro de 2020 às 19h14

este blog se tornou mais uma midia da propaganda infame liber-fascista, graças a um unico comentarista psicopata, multiplicado por 132 nicknames, punheteiro falido desocupado paraCita (como diria o amigo dele daquele ministerio) que passa a vida fazendo 435 comentarios por dia.
MIGUEL, fecha o blog, é melhor.

Responder

    Wellington

    14 de fevereiro de 2020 às 10h39

    Vai tomar no cù gringo. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder

      Alan C

      14 de fevereiro de 2020 às 11h06

      Que isso Gleisi?! Perdendo a linha?? kkkk

      Responder

      Alexandre Neres

      14 de fevereiro de 2020 às 13h38

      Depois as más línguas ainda criticam o Wellington pelo seu português ruim. Ora, se o ministro da justiça fala daquele jeito, agredindo o vernáculo a torto e a direito… De tanto mostrar o traseiro, o mentor da Andressa criou um neologismo, craseando o ú, o que comprova cabalmente sua capacidade criativa.

      Responder

Raja Natureza

13 de fevereiro de 2020 às 11h50

Brizola, o criador de miseráveis, era latifundiário, morava na av. Atlântica de frente para o mar e seus idólatras o dizem de esquerda. Nunca haverá imposto sobre fortunas!

Responder

    Alexandre Neres

    13 de fevereiro de 2020 às 13h25

    Mais uma das caras do Wellington. Sempre vomitando asneiras e defendendo o interesse dos ricos. Lambe-botas que abaixa tanto o corpo que acaba mostrando o traseiro.

    Responder

      Alan C

      13 de fevereiro de 2020 às 15h23

      No caso de mostrar o traseiro é a versão andressa do bozotário lambe-botas…kkk

      Responder

    Wellington

    13 de fevereiro de 2020 às 16h15

    E depois de taxar as fortunas o que muda ?

    São as asneiras ideológicas de sempre, nada mais.

    Responder

    Evandro Garcia

    14 de fevereiro de 2020 às 08h42

    Boa. Kkkkk

    Responder

maria do carmomGoverno

13 de fevereiro de 2020 às 10h58

O despreparado miliciano bolsonaro conseguiu reunir nos ministerios o que temos de pior na politica. e os oportunistas de plantao em busca de preencher suas sanhas dinheiristas, apoiam e dizem amem… vide guedes so absurdos nao gosta de trabalhador e pobre, estamos voltando ao regime escravagista trabalhador tem que trabalhar direto sem direitos nao podem ganhar o justo, nao tem direito de ir e vir, guedes que esta envolvido em corrupcao no fundo de pensoes, mexeu na previdencia que prejudicou os menos favorecidos, estamos sendo governados por uma quadrilha doida varrida que deveriam estar num manicomio, o Brsail vai virar po, vai chegar no bolso de quem votou no imbecil bolsonaro os ricos gananciosos peconceituosos!!!

Responder

Antonio Morais

13 de fevereiro de 2020 às 06h24

Ótimo texto Miguel.Estava sentindo falta das suas análises. Acho também que os partidos de esquerda deveriam ajudar financeiramente (e/ou com advogados) os “blogueiros sujos”. Vocês ajudaram muito os progressistas e podem ajudar muito mais com mais dinheiro e tranquilidade para trabalhar. O PIG recebe muito dinheiro da direita. Por que vocês não?

Responder

    Wellington

    13 de fevereiro de 2020 às 07h48

    O dinheiro dos outros acabou.

    Responder

      Carlos Marighella

      13 de fevereiro de 2020 às 08h53

      Não acabou não, pelo contrário, aumentou.
      Ano passado aprovaram o aumento do fundo partidário, que passou para quase 1 bi, isso sem contar com o fundo eleitoral que foi pra quase 2 bi. Dinheiro é o que não falta.

      Responder

        Wellington

        13 de fevereiro de 2020 às 08h55

        O dos “outros” voce sabe muito bem qual é.

        Responder

          Carlos Marighella

          13 de fevereiro de 2020 às 10h12

          Wellington, a fonte é mesma, e é uma montanha absurda de verba que, diga-se de passagem, foi aprovada não fazem 6 meses pelo congresso.

          E só uma correção, eu falei que o fundo eleitoral é 1 bi, na verdade são 3,8 bi, o congresso aumentou no finalzinho do ano, ou seja, a montanha é maior ainda.

          Eu tb sou contra, mas a vigência é essa, esse é o Brasil.

          Wellington

          13 de fevereiro de 2020 às 11h13

          Repito: o dinheiro dos “outros” que brotava nos cofres do PT e Cia voce sabe muito bem qual é.

Luiz

12 de fevereiro de 2020 às 21h28

“Deus” escreve certo por linhas tortas?

Responder

Francisco

12 de fevereiro de 2020 às 20h54

A decadência do projeto liberal e neoliberal atinge a todo o planeta, vide a vitória de trump, erdogan e do primeiro ministro do brexit, todos com discursos anti científicos e cheios de mentiras, agora o que vigora é o ultra liberalismo e a ausência de humanidade no que inevitavelmente será a falência do capital nesses projetos
A esquerda liberal, assim como a direita liberal sentiu o baque dessa mudando de paradigma, mas, afinal o PT é esquerda ou está tentando ganhar sua posição liberal no mercado?
Perguntas e respostas que se seguem a paradigmas incompreendidos pelos liberais esquerdistas, mas totalmente compreendido pela direita liberal que vai sobrepujar a esquerda após a falência do governo bolsonarista
Com seu discurso pelos pobres, mas sem solucionar a pobreza apoiando o governo até outro golpe, dessa vez nas urnas
Vide Huck e cia

Responder

Alan C

12 de fevereiro de 2020 às 19h13

Bom texto, só não simpatizo muito com essa narrativa do coitadismo como se a esquerda (?) fosse a razão de todas as mazelas do universo, fica meio chato isso.

Apenas duas ressalvas:

1) O fechamento de questão foi apenas em relação à discordância do projeto original.
Paulo Guedes, na talvez única demonstração de humildade e subserviência ao Brasil, chamou o PDT para propor ideias para a previdência e o partido “emprestou” Mauro Benevides Filho.
Além disso, lembro de vários debates em plenária com o deputado André Figueiredo com o auxílio de outros deputados da base progressista, portanto houve sim discussão.

2) Falou do imposto sobre grandes fortunas, mencionou o imposto sobre heranças, mas senti falta do imposto sobre lucros e dividendos, que é praticado por 99,8% do mundo e não seria “impraticável”.

Responder

    Redação

    12 de fevereiro de 2020 às 19h42

    Sim, bem lembrado sobre esse. Mas acho meio impraticável nesse momento bolsonaro. Talvez depois.

    Responder

    Matheus

    13 de fevereiro de 2020 às 15h12

    Senti falta da correção da tabela do imposto de renda e do fim da pejotização. A tabela brasileira é uma piada. Fiz simulações usando o excel e é notório como o percentual pago escala rapidamente entre a primeira faixa e a última, quer dizer, entre 1 e 7 mil, e daí suaviza a curva. A tabela atual é milimetricamente planejada para penalizar a classe média e desonerar os ricos. Bozo prometeu corrigir, e nada. Não vi a esquerda parlamentar batendo nesse estelionato eleitoral que ele fez com a classe média.

    Responder

      Paulo

      13 de fevereiro de 2020 às 18h28

      Após o Porco Guedes ter feito o seu trabalho, não sobrará quase ninguém de classe média. Como não dá pra expropriar mais os pobres, o Governo do Bolsonabo quer agora expropriar a classe média. E os restaurantes seguem vazios de dar dó…

      Responder

        Marcio

        14 de fevereiro de 2020 às 09h52

        É bom lembrar que a classe média, de forma geral, votou no Bolsonaro e fica se sentindo, mesmo não fazendo o menor sentido, numa saia justa de reclamar, tanto pq acredita na baboseira bolsonarista de que se reclamar, o PT volta.

        Responder

          Paulo

          14 de fevereiro de 2020 às 18h09

          O drama dos bolsonaristas arrependidos – e, eu acrescentaria, do Brasil – é que não surge um nome alternativo para evitar a volta da ideologia de gênero, do abortismo, do feminismo radical, da pauta cultural da esquerda, do Foro de São Paulo, enfim…

          Abdel Romenia

          15 de fevereiro de 2020 às 08h32

          Como chegaram a essas conclusoes se a reforma tributaria ainda nào foi apresentada…?

Miramar

12 de fevereiro de 2020 às 19h03

Incrível…todos os comentaristas abaixo (com exceção da “redação”) atestaram profunda falta de honestidade intelectual mínima, aliado a uma profunda preguiça mental. Desde o “esquerdista verdadeiro” que deseja a miséria de seus semelhantes para colher dividendos políticos; dando-se o direito inclusive de dizer quem tem cara de stalinista ou não (mais stalinista impossível), até a direita mais burrinha que sequer sabe quais eram as conhecidissimas posições políticas de Einstein.
A teoria da ferradura de Hannah Arendt prova-se correta mais uma vez. E olha que me considero progressista.

Responder

    Alan C

    12 de fevereiro de 2020 às 19h17

    Miramar,

    Todos os comentários abaixo, exceto o da Redação, são do mesmo doente mental, por isso.

    Responder

Psilocibes Cubensis

12 de fevereiro de 2020 às 18h17

Não precisa de nada disso , deixa o neoliberalismo fazer o trabalho dele , transformar pequenos empresários em assalariados , assalariados em miseráveis etc , aí a esquerda volta ao poder.
O neoliberalismo no poder é fruto do sucesso petista que gerou milhões de ex pobres que acham que ” se fizeram por si próprios”.
O fato de ser um neoliberalismo autoritário aí sim é nossa culpa , muitos militares que hoje estão com Bolsonaro deveriam estar na cadeia por seus crimes.
Quanto as críticas a esquerda libertária tinha um velho barbudo na mãe Rússia que dizia: Socialismo sem liberdade é escravidão e brutalidade.
Miguel do Rosário sempre teve cara de stalinista , deve estar torcendo contra o Bernie Sanders.

Responder

    Redação

    12 de fevereiro de 2020 às 18h32

    Eu, stalinista? Cada hora você fala uma coisa.

    Responder

Wellington

12 de fevereiro de 2020 às 17h42

Esquerdismo é um transtorno mental e quando o sujeito consegue sarar se torna pior do que era antes.

Responder

    Redação

    12 de fevereiro de 2020 às 17h52

    Não, Wellington. Esquerdismo é uma condição natural e saudável. Grandes pensadores foram de esquerda, como Einsten.

    Responder

      Wellington

      12 de fevereiro de 2020 às 17h56

      Até Einstein conseguiram rotular ? Kkkkk

      Confirmou o que eu disse, esquerdista precisa rotular tudo como de esquerda ou menos, além de ridículo é um distúrbio mental.

      Responder

      Andressa

      12 de fevereiro de 2020 às 18h22

      Boulos também é de esquerda….Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder

      Renato

      12 de fevereiro de 2020 às 19h49

      Pois é , grandes pensadores foram de esquerda. Só não conheço um único e mísero realizador de esquerda. Não empregadores de esquerda….só pensadores !

      Responder

      Evandro Garcia

      12 de fevereiro de 2020 às 19h50

      “Grandes pensadores foram de esquerda.”

      Nào è a toa que filosofos e intelectuais sejam uma praga da humaniade.

      Responder

        Paulo

        12 de fevereiro de 2020 às 21h09

        Mas a Sólon (estadista, jurista e poeta) se atribui a criação da (ideia de) democracia, na Grécia clássica, enquanto grandes filósofos como Platão e Aristóteles eram contrários (vai vendo!)…Desse jeito, você condenará a “mãe das ciências”, a filosofia, ao limbo que Bolsonabo desejaria renegá-la. Você não percebe mas se aproxima assim do pensamento autoritário…

        Responder

          Evandro Garcia

          13 de fevereiro de 2020 às 07h24

          Vai dormir Zé Ruela.

    Alan C

    12 de fevereiro de 2020 às 19h15

    Só observando….

    Responder

Deixe uma resposta