Coletiva de Rodrigo Maia (ao vivo) sobre medidas contra a crise

Classes mais baixas e trabalhadores informais estão entre os que mais podem sofrer consequências indiretas durante a pandemia –

Pandemia de coronavírus deverá aumentar número de pobres

Por Redação

26 de março de 2020 : 20h22

A professora Marta Arretche (FFLCH) prevê redução dos fluxos econômicos, ocasionando aprofundamento da desigualdade social, com nova legião de pobres
Foto: reprodução TV/USP

USP – jornal —  Diante da pandemia de coronavírus, não só o sistema de saúde nacional é alvo de atenção. A economia parada devido ao isolamento social preocupa entidades internacionais, como a Organização das Nações Unidas (ONU), pela possibilidade do aprofundamento da desigualdade social e da formação de uma nova legião de pobres.

Marta Arretche, professora do Departamento de Ciência Política da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) e pesquisadora do Centro de Estudos da Metrópole (CEM) da USP, contou ao Jornal da USP no Ar o porquê dessa situação ser preocupante. Ela ressalta que “a pandemia em si não é o que causa pobreza, mas a grande pressão nos sistemas de saúde dos países, o que se prevê que causará o aumento da desigualdade e pobreza absoluta pelo isolamento social, porque os fluxos econômicos serão brutalmente reduzidos, afetando o funcionamento das empresas”.

Em outros países, como o Reino Unido, os governos têm tomado medidas para tentar conter o avanço do empobrecimento da população, fornecendo uma complementação governamental de renda para as pessoas que perderam seus trabalhos, por exemplo. A intenção é reduzir a pobreza absoluta no momento de insegurança causado pela pandemia.

Segundo a especialista, os países que não conseguirem adotar medidas similares terão consequências mais graves. “Há o risco de convulsão social, porque, com a incerteza da duração da quarentena, a falta de perspectiva e o desespero, podem ser geradas reações sociais preocupantes, e a contenção disso depende das respostas dos governos à recessão econômica”, explica.

No Brasil, Marta avalia a ação do governo como lenta, em comparação ao rápido avanço da doença no País. Segundo seus estudos, “já vínhamos de uma recessão na economia há algum tempo, e tínhamos dados de que a pobreza absoluta vinha aumentando, tanto por conta do desemprego quanto da queda da renda média, com redução de pagamentos do Bolsa Família e o aumento da taxa de informalidade por aqui”, afirma. Por isso, ela defende uma reação rápida do governo na implementação de políticas que garantam uma renda mínima à população mais vulnerável durante esse período de quarentena.

“Estamos sentados em cima de um barril de pólvora, se ele vai explodir ou não vai depender da velocidade do governo em conter a expansão da pobreza e o auxílio ao sistema de saúde”, conclui. Saiba mais ouvindo a entrevista na íntegra.

 

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

26 de março de 2020 às 22h06

Não é só a pobreza que vai aumentar – no sentido do sujeito tornar-se pobre, segundo uma classificação mais ou menos arbitrária, em contraposição a outras classificações, tão arbitrárias quanto, que o designam como de classe média ou rico. Haverá um recuo de todas as classes…

Responder

Deixe uma resposta