Análise da reunião ministerial de Bolsonaro

Ministério da Saúde publica estudo com advertências sobre cloroquina: “resultados divergentes”, “alto risco de viés”

Por Redação

07 de abril de 2020 : 20h16

O Ministério da Saúde publicou hoje, em seu portal, um documento com quase 400 páginas contendo as últimas informações sobre os remédios usados, até o momento, no combate ao Covid-19.

Entre estes remédios estão os antimaláricos cloroquina e hidrocloroquina.

Segundo o Ministério, até o último dia 23 de março de 2020 havia somente dois estudos clínicos sobre a hidroxicloroquina, com resultados “divergentes”: um funcionou, outro não. Entretanto, ambos os estudos são qualificados pelo Ministério da Saúde, como “pequenos e com alto risco de viés”. 

O ministério adverte que a sugestão do uso dos produtos pode ser “modificada a qualquer momento, a depender de novas evidências científicas”. 

Na conclusão, o estudo volta a ressaltar sobre o “risco de viés” dos estudos associados ao remédio, e que os resultados devem ser “interpretados com cautela”.

 

 

   

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Hudson

08 de abril de 2020 às 10h53

É uma aberração dizer que não há estudos comprobatórios e ainda assim recomendar a prescrição, com doses indicadas e tudo mais.
Parece que é para garantir que as pessoas infectadas morram, seja de covid-19 ou de ataque cardíaco induzido por cloroquina.

Nos Estados Unidos, também fizeram isso, e agora recuaram:

https://www.brasil247.com/mundo/cdc-dos-eua-tira-orientacoes-sobre-cloroquina-e-hidroxicloroquina-de-seu-site

Responder

Hudson

07 de abril de 2020 às 21h54

Comportamento ambíguo e errático o do ministro, texto do ministério idem. Na entrevista, ele disse que médicos podem indicar o treco, desde que a responsabilidade seja assumida pelo paciente. Covardia extrema. José Luis Datena ficou felicíssimo, mesmo sem entrevistar Bolzosdao hoje.

Responder

Clever Mendes de Oliveira

07 de abril de 2020 às 21h18

Redação,
Não sou da área, mas recentemente li uma entrevista do médico infectologista de origem italiana Paolo Zanotto em que ele diz que Mandetta estaria errado porque o melhor tratamento é a administração do hidroxicloroquina do segundo ao quarto dia do aparecimento dos sintomas (febre, coriza e um estado gripal muito leve).
Comentei entre colegas sobre a entrevista e não questionei a afirmação de Zanotto sobre o melhor momento para o tratamento da doença que precisaria ser confirmada metodologicamente. Acontece que não há condições de testes para todas as pessoas que aparecerem com sintomas gripal se os testes forem efetivados no segundo ao quarto dia do aparecimento dos sintomas. Então a solução do Paolo Zanotto só beneficiaria as pessoas mais abonadas com condições de realizar o teste todo a semana e de fazer o tratamento logo no início dos sintomas.
Então, o Luiz Henrique Mandetta fez parte do grupo que deu o voto ideológico de direita pelo impeachment, não era favorável ao SUS e tomou a incompetente e ideológica medida de expulsão dos médicos cubanos, mas está agindo dentro do que é o recomendável para países pobres como o Brasil.
Abraços,
Clever Mendes de Oliveira
BH, 07/04/2020

Responder

chichano goncalvez

07 de abril de 2020 às 21h10

É o que dá, votar em partidos da direita, eles fazem da saude, educação, segurança, et c, tudo um comercio, e quando acontecem as tragedias, pragas entre outras, é possivel tomar o remedio tal, mas ha o risco de morrer, bem, então é bom não tomar, mas vais acabar morrendo, e nós como ficamos ? Afinal pagamos impostos, para que ? Só espero que uma grande maioria, que votou nesse psicopata, tenha algum ente querido morto, só assim para que um dia , quem sabe aprenderem, caso contrario tornarão a repetir o erro.

Responder

Deixe uma resposta