Análise da reunião ministerial de Bolsonaro

Bolsonaro usa vídeo de governador de NY para inventar nova fake news contra isolamento social

Por Miguel do Rosário

08 de maio de 2020 : 03h31

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, faz coletivas diárias com a imprensa, para prestar contas das ações de sua administração na luta contra o coronavírus, e responder perguntas de repórteres. Não xinga nenhum jornalista. Não inventa conspirações. Apenas dá informações e estabelece uma comunicação civilizada com a população que paga seu salário.

(Aliás, uma boa resposta que os jornalistas poderiam dar a Bolsonaro, quando eles os insultar, seria lembrá-lo que ele é um servidor público pago com o salário deles, jornalistas; e não é de hoje; Bolsonaro nunca trabalhou no setor privado; seu salário é pago pelos contribuintes desde sempre; assim como os salários de seus filhos).

No dia 6 de maio, Cuomo, como faz todo dia, deu uma coletiva de 44 minutos, onde apresentou as últimas informações sobre o vírus e falou sobre as perspectivas de reabertura da economia.

Os novaiorquinos e seus vizinhos estão, naturalmente, desesperados. São cidades altamente turísticas, que vivem de serviços, que devem ter o maior número de restaurantes, bares, cafés, boates, teatros, lojas, por metro quadrado do mundo inteiro.

Então o governador, apesar das medidas duras de bloqueio econômico tomadas por sua administração, sempre tenta acalmar a população, e apresentar alguma perspectiva de volta da normalidade.

Um dos gráficos mostrados por Cuomo mostra a queda no número de hospitalizações no estado de Nova York.

Essa queda – que só foi possivel em virtude das medidas de isolamento social – é um dos fatores que permitirá ao governo de Nova York decidir pela reabertura do comércio. Mas a curva precisa cair mais, e , sobretudo, os novaiorquinos (e vizinhos) precisam se conscientizar de que, somente com a ajuda de todos, o vírus poderá ser vencido.

“As pessoas precisam voltar a trabalhar, rever seus parentes e amigos, viver suas vidas”, diz o governador.

Para isso, porém, argumenta Cuomo, será preciso que os fatos e os dados sejam valorizados mais que emoções e política.

“Não é uma questão de ser democrata ou republicano. O vírus mata democratas e republicanos. Lide com os fatos. Tome suas decisões com base em informações: número de infectados, mortos, taxa de contaminação, percentual de testes, rastreamento de dados, capacidade hospitalar “, explicou.

Então, ele apresenta uma pesquisa que, segundo ele, teria dados “chocantes”: 66% dos hospitalizados por Covid-19 vieram de “casa”.

A surpresa de Cuomo é uma tolice desculpável, já que ele não podia imaginar a interpretação estúpida que os “amigos do vírus” (vamos chamar assim aos críticos da ciência) dariam aos números.

Se você olhar a pesquisa usada por Cuomo, não há “surpresa” nenhuma. É óbvio que a maioria dos hospitalizados vieram de “casa”.

De onde mais viriam? Da lua? Quase todo mundo mora em… casa (aqui no sentido também de apartamento).

As outras opções são: asilo (nursing home), prisão, sem-teto, abrigos. Como 90% das pessoas, todavia, vivem em “casas” (ou apartamentos), então a maioria vem de… casa.

O contraponto aqui não é entre pessoas que fazem quarentena e as que não fazem. E sim entre aquelas que moram em casas ou apartamentos e as que não moram (abrigos, prisão, rua).

Jair Bolsonaro, o principal amigo do vírus no Brasil, recortou um trecho do vídeo, pôs as legendas, e publicou em suas redes sociais, como prova de que o “distanciamento social” não adianta nada.

A narrativa do presidente é maligna. Sem nenhum tipo de corroboração científica, Bolsonaro tenta apenas insinuar que as pessoas se contaminam mesmo estando em “casa”.

Então para que evitar ficar em casa, não é mesmo? Para que levar a sério os cuidados de distanciamento social?

Só que a pesquisa não diz que as pessoas contraíram o vírus “em casa”.

O próprio governador, logo adiante no vídeo, adverte que não basta ficar “em casa”. É preciso também usar máscaras quando sair para fazer compras, tomar cuidado ao receber visitas, usar gel nas mãos. Em suma, não basta “fingir” que está de quarentena, se não tomar todos os cuidados necessários. A pesquisa é usada para reforçar as medidas preventivas individuais, que estão fora do alcance do governo, e não o contrário!

Os números não significam que isolamento social não adianta, como o amigo do vírus no Brasil, Bolsonaro, sugere, e sim que ele deve ser levado mais à sério!

Ainda na coletiva, Cuomo mostra um gráfico que retrata a desproporção de hospitalizados pertencentes às minorias: negros, latinos, estrangeiros.

Não é preciso ser um gênio para entender – e há diversas reportagens confirmando esse fato – que a contaminação é maior em áreas ou quarteirões mais pobres de Nova York, onde há muita gente morando em pequenos apartamentos, e que, portanto, tem mais dificuldade de praticar isolamento social eficaz.

Ou seja, mais uma prova (uma prova triste, neste caso, mas uma prova) da eficácia do isolamento social.

Cuomo apresenta também um gráfico com a idade dos hospitalizados, onde vemos que a doença está produzindo vítimas em todas as faixas etárias: 39% dos hospitalizados tem menos de 60 anos.

Bolsonaro, mais uma vez, atenta contra a saúde pública. O pior é que ele, com sua campanha de desinformação interminável contra as medidas de distanciamento social, apenas está ajudando a retardar o fim da quarententa!

As medidas de distanciamento social apenas poderão ser relaxadas, como lembrou o governador de Nova York, se houver números favoráveis, como a redução das taxas de hospitalização e contágio, declínio das mortes, etc. Para isso acontecer, é preciso haver, primeiro, medidas duras de restrição.

Entretanto, ficar em casa não basta. Essa é a lição passada por Cuomo. É preciso tomar cuidado MESMO em casa. A preocupação de Cuomo é justamente apressar o fim da quarententa, o que apenas será possível após vencer o vírus, ou pelo menos após um achatamento expressivo da curva de infectados, mortos e hospitalizados.

O vídeo divulgado por Bolsonaro está cortado. Ele não mostra o que vem antes ou depois. Seu objetivo é desinformar e constitui, portanto, um atentado à saúde pública.

O Youtube deveria derrubar esse vídeo. Eu fiz minha parte e o denunciei, clicando em “Report”. Denuncie você também!

Cuomo fala de vários outros temas importantes em sua coletiva. Ele defende que, com base na experiência dramática vivida no combate ao Covid, o sistema de saúde de Nova York deveria ser reformulado, com a criação de um… sistema público e unificado, para que, na “próxima vez”, o estado (e o país) não volte a passar pelos mesmos problemas.

Será preciso criar um sistema de testes e rastreamento, para agora e para o futuro, diz Cuomo.

A organização de uma nova educação pública, com melhor estrutura para aulas à distância, também é discutida pelo governador.

Por fim, Cuomo discorre sobre o uso de novas tecnologias para preparar a “economia do amanhã”, protegendo empregos e renda, tanto para agora como para na eventualidade de uma nova pandemia.

A coletiva mostra uma liderança política usando a ciência, os fatos, a tecnologia, e, sobretudo, a inteligência, para pensar em soluções urgentes e futuras, que não impliquem no sacrifício de nenhuma vida humana, e que prepare a sociedade americana para um mundo novo.

Enquanto isso, aqui no Brasil, o presidente organizou hoje uma “ocupação” ilegal no STF, com um monte de empresários desorientados, que tinha como objetivo pressionar o tribunal a se aliar ao Planalto em sua luta contra a ciência e contra os esforços dos governadores para conter a disseminação do vírus, construir leitos, comprar respiradores e, enfim, reduzir ao máximo o número de vítimas.

O presidente não fala da nova economia digital que emergirá do Covid-19, não fala de educação, não presta contas à sociedade sobre as ações do governo,  não transmite nenhuma segurança à sociedade de que o combate à Covid será feito com inteligência e responsabilidade.

Bolsononaro não faz nada a não ser persistir em sua campanha contra as únicas medidas que podem ajudar a derrotar o vírus.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

17 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Ritta Duart

15 de maio de 2020 às 20h25

Miguel, além de tendencioso, você também não fez o dever de casa. Investigar e ler nas entrelinhas não depõem contra o bom jornalista. Agora, dizer que o vídeo foi cortado e a fala do prefeito foi adulterada por isso, isso não anula a estatística. O que quer que o prefeito diga a favor ou contra não vai invalidar o fato de que 66%/84% das pessoas, mesmo em confinamento, ficaram doentes com o Vírus do PC Chinês. E você, sim, distorce esse fato, dizendo, infantilmente, que obviamente que as pessoas foram para o hospital vindas de casa.
Ou você é muito ingênuo ou você é um militonto lacrador. De qualquer forma, essas duas “qualidades”, definitivamente, não são de um bom jornalista.

Responder

Claudio

14 de maio de 2020 às 16h13

Meu caro, o presidente da república de certo fala e faz muitas bobagens, merecedoras de críticas de quem votou e quem não votou nele, mas sua matéria é HIPER tendenciosa: vi o vídeo com cuidado, considerando todo o contexto, e o governador de N.Y., DE FATO, afirma, com base em DADOS, que a maioria estava EM CASA.
Fica feio pra um jornalista tentar distorcer algo assim, hein? Não adiantou nada… todo mundo percebe a mentira, kkk.

Responder

    Redação

    14 de maio de 2020 às 17h25

    Claro que estavam em casa! Estariam onde? Na lua? Todo mundo mora EM CASA, meu amigo. Da mesma maneira, 90% dos que morrerm por coronavírus, estavam em hospital. Isso significa que hospital mata?

    Responder

Filipe

12 de maio de 2020 às 01h12

Amigão, nao tem nada de fake news, o vídeo está no YouTube e foi uma gravação do Cuomo falando, “fake news” é o que vc ta propagando querendo distorcer o que o próprio governador de la disse! E denunciar video… pelo amor nem de Deus, mas do seu raciocínio! Tem que denunciar o governador de lá, a CNN, a Bloomberg, todos que repassaram esse video, rsrs…. Vcs querem ficar em casa até dezembro eu acho ne ? Pq o virus já está no ambiente, esse isolamento em casa NAO FUNCIONA MAIS ! Era para ter quarentena no começo de tudo, lockdown geral, aí sim, reduziria as transmissões ! As pessoas precisam voltar a trabalhar, APENAS seguir os cuidados, os mesmos que tomam nos supermercados, muito simples isso, mas de que adianta ter olhos se a mente é cega ? Entao, blz, vou ali tomar outro cafezinho, pq esse aqui, tá mais pra “chafé”!
PS: Oposiçãozinha chata, que desde a última eleição ainda não entendeu que já deu essa birrazinha barata, não vai levar o país a lugar nenhum ! Chega !
Enquanto o país continua dividido, nós nunca vamos prosperar. Está escrito: um reino dividido nunca subsistirá !!

Responder

Denilson Donizete Fortunato

09 de maio de 2020 às 08h52

ser inimigo do presidente não te dá o direito de distorcer na cara dura o que disse o governador de Nova York, ideologias estão matando mais que este vírus, se você diz que ao sair de casa deve se cuidar usando máscaras e álcool gel, você está anulando o isolamento social já que se torna eficaz o distanciamento em qualquer lugar.

Responder

    Claudio

    14 de maio de 2020 às 18h04

    Não tinha pensado nisto ainda, embora óbvio…
    Tens razão, concordo totalmente, kkk.

    Responder

Paulo

09 de maio de 2020 às 08h51

Texto com muita tendência política. Os Bolsonaros não querem acabar com os cuidados nem com o isolamento social!!! Querem isolamento vertical.

Responder

Matemático

08 de maio de 2020 às 20h22

Nossa, que desonestidade intelectual deste blog. Eu vi a reportagem na CNN Brasil. A machete era “66% dos internados em NY estavam cumprindo isolamento”. Isto, por si só, é apenas uma evidência de que o isolamento pode não funcionar como esperado. É claro que requer mais evidências para se constituir numa teoria científica. Porém é absurdo que se tome uma estratégia que tem consequências drásticas para a população sem ao menos se ter embasamento empírico. Explicitamente, não se têm, até o momento, experimentos científicos controlados comparando estratégias de isolamento e não isolamento. Até agora, o que temos são simulações de computador usando modelos matemáticos de epidemiologia. Deixo link para vocês tirarem suas próprias conclusões.

https://www.cnnbrasil.com.br/saude/2020/05/08/nise-yamaguchi-diz-que-isolamento-e-insuficiente-para-conter-avanco-da-covid-19

Responder

Gabriela

08 de maio de 2020 às 20h11

Na verdade, quem distorceu a informação foi você. Não há fake news. Ele cita pessoas que não saíram de casa (quarentena). O foco não está em quem mora em casa/apartamento, não haveria razão pra ele analisar sob esse enfoque. Ele diz que está chocado exatamente porque as pessoas contaminadas DISSERAM que faziam quarentena. Quem publicou a fake news aqui foi você.

Responder

Marcel K Klaczko Neto

08 de maio de 2020 às 19h38

Qual a porcentagem dentre estes 66% infectados que trabalhavam de casa? Não vi na sua reportagem.

Responder

Valdir Cassio Rossi

08 de maio de 2020 às 18h30

Sei que vc esta colocando visão política ideológica no artigo, mas ele cita PESSOAS QUE NÃO SAIRAM DE CASA, pessoas que teoricamente não deveriam ser contaminadas.
Assista de novo o video, desinformação não ajuda… esqueça o Bolsonaro ou as besteiras que ele fala

Responder

Marcos

08 de maio de 2020 às 13h40

Desculpa. Não vi nenhuma fake news.

Responder

    Paulo Cesar Cabelo

    08 de maio de 2020 às 18h45

    Claro , você já está cego há muito tempo , como todos que seguem esse demente.

    Responder

    Claudio

    14 de maio de 2020 às 18h02

    Pois é, esse café nem requentado a gente engole, só os desmiolados fanáticos da esquerda, kkk.

    Responder

chichano goncalvez

08 de maio de 2020 às 13h16

O mal que os analfabetos politicos e os maldosos fizeram a este pais, elegendo essa quadrilha, é incalculavel, não sei quantos anos mais , levaremos para consertar. Aos que não sabem o que é ditadura militar: pedreiros, não tinham condições siquer de ter uma condução, pós PT, até faxineira tinha um Pegeou, limpava aqui em casa, se continuar assim iremos como no passado na ditadura, andar de chinelo de dedo, e quando rebentar as tiras, passaremos a andar de pés descalços. Eu lembro bem, e o salario minimo era se fose hoje em torno 400 ou 500 reais, viveriam ? Eu trabalhei com esse salario e sei bem o que é.

Responder

    douglas

    09 de maio de 2020 às 08h16

    peugeot nao desejo nem pros inimigos.

    Responder

Tulipa

08 de maio de 2020 às 11h42

E’ obvio que as pessoas em ambientes fechados ainda mais se familiar potencipne as chances de infecçào: https://www.publico.pt/2020/05/03/ciencia/noticia/johan-giesecke-epidemiologista-sueco-numero-mortes-covid19-sera-quase-paises-europeus-1914373

“O que é que vai fazer até ao final do ano?
Vamos todos reunir-nos daqui a um mês. As pessoas podem sempre reunir-se no exterior. Se se reunirem no exterior, a infecção não se espalha. E mantenham as distâncias.”

Responder

Deixe uma resposta