Live do Cafezinho: bate papo com o cineasta cearense Wolney Oliveira

Reuters/Amanda Perobelli /Direitos Reservados

Após rompimento com Guedes, Maia afirma que o importante é aprovar reformas

Por Gabriel Barbosa

04 de setembro de 2020 : 09h58

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, romperam de vez.

Durante essa semana, Guedes proibiu sua equipe econômica de receber ou ter contato com Maia que vêm sendo um dos principais críticos da nova CPMF, proposta de Guedes.

“Ontem [quarta (2)], a gente tinha um almoço com o Esteves (Colnago, assessor especial da Economia) e com o secretário do Tesouro (Bruno Funchal) para tratar do Plano Mansueto, e os secretários foram proibidos de ir à reunião”

Com o rompimento, o parlamentar começou a articular as reformas com o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos.

Nesta quinta-feira, 03, Maia disse a Folha que o importante é “aprovar as matérias, não falar com Paulo Guedes”.

Segundo interlocutores, Maia têm visto Guedes como um egocêntrico, inflexível e com problemas para reconhecer os méritos de Maia pelas vitórias do governo em pautas consideradas importantes para o governo como a reforma da Previdência.

Gabriel Barbosa

Jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

04 de setembro de 2020 às 10h38

Aliás, essa fogueira de vaidade, entre Botafogo e Porco Guedes, só revela um pouco dos dois: ambos não têm folha corrida, não têm currículo acadêmico e ambos estão envolvidos com sinecuras junto à Administração Pública.

Responder

Paulo

04 de setembro de 2020 às 10h35

Seria de se indagar o porquê do frenesi pela Reforma Administrativa, vinda de um chefe do Legislativo. Sim, porque, em princípio, esse seria um projeto de Governo. Mas a sede do Botafogo tem a ver com mero oportunismo: quer guindar-se como reformista, agradando o “mercado” e a Rede Globo, de um lado; e, de outro, quer castigar esses odiosos servidores públicos, muitos dos quais ajudaram a levar à cadeia muitos de seus pares, e, inclusive (suprema afronta), seu sogro.

Responder

Deixe uma resposta