Live do Cafezinho: balanço dos partidos de esquerda

França opta pela neutralidade, mas roga a seus apoiadores para lutar por quem acreditam ser o melhor

Por Redação

20 de novembro de 2020 : 18h13

Nesta sexta-feira, 20, o candidato derrotado Márcio França (PSB) declarou neutralidade na disputa de 2° turno entre Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL).

A decisão de França contraria a matéria da CNN Brasil que afirmava o favoritismo de França e do PSB a candidatura de Boulos. O ex-governador de São Paulo declarou seu posicionamento no Twitter e deu um recado indireto para que seus apoiadores – maioria ligados ao PDT – fizessem suas escolhas para elegerem quem possa ser o melhor para a capital paulista nos próximos 4 anos. Com isso, o ex-candidato deu um apoio indireto a Guilherme Boulos (PSOL).

Fonte: Reprodução / Twitter

Apesar da neutralidade de França, outros quadros do PSB como o líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon (RJ), declarou apoio a chapa psolista.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

sidneig

24 de novembro de 2020 às 10h33

Essa manchete vai passar para a história do Cafezinho como uma das mais ridículas já feitas. E o texto que a acompanha também. “FRANÇA OPTA PELA NEUTRALIDADE, MAS ROGA A SEUS APOIADORES PARA LUTAR POR QUEM ACREDITAM SER O MELHOR. (…) Com isso, o ex-candidato deu um apoio indireto a Guilherme Boulos (PSOL).”
Vamos ter ética, por favor!!!
Desculpem, mas o Cafezinho ficou com o ônus de apoiar um sujeito como França, que foi vice de Alckmin, com o ônus de se desmoralizar utilizando uma pesquisa fajuta do Instituto Badra, e ainda colocando essa manchete risível. E depois vai chorar as pitangas no twitter que logo uma certa esquerda (petista, provavelmente) cobra ou vai cobrar atestado de esquerdismo, se fazendo de vítima, depois dessa série de equívocos.
E atenção: eu critico porque acompanho e admiro (admirava?) o Cafezinho há muitos anos, precisamos de pluralidade na comunicação. Mas, de novo: Vamos ter ética, por favor!!!

Responder

Sebastião

21 de novembro de 2020 às 08h52

Desde quando foi candidato ao governo do de SP em 2018, França se posicionava neutro e ficava em cima do muro. Não era nem Bolsonaro, nem Haddad. E agora faz o mesmo neste ano de 2020. Isso é característico de quem deseja barganhar algum futuro apoio ou cargo numa secretaria.

Márcio França e Luiziane viajaram pra Paris neste segundo turno.

Responder

André Araujo

21 de novembro de 2020 às 02h28

Marcio França, o fundador da Fiesp que apoiou o golpe de 2016 apoiar um candidato do campo popular?
É muita ilusão gente!

Responder

Netho

20 de novembro de 2020 às 22h09

O caminho de Márcio França é o mesmo de Luizianne Lins. Ambos declinaram apoiar, respectivamente, PSOL e PDT, em consequência da natureza da disputa eleitoral no 1º turno. Márcio França, em decorrência das acusações feitas pelo PSOL de associação do PS paulista ao tucano Geraldo Alckmin, atualmente processado pelo MP por malfeitos no Rodoanel com empreiteiras do Cartel de Paulo Preto. No caso de Luizianne Lins, em face dos ataques dos trabalhistas à incompetência e inépcia da ex-alcaide petista para lidar com as mazelas fortalezenses e à memória do lulo-petismo encarcerado e corrompido pelos luminares do partido que, volta e meia, entram e saem do xilindró e se tornaram dependentes dos humores das cortes superiores de Justiça. Não fazem a menor diferença, porque os partidos de Márcio e Luizianne, simplesmente, não levaram em conta a opinião nem o estado de espírito de cada um. O baile segue e a dança das cadeiras não para, nunca. O resultado em São Paulo e Fortaleza não se modificará um milímetro com a neutralidade de ambos. Tucanos levam fácil à vitória para São Paulo.Trabalhistas levam fácil à vitória em Fortaleza.

Responder

    Alexandre Neres

    21 de novembro de 2020 às 01h03

    aNalfabetho político deveria ter limite. Nunca uma crítica à Lava Jato; nunca uma crítica a Bolsonaro; nunca uma crítica ao fato de que o sistema de justiça foi corrompido quando juiz, procuradores e policiais agiram em conluio, sem provas, mas cheios de convicção; nunca uma crítica ao direito penal do inimigo por meio do processo penal do espetáculo, em total desrespeito aos direitos e garantias fundamentais de qualquer cidadão, a justiça instrumentalizada e com um timing preciso para perseguir determinadas agremiações partidárias, como sói acontecer por essas plagas; juiz orienta procurador, que quer criar fundação bilionária e dar palestras, o que nega ao retirante nordestino operário, pois esse métier é só deles, da república do paraná que repete a do galeão. Mas pra que querer discutir história e direito com um parvo? Poderia explicar por que Ciro Gomes foi pedir penico para Lula com medo de que a candidatura do Sarto não decolasse, pois àquela altura estava a perigo? De que gramática você foi arrumar as crases que usou no fim do seu texto? Quanto ao resultado das eleições, em Fortaleza a vitória está assegurada com o apoio da esquerda contra os capitães do mato, porém, em Sampa, os dados estão rolando, a fatura não está liquidada, afinal de contas já disse e repito que tu é um analista medíocre. Não é fácil, mas há possibilidade de virada, a diferença não é tão grande. Gosto muito quando um direitista enrustido deixa entrever o carinho que sente pelos tucanos, por França, ACM Netho, todos direitistas. Aliás, o neotrabalhismo também é egresso desse mesmo ninho, considerando que anteriormente o primogênito do Clã Ferreira Gomes já tinha passado por PDS e PMDB.

    Responder

e

20 de novembro de 2020 às 21h21

Quem nasceu para porco,não recusa lavagem!

Responder

Paulo

20 de novembro de 2020 às 20h10

França fez bem. Não é um radical, para apoiar Boulos (que ultrapassou a linha do bom senso há muito tempo). Seria cobrado futuramente, além de apoiar um virtual perdedor. Ou seja, só prejuízo…

Responder

Tony

20 de novembro de 2020 às 19h33

Esse sujeito tem optado pela neutralidade jà a partir do primeiro turno…kkkkkkkkkkkkk

Responder

Alexandre Neres

20 de novembro de 2020 às 18h30

De onde não se espera nada, é daí que não sai nada mesmo

Alô, Cafezinho. Que tal parar de divulgar fake News?
https://www.ocafezinho.com/2020/11/18/com-apoio-de-franca-psb-decide-apoiar-guilherme-boulos-e-manuela/

Responder

    André Araujo Sombra Soares

    21 de novembro de 2020 às 02h24

    Né isso!

    Responder

Deixe uma resposta