Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Filas retornam a agências da Caixa e preocupam bancários

Por Gabriel Barbosa

17 de dezembro de 2020 : 18h37

Convergência de datas para pagamentos do auxílio emergencial, do Bolsa Família e de benefícios concedidos por prefeituras, além da diminuição do número de empregados do banco, resultam no retorno de aglomerações.

Filas vêm sendo registradas esta semana em diferentes locais, como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Minas Gerais. Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae) alerta que atendimento à população corre riscos com reestruturação da empresa e déficit de pessoal próximo a 20 mil trabalhadores

Brasília, 17/12/2020 — A convergência de datas para o pagamento do auxílio emergencial, do Bolsa Família e de benefícios sociais concedidos por prefeituras, além da diminuição do número de bancários para o atendimento à população, resultaram no retorno de grandes filas em agências da Caixa Econômica Federal, esta semana. As aglomerações vêm sendo registradas em diferentes locais, como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Minas Gerais. De acordo com dirigentes sindicais, parte do problema é consequência do déficit de empregados do banco, que se aproxima de 20 mil trabalhadores em todo o país.

Em dezembro, segundo a Caixa, 15,8 milhões de pessoas estão elegíveis para receber o auxílio emergencial. Só nesta quinta-feira (17), pagamentos feitos pelo governo federal foram liberados a 8,3 milhões de brasileiros: cerca de 3,4 milhões do chamado “Ciclo 6” do benefício de R$ 600, 3,3 milhões do auxílio extensão de R$ 300 e 1,6 milhão de beneficiários do Bolsa Família/Extensão com NIS final 6. Em São Paulo, por exemplo, os bancários da Caixa ainda fazem o pagamento do Renda Básica Emergencial concedido pela prefeitura.

“É um volume enorme de pessoas que, na dúvida sobre os calendários de pagamentos, acabam se dirigindo às agências”, destaca o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Sergio Takemoto, ao observar que os depósitos dos benefícios federais são feitos na Poupança Social Digital e os valores podem ser movimentos pelo aplicativo Caixa Tem ou em casas lotéricas. Pelo app, é possível pagar contas e fazer compras online em mais de um milhão de estabelecimentos comerciais.

Em São Paulo (SP), filas se formaram ao longo desta semana em agências das zonas Leste, Sul e Norte da capital, como nas unidades de Paraisópolis e da Rua Parapuã (Brasilândia), além da Itaim Paulista. No Rio de Janeiro, aglomerações foram registradas em Petrópolis, a exemplo das agências do centro da cidade e da Rua Teresa.

No município fluminense, os afastamentos de bancários com suspeita ou confirmação de contaminação por covid-19 resultaram no fechamento de agências para higienização. Conforme o sindicato da categoria, tal situação também contribuiu para o aumento das filas e do tempo de espera por atendimento.

Nesta quarta-feira (16), unidades da Caixa na cidade de Ceilândia, em Brasília (DF), ficaram lotadas. Em Belo Horizonte (MG), filas se formaram na agência do Bairro Planalto.

“As pessoas vão às agências, por exemplo, para realizar os saques pela manhã, de acordo com o calendário, e o dinheiro não está disponível. Isso gera muitos transtornos, acumula atendimentos à tarde e aumenta o tempo de espera nas filas”, explica a diretora da Associação de Pessoal da Caixa Econômica Federal em São Paulo (ApcefSP), Vivian de Sá. “Mais uma vez, a falta de planejamento e as trapalhadas do governo são responsáveis pelas filas. É muito assustador ver a quantidade de mulheres com crianças no meio da aglomeração, em plena pandemia, colocando a vida em risco”, acrescenta.

REESTRUTURAÇÃO — Em todo o país, os bancários da Caixa se dedicam, desde o início da pandemia, à assistência para mais de 140 milhões de pessoas, entre beneficiários do auxílio e do FGTS emergenciais e também do Bolsa Família. “É mais que a metade da população brasileira”, pontua o presidente da Fenae.

Sergio Takemoto observa que, mesmo em uma conjuntura como essa, a direção da estatal iniciou, no último mês de novembro, uma “açodada e abrupta” reestruturação do banco. Cerca de 170 imóveis ocupados pela Caixa não terão os aluguéis renovados e outros serão vendidos. As mudanças também atingem diferentes áreas do banco, como as gerências executivas de Governo (Gigov) e de Habitação (Gihab), responsáveis pelo planejamento urbano dos municípios.

A reestruturação ainda abrange áreas ligadas às vice-presidências Rede de Varejo (Vired), Tecnologia e Digital (Vitec) e Logística e Operações (Vilop), além de gerências como as de Tecnologia (Gitec), de Logística (Gilog), de Segurança (Giseg) e de Alienação de Bens Móveis e Imóveis (Gilie), com filiais que devem ser extintas e parte das atividades transferidas para novas centrais.

Trabalhadores da estatal em diferentes locais do país estão encaminhando denúncias ao Ministério Público do Trabalho para a investigação de prováveis medidas discriminatórias neste processo de mudanças. A principal reclamação ao MPT é quanto à transferência dos empregados para outras unidades, sem aviso prévio.

A reestruturação, sem qualquer discussão com os empregados, causou, entre outros prejuízos aos trabalhadores da empresa, pressão para que os bancários aderissem ao Programa de Desligamento Voluntário (PDV).

DÉFICIT — Com a saída de cerca de 2,3 mil empregados no último PDV, o déficit de trabalhadores na Caixa Econômica se aproxima de 20 mil, colocando em risco real a capacidade e a qualidade do atendimento à sociedade.

“É preocupante o desligamento desses empregados sem uma indicação do banco para novas contratações”, alerta Sergio Takemoto. “Além de piorar as condições de trabalho, a falta de bancários pode prejudicar o atendimento à população; especialmente, neste momento de pandemia e crise econômica”, emenda o presidente da Fenae.

A Caixa, que chegou a ter 101,5 mil trabalhadores em 2014, conta atualmente com 84,2 mil empregados. Apesar disso, o banco trabalha com a estimativa de desligamento de 7,2 mil trabalhadores, só este ano, tendo reaberto o PDV até o dia 11 deste mês.

“Além de atender 140 milhões de brasileiros em meio a uma pandemia, com filas que expõem tanto os empregados quanto a população, os bancários ainda sofrem pressões absurdas por metas”, conta Takemoto.

SEM PRORROGAÇÃO — Desde abril, no início da pandemia do coronavírus, o auxílio emergencial aliviou as dificuldades financeiras de 67,9 milhões de brasileiros, entre trabalhadores informais, microempreendedores, autônomos, desempregados e beneficiários do Bolsa Família. O valor mensal do benefício, aprovado pelo Congresso em R$ 600, foi pago até agosto. Em setembro, foi prorrogado; mas, diminuído pela metade no auxílio extensão (R$ 300 mensais).

Somente quem começou a receber o benefício em abril é que teve direito às quatros parcelas do auxílio extensão, pago até este mês de dezembro. Para parte dos beneficiários, o saque só será liberado em janeiro.

Cálculos divulgados pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV) mostram que a redução do auxílio emergencial para R$ 300 provocou o avanço da taxa de pobreza em 19,4%, o que representa 41,1 milhões de pessoas. Conforme o estudo do Ibre, em agosto, ainda sob o efeito do auxílio emergencial de R$ 600, o percentual de pessoas vivendo nesta condição era de 18,4% (38,9 milhões de brasileiros). Essa parcela tem renda inferior a US$ 5,50 por dia — linha de corte adotada pelo Banco Mundial.

“A Fenae sempre defendeu a manutenção do auxílio emergencial no valor de R$ 600 por mês [R$ 1,2 mil para mães provedoras] e enquanto durassem os efeitos da pandemia”, ressalta Sergio Takemoto. Apesar da crise econômica intensificada pela covid-19 e a possibilidade de uma segunda onda da pandemia no Brasil, o governo vem reafirmando que não pretende manter a assistência à população por meio do benefício.

Esta semana, Bolsonaro voltou a dizer que não haverá prorrogação do auxílio emergencial nem a criação de um novo programa de distribuição de renda. Segundo ele, a ideia é “aumentar um pouquinho” o Bolsa Família.

Gabriel Barbosa

Jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?