Paris Café Extra: Finanças Funcionais, uma revolução copernicaniana na economia

Bolsonaro menospreza pressão popular sobre impeachment e diz: “vou continuar o meu mandato”

Por Redação

21 de janeiro de 2021 : 09h45

Na noite desta quarta-feira, 20, quando o Brasil alcançou o número macabro de 212.831 mil mortes por Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro menosprezou a pressão popular sobre o seu impeachment.

“Se Deus quiser, vou continuar o meu mandato, e, em 2022, o pessoal escolhe”, disse aos apoiadores.

Até o momento, cerca de 61 pedidos de impeachment foram protocolados na Câmara.

Ainda nesta quarta, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), recebeu mais um pedido de impeachment elaborado por juristas da USP.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

21 de janeiro de 2021 às 11h21

Não há pressão popular nas ruas pelo impeachment e suspeito que nem vai haver. Talvez algumas bandeiras vermelhas em grupelhos com faixas e palavras de ordem aos quais a classe média não irá aderir, e, portanto, é uma proposta de antemão fadada ao fracasso. O Brasil está dividido, mas o espectro do centro à centro-direita ainda constitui a maioria relevante e é nessa faixa política que o impeachment será decidido. Mas não com panelaços ridículos ou através de mídias sociais. Eventual impeachment será decidido intramuros, como é de praxe na politica brasileira…

Responder

    Pedro

    21 de janeiro de 2021 às 19h16

    Até pq esse pessoal q vc falou aí tem mais o q fazer do q ficar fazendo baderna na rua. Eles tem q trabalhar pra pagar os impostos que sustentam os estudantes de humanas e sindicalistas que gostam de uma balburdia.

    Responder

Marcos Paulino da Silva

21 de janeiro de 2021 às 10h54

Mussoline foi um ditador diabólico, e se achava o todo poderoso. Foi assassinado e os corpos dele e da mulher foram pindurados em praça publica.

Responder

    pedro

    21 de janeiro de 2021 às 19h16

    Façamos o mesmo com você.

    Responder

Deixe uma resposta