PARIS CAFÉ: Lula volta ao jogo e polariza com Bolsonaro. Quais os novos desafios?

Empresários rejeitam polarização e buscam alternativa para 2022

Por Redação

21 de março de 2021 : 12h19

O possível repeteco da polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o PT (provavelmente com o ex-presidente Lula) em 2022 já é visto como prejuízo para uma parcela do empresariado nacional. Dessa forma, esse segmento já busca por uma alternativa para o pleito vindouro.

De acordo com a Folha, a grande insatisfação dos empresários com o Governo Bolsonaro é o fracasso na execução da agenda econômica liderada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e o desastre na condução da pandemia. O desprezo pelas questões ambientais por parte de Bolsonaro também é um fator que desestabilizou a relação.

No que diz respeito ao PT, o trauma do governo Dilma Rousseff e a mancha da corrupção ainda se fazem presentes. Além disso, o discurso do ex-presidente Lula em defesa do investimento público e maior participação do Estado na economia fazem do petista, até o momento, como carta fora do baralho para esses empresários.

Para tentar sinalizar novamente ao mercado como fez em 2002, Lula teria que colocar no radar o presidente da Coteminas, Josué Gomes (filho de José Alencar). Porém, o empresário rechaçou essa hipótese.

“Até entendo a lembrança do meu nome por conta do meu pai. Mas sou candidato a presidente da chapa única para as eleições da Fiesp. Quando aceito uma missão, me concentro apenas nela. Meu projeto é ajudar a indústria nacional e a indústria paulista”, afirmou.

Nomes como do ex-ministro da Saúde Henrique Mandetta, dos governadores João Doria (PSDB-SP), Eduardo Leite (PSDB-RS), Romeu Zema (Novo-MG) e do apresentador Luciano Huck ainda são ventilados pelos empresários como alternativas de Centro.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

26 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

André Perez Fernandez

26 de março de 2021 às 07h44

Não sei porque tanto medo do PT. Eu que nunca fui simpatizante deste partido, mudei de idéia, basta ver a corrupção escandalosa que escancar quem está no poder hoje (2021). Só sendo muito burro para acreditar que o mal do Brasil é o Lula ou o PT.
Em um País sério este Senhor Sérgio Moro estaria preso, assim como certos senadores que praticam CORRUPÇÃO desde os tempos de vereadores.
ACORDA “CLASSE EMPRESARIAL”
VOCES NUNCA GANHARAM TANTO DINHEIRO QUE NEM NA ÉPOCA DOS GOVERNOS LULA.
UM PAÍS SÓ É JUSTO, QUANDO TODOS GANHAM.

Responder

Luiz

22 de março de 2021 às 21h46

Quantos por cento acham que Fachin não deveria tomar decisões, quantos acham que o presidente não deve exercer o seu cargo de presidente, e quantos entendem que o nome disso é democracia direta? Como diz o Lula, é um pouco cedo para se embrenhar na campanha para 22.

Responder

Patrice L

22 de março de 2021 às 12h53

Parece um artigo neutro aparentando apenas refletir um fato, mas é uma variante do vírus antipetista que Redação, cirocêntrica que é, alimenta. Ao invés de “o Lula tá preso”, o novo nome do jogo passa a ser “o Lula é rejeitado, seu babaca”. E a vergonha é tanta, dado que Redação gosta de editorialmente contrabandeá-lo para o campo da esquerda, que Ciro aqui não é citado como opção da direita. Seu verdadeiro campo.

Responder

Alan C

22 de março de 2021 às 07h41

Saiu a nova pesquisa Datafolha.

Para 57% Lula é culpado no caso triplex, para 51% Lula não deveria ser candidato.

Ok, muita coisa deve acontecer ainda, mas esses números são terrivelmente contra Lula. Esses números – HOJE – inviabilizam a candidatura.

https://g1.globo.com/politica/noticia/2021/03/22/datafolha-anulacao-condenacao-lula-fachin.ghtml

Responder

Alan C

22 de março de 2021 às 07h19

Curioso como o nome de Ciro Gomes não apareceu no último parágrafo do texto, né? Pra ira da petezada… Incrível como o modus operandi da bozolandia e do petismo xiita são semelhantes.

Responder

Francisco*

21 de março de 2021 às 22h00

“O que é História?
Muitas pessoas fazem essa pergunta na tentativa de dar resposta à outra: “Para que serve a História?”.

(…) A História não tem necessariamente um caráter de utilidade funcional, como algumas ciências… A História é útil na medida em que nos dá a base para construirmos sentido, isto é, para conseguirmos entender como as coisas que se passam no mundo atual têm conexão com fatos passados.

(…) A História serve para nos situarmos no tempo, para não nos deixar desorientados, sem referências passadas e sem perspectivas para o futuro ancoradas nessas referências.” (BRASILESCOLA – Me. Cláudio Fernandes).

Isso posto, de forma resumida, simples e suficiente, não tem como pesquisarmos o legado histórico do Brasil, contrasta-lo com o ontem, o hoje e o amanhã, para entende-lo, e não depararmos, à realidade de cada tempo, com o mesmo problema central e origem, a ‘Casa Grande e Senzala’, resumindo a dicotomia ‘Patrimonialismo de estado e Desigualdade extrema’, originária da escravidão de 338 anos no Brasil, de 1550 a 1888, ou seja, encerrada há menos de 133 anos e mãe e pai, avô e avó, bisavô e bisavó…, de todas as nossas mazelas, até hoje.

“EMPRESÁRIOS REJEITAM POLARIZAÇÃO E BUSCAM ALTENATIVA PARA 2022”

Conhecendo-se nossa história, só pode ser piada desses ’empresários’, pois toda vez que disputou-se o poder nesse país sem polarização, situação essa quase absoluta antes de 1989, significou que a ‘Casa Grande’ não teve oponente, levou o poder sem correr riscos, pois todos os candidatos a representavam.

Polarização no país em que, em pleno século XXI, mantém-se ainda a ‘Casa Grande e Senzala’, é mais que salutar, é benvinda, pois é a única possibilidade de acabarmos de forma pactuada, democrática e civilizada, com a anomalia ‘Patrimonialismo de estado e Desigualdade campeã mundial’, o que vinha a acontecer a partir da redemocratização, da Constituição de 88 e da eleição de 89, com o PT polarizando e assumindo o poder representando a Senzala, até a xucra classe dominante achar em risco a anacrônica Casa Grande que a garante e dar o golpe em 2016, ao falhar em eleger Aécio pelo voto, a qualquer preço, via operação lavajateira na Petrobras, em 2014.

Se fossem menos xucros e cínicos, não viriam com esse papo falso da polarização, pois sabem muito bem que, em 2022, haverá de qualquer forma polarização, não a benigna citada, mas a maligna, entre a Civilização e a Barbárie eleita por ‘xucros dominantes’ e ‘omissos progressistas’, para derrotarem o ‘PT Nunca Mais’, em 2018, rachando (ops!) a direita em duas, a direita da classe dominante e a extrema direita de Bolsonaro, e esquecerem da tragédia anunciada a desgovernar o país.

Disputa do poder com polarização no Brasil é mais que saudável, é necessária, é a única saída à dicotomia secular e hereditária que nos prende ao atraso.

Responder

Nelson

21 de março de 2021 às 20h30

Dados da Anfip mostram que, de 2009 a 2019, diversos setores empresariais receberam nada menos de R$ 1.100.000.000.000,00 em isenções fiscais. Essa dinheirama monumental foi extraída da Seguridade Social e constituiu uma intervenção estatal comum no Brasil e países capitalistas em geral.

O Estado é sempre chamado a sustentar os lucros do empresariado, a não deixar “que a peteca caia”, a garantir que o empresariado capitalista siga existindo. É a chamada socialização dos custos.

Dá para dizermos que foi dinheiro dado a fundo perdido, pois, mesmo recebendo do povo brasileiro – sim, é de nós mesmos que saiu a grande bolada – uma montanha de subsídios, o empresariado com nada se compromissou, somente em manter seus ganhos. Em contrapartida ao presentaço que recebeu dos trabalhadores e do povo brasileiros, o empresariado jogou o índice de desemprego a 14%.

Em suma, o empresariado, vem sobrevivendo graças ao endividamento do Estado e ao corte de recursos do orçamento social. Mas segue arrotando que não quer governo intervencionista. Se isso é verdade, vale a pergunta. Por que então, não recusaram a montanha e subsídios que receberam? Por que não se utilizaram de sua superior capacidade empreendedora, que sempre alardeiam, que sempre arrotam, para se manterem no mercado?

No período citado, dos governos do PT o empresariado recebeu cerca de R$ 700 bilhões em subsídios. Ou seja, também o PT afagou bastante o empresariado e, ingratos, eles viraram a cara no impedimento da Dilma e seguem com ela virada.

Ademais, saber que eles se dizem preocupado com a “mancha da corrupção” nos governos do PT, causa engulhos. Fernando Henrique Cardoso fez o governo mais corrupto e deletério da nossa história e onde estava os empresários no reinado tucano? Abraçadinhos, cós e calça com sua grossa corrupção.

Desferido o golpe contra o povo brasileiro em 2016, de que lado ficaram os empresários? De novo, abraçadinhos com um governo corrupto até a medula, o de MiShell Temer. E vêm arrotar o que não são, impolutos, putos, castos, ilibados….

Responder

Paulo

21 de março de 2021 às 18h20

Lula é Bolsonaro no segundo turno terá uma consequência inevitável:

– o STF e o STJ serão aparelhados e a democracia acaba…Ou ficaremos com o aborto ou com a impunidade dos criminosos de colarinho branco…

Responder

    Paulo

    21 de março de 2021 às 18h20

    Ou com ambos…

    Responder

Alexandre Neres

21 de março de 2021 às 15h01

Empresários e mercadistas estão como sempre buscando o seu candidato raiz. São contra os “extremos” e a “polarização”, apesar de qualquer um com um pouco de tutano saber que o PT não é nem será extremista, por mais que a Globo tenha investido nessa tese, mas, sim, Bolsonaro, que eles apoiaram entusiasticamente em 2018 e continuam apoiando. O candidato desses senhores distintos será de preferência do centro refundado, ou seja, de direita, e terá, como eles, perfil de meia idade, branco, heterossexual, bem-sucedido, como Dória, Leite, Mandetta, Huck, Moro ou até mesmo Ciro Gomes.

Ciro Gomes seria bem-vindo no nosso polo da esquerda, PCdoB-PSOL-PT, que está se articulando e afinando as ideias, vide as declarações recentes de Dino ou de Boulos.

Porém, no jornal dos quatrocentões paulistas, Ciro voltou a distribuir seus relinchos, que, de certa forma, são parecidos com o de outro político que ocupa papel de destaque no cenário nacional. Vejam as declarações: ““Eu não fugi não, eu me senti moralmente obrigado a não sancionar mais essas contradições do PT. Eu acho que temos de ajudar o povo brasileiro a entender que temos dois terríveis desafios pela frente”. “Não há como disfarçar que o Lula é o grande responsável pelo entranhamento orgânico da corrupção na vida brasileira. É inequívoco que o PT transformou a corrupção, a fisiologia, o loteamento das estruturas centrais do Estado como ferramenta central do modelo de poder que o Lula implantou no País”. “Eu não vou deixar o Lula ganhar essa na lambança. É construir o futuro e, infelizmente, neste sentido a largueza que eu sonho não é possível pelas nossas diferenças”.

Acho uma pena que, nesta altura do campeonato, Ciro continue se voltando contra o PT e não contra o adversário a ser batido. Como bem lembrou o Neotupi, logo após as eleições, em palestra na XP, Ciro disse que Bolsonaro não representava perigo à democracia, talvez para escamotear sua ida à Cidade Luz. É lamentável que Ciro insufle o antipetismo, prejudicando todo o segmento progressista, não bastasse todos os ataques abaixo da cintura que a esquerda sofreu tanto do aparato jurídico que se corrompeu, como também pelo fato de não ter havido o devido processo jornalístico, pois a imprensa passou a ser mera correia de transmissão da força-tarefa, com o ministro Gilmar Mendes apontando as relações espúrias entre ambos, e construiu a narrativa da corrupção com a imagem de dutos, esgotos e dinheiro, dia após dia, numa versão de telenovela com vilões e mocinhos. Parece que os incautos não tinham se dado conta até então da questão estrutural que permeava o financiamento da política brasileira desde antanho e que pela primeira vez foi apurada pelas instituições com autonomia.

Para nós da esquerda, Ciro não é adversário, mas para ele, desde 2018, o adversário que ele direciona todas as suas baterias é o PT e não Bolsonero. E pelo visto continua sendo. Tirante o substrato ético ao adotar discurso da UDN, todos nós de esquerda sabemos que o mote recorrente utilizado em nossa História para os conservadores retirarem governos progressistas e promoverem retrocessos institucionais é o da corrupção. Foi assim com Vargas, JK, Jango, Lula e Dilma. Não à toa os brizolistas autênticos estão apoiando Lula em 2022. Fica a impressão de que o cearense de Pindamonhangaba tem alma de bandeirante.

Responder

    Paulo

    21 de março de 2021 às 18h16

    Alexandre Neres, o que você tem contra os homens brancos paulistas de meia idade heterossexuais? E outra coisa: Ciro ataca tanto Lula quanto Bolsonaro, vamos ser justos…

    Responder

    Tiago Silva

    21 de março de 2021 às 22h25

    Alexandre Neres, parece difícil fazer tantos alertas para os Ciristas que frequentam esse site, mas mesmo com João Santana vão preferir não enxergar o óbvio.

    Infelizmente, o óbvio é que Ciro está sendo utilizado ou deliberadamente atuando para que a disputa da Presidência em 2022 seja algo análogo às eleições da Câmara em que foram engolidos pela Baleia (Rossi) e que se buscava ter apenas como opções a Direita NeoNazista (Neoliberal e NeoNazista) do Bozo em relação à Direita Golpista NeoFascista (Neoliberal e Neo Fascista). É uma busca atabalhoada em se buscar reposicionar a marca PSDB/DEM/Centrão para que consigam ser o outro polo que polarizar ia com o Bozo. A Emissora Plim Plim fez essa estratégia com o Parlamentarismo de Fato liderado pelo PSDB/DEM (Aécio, Cunha, Maia, etc), depois com Dória, mas tenta desesperadamente alguém mais competitivo com Moro ou Leite ou Mandetta… E parece que Ciro se coaduna com essa busca de renovar a marca PSDB.

    Daí, com essa estratégia equivocada e amplamente possibilidade pela grande mídia (PIG e este site também) em insuflar o antipetismo, Ciro se mostra ainda mais não confiável para a Esquerda e não será votado pela Direita que nem o teria como voto útil….O máximo que Ciro fez foi virar escada do juiz corrupto do Sérgio Moro ao invés do contrário.

    Se para o PT, João Santana valeu todos os valores pagos… Para o Ciro deveria pagar o dobro para João Santana e mesmo assim com a chance de continuar a ter a estratégia equivocada continuada.

    Enquanto Ciro não descortinar a Farsa a Jato e o Corrupto Moro (também candidato do PSDB) para a classe média radicalizada, principalmente no Sul…. Ciro apenas cai em relação a Moro e apenas ajuda a esquerda em não ter candidato no segundo turno (ajudando inclusive nessa refundacao ao PSDB que parece que Ciro ainda tem tanta afetividade).

    Responder

    ARY BOREL DE AGUIAR NETO

    22 de março de 2021 às 07h37

    Parabéns meu amigo, belo texto!

    Responder

    Tiago Silva

    22 de março de 2021 às 08h31

    E a pesquisa datafolha de hoje indica esse óbvio: Ciro Gomes não consegue avançar nas pesquisas porque o voto de classe média, homens, moradores do Sul e empresários concentraram no Capetão Bozo em 2018 e agora fluem para o juiz corrupto do Sérgio Moro… E por isso Ciro não passa de algo em torno de 10%!!!

    Os eleitores históricos do PT (algo em torno de 25% a 30%) perdem a confiança em Ciro como voto útil, enquanto que os votos de classe média arrependidos do Capetão fluem para o juiz corrupto do Moro…

    E era tão simples, focar a verborragia no Politiqueiro do Moro (que inclusive é péssimo em simpatia e péssimo em debate) para que a classe média se arrependesse também e Ciro pudesse se viabilizar como terceira via em algo em torno de 20% a 25% (podendo ir a segundo turno, caso o Capetão despenque ou ser o candidato de esquerda mais habilitado em ganhar no segundo turno do capetão caso Lula não concorresse em 2022).

    Infelizmente Ciro desperdiçou essa oportunidade quando apenas quis ser a “Esquerda que a Direita gosta” ao promover o antipetismo no PIG para uma classe média que flui para o Juiz criminoso do Moro.

    Ciro pode até ter boa capacidade de análise econômica, mas péssima capacidade de análise política.

    Responder

FABIO MAIA

21 de março de 2021 às 14h58

Típica capa do Estadão.parsbens Rosário.

Responder

Adevir

21 de março de 2021 às 13h52

É preciso q haja UMA terceira alternativa, de preferência boa, na próxima eleição, e não um monte de opções. Se 2022 for Bozo, o molusco e mais 1 ou 2 relevantes (o q quer q PCO, PSTU e conjeneres lançarem serão irrelevantes), pode dar coisa boa. Mas se der um monte de candidaturas “centristas”, é ctza q vai dar Mula e Bozo no 2° turno.

Responder

José Gerardo Damasceno

21 de março de 2021 às 13h40

Esse pessoal parece que não faz a leitura de outras possibilidades, veja bem a algumas semanas atrás, muitos tinham com certa a reeleição do genocida, bastou a anulação dos processos de Lula para que o quadro mudasse, e lha que a anulação dos processos já estava no radar devido a vaza jato. Agora com o quadro se deteriorando para o governo, o Brasil cada vez mais como paria do mundo. Dificilmente o atual ocupante da presidência estará polarizando coisa nenhuma, a disputa será entre o quadro do PT e um outro, o Genocida estrá fora desta disputa

Responder

    Adevir

    21 de março de 2021 às 18h34

    Se tiver muitos nomes na disputa (o q vier do PCO, PSTU, DC e assemelhados nao conta) o 2° turno será entre Bozo e Lula, pode ter ctza disso.

    Responder

      Ugo

      22 de março de 2021 às 14h49

      Lula nao se canditarà a nada, colocarà mais um poste.

      Responder

        Adevir

        24 de março de 2021 às 22h59

        Dá no mesmo.

        Responder

Romeu kerber

21 de março de 2021 às 13h28

Com certeza irão apoiar outro idiota entreguista compromissado com a destruição do Brasil. Nossos empresários ainda não perceberam que candidatos de direita são destruidores da indústria nacional.

Responder

    Tânia

    21 de março de 2021 às 18h30

    Bobagem.

    Responder

    Renato

    22 de março de 2021 às 02h56

    Saudades de Dilma, a estúpida, e as 191 mil empresas fechadas em 2015 .

    Responder

    Tony

    22 de março de 2021 às 14h46

    Desde quando existem industrias no Brasil…?

    Responder

Ronei

21 de março de 2021 às 13h27

A “polarizaçào” é a tentativa de criar uma “terçEira via” que nao esiste.

em qualquer pais de mocratico a disputa é entre esquerda e direita (quem finge de estar no muro sempre cai a esquerda).

Alguem ouviu falar de polarizaçào na eleiçoes do EUA onde hà somente democratas e republicanos ?

Responder

    Tony

    21 de março de 2021 às 18h07

    Existe é com X.

    “onde hà somente democratas e republicanos”, comeu cocô, foi???

    Responder

Deixe uma resposta