Cafezinho & Cinema: conversa com Ducca Rios, diretor de Meu Tio José

Temer, Cunha e o “quadrilhão do MDB” são absolvidos pela Justiça

Por Redação

05 de maio de 2021 : 21h49

O ex-presidente Michel Temer (MDB), o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (MDB-RJ) e o ex-ministro do Governo Dilma, Geddel Vieira Lima, foram absolvidos pela Justiça Federal da primeira região.

Além desses três, o empresário José Yunes e mais oito integrantes do “quadrilhão do MDB” também foram beneficiados com a decisão.

O Ministério Público Federal (MPF) apresentou uma denúncia acusando o grupo de integrar uma organização criminosa com objetivo de arrecadar suborno através da Petrobras, Caixa Econômica Federal, Câmara dos Deputados e o próprio governo Dilma na época.

No seu despacho, o juiz Marcus Vinicius Reis Bastos disse que a denúncia apresentada pelo MPF não permite concluir a existência de uma “associação com divisão de tarefas, hierarquia e estabilidade” pontos típicos de uma quadrilha.

“A denúncia apresentada, em verdade, traduz tentativa de criminalizar a atividade política. Adota determinada suposição —a da existência de ‘organização criminosa’ que perdurou entre ‘meados de 2006 até os dias atuais’— apresentando-a como sendo a ‘verdade dos fatos’, sequer se dando ao trabalho de apontar os elementos essenciais à caracterização do crime de organização criminosa”, despachou.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

05 de maio de 2021 às 22h29

Acho que, realmente, falta ao MPF um “modus operandi” mais rígido, estabelecido em protocolos, pra tornar a denúncia mais verossímil, mais segura e efetiva. Mas, ao mesmo tempo, não dá pra deixar de observar que a absolvição desses senhores é, e sempre será, suspeita…

Responder

Deixe uma resposta