Cafezinho & Cinema: conversa com Ducca Rios, diretor de Meu Tio José

Ferrajoli no IREE: “Lava Jato desviou curso da democracia brasileira”

Por Redação

17 de maio de 2021 : 09h55

Nesta sexta-feira, 14, o professor italiano de Filosofia do Direito e de Teoria Geral do Direito, Luigi Ferrajoli, um dos intelectuais do mundo jurídico mais respeitados do mundo, disse que a operação Lava Jato alterou o caminho natural da democracia brasileira ao colaborar indiretamente com o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff e com a prisão o ex-presidente Lula (PT) que foi impedido de se candidatar em 2018.

Ferrajoli participou do evento do Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa (IREE). Com a mediação de Walfrido Warde, o webinar teve como tema “A democracia constitucional e os seus inimigos”.

Durante sua explanação no evento, Ferrajoli afirmou que considera a decisão do Supremo Tribunal Federal que devolveu os direitos políticos de Lula além da seara política e eleitoral. “É o restabelecimento das garantias para um processo justo. Não é um ato criticável. Temos que afirmar direitos de acordo com a Constituição”, disse.

Alem de Walfrido, também participaram do evento a advogada e jornalista Paola Ligasachi, o advogado e diretor do IREE, Rafael Valim, e o advogado do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin. Para Zanin, Ferrajoli afirmou que os métodos da Lava Jato não seriam, de forma alguma, aceitos na Itália, seu país de origem.

“O que o senhor me contou é inacreditável. Até escuta de conversas aconteceu. É um ilícito grande. Na Itália, é prevista a recusa nos tribunais, daquilo que chamamos de processo ofensivo, em que os juiz se torne inimigo do réu. Isso vai contra o próprio processo do direito e torna a função de juiz ilegítima, pois traz um fator de descredito”, ressaltou.

O ex-juiz não tem dúvidas de que a Lava Jato agrediu o Estado Democrático de Direito e apontou o impedimento de Dilma, prisão de Lula e a eleição de Bolsonaro como efeitos fatais na democracia brasileira.

“A campanha da imprensa promovida contra o Partido dos Trabalhadores e contra Lula, além do impeachment de Dilma são desvios. O tempo do processo foi alterado para impedir que Lula fosse candidato à Presidência. Foi uma interferência do jogo democrático”, disse.

Sobre Bolsonaro, Ferrajoli disse que “hoje vemos as consequência disso”.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

17 de maio de 2021 às 22h32

“Hoje vemos as consequências disso”: fato!

“O ex-juiz não tem dúvidas de que a Lava Jato agrediu o Estado Democrático de Direito e apontou o impedimento de Dilma, prisão de Lula e a eleição de Bolsonaro como efeitos fatais na democracia brasileira”. Indiretamente, é fato (foi um golpe parlamentar comandado pelos políticos investigados. Na realidade, queriam livrar a própria cara, já que Dilma, acuada e temerosa, não os contemplava com as medidas requeridas de contenção das investigações).

O resto é narrativa…

Responder

Bandoleiro

17 de maio de 2021 às 10h54

Era sò votar para o poste de Lula como foi em 2010 e 2014…mas isso nao aconteceu, porque os brasilerios nao fizeram isso ?

Lula nao queria se candidatar em 2018, foi obrigado quando viu que os processos contra ele estavam indo para frente e poder ter a narrativa da sentencia politica. A cada sentencia favoravel do STF Lula entra em desespero pois o empurra para uma candidatura da qual claramente nao tem nenhum interess.

Responder

Alexandre Neres

17 de maio de 2021 às 10h49

Ora, ora. Por que esses garantistas renomados mundo afora se atrevem a dar pitaco no Brasil? Eles não entendem nada do nosso país. Nunca leram o Merval Pereira, tampouco o primoroso livro do Vladimir Netto, filho da Míriam Leitão, sobre o Moro. Não pegaram as notícias fresquinhas em primeira mão do Fausto Macedo. O bom é que não tinha investigação nenhuma, já vinha tudo da fonte. Por anos a fio, acompanhamos os dutos do esgoto dos quais jorravam dinheiro em pleno JN.

Basta de mimimi! Por que Guardian, Le Monde e New York Times não vão se informar direito? Ora bolas, foi a maior roubalheira que houve no mundo inteiro. Será que não acompanharam as notícias?

Responder

Deixe uma resposta