Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

O bom senso vencerá Bolsonaro?

Por Miguel do Rosário

03 de junho de 2021 : 20h34

A decisão do Exército de não punir o ex-ministro da Saúde e general Eduardo Pazuello é uma vitória de Pirro do presidente Jair Bolsonaro.

Vitória de Pirro, para quem não se lembra, é aquela onde você ganha a batalha, mas a um custo tão alto que é pior do que uma derrota.

Bolsonaro é o Comandante em Chefe das Forças Armadas, portanto é o superior hierárquico do comandante do Exército, o general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira. Este não precisa de uma ordem direta de Bolsonaro para entender perfeitamente qual é a opinião e o desejo do presidente em relação ao tema.

Em tempos de anarquia nas redes sociais, pode parecer que a opinião pública não tem mais importância.

Mas tem.

A opinião pública ainda dirige os rumos da democracia, porque ela é quem decide quem será eleito, quem será preso, quem será alijado do processo político.

E agora foi criado mais um constrangimento entre o Exército e a opinião pública.

Segundo o Datafolha, 54% dos brasileiros acham que os militares não deveriam ter cargo no governo.

Quando olhamos esses números mais de perto, percebemos a mesma dinâmica que já viemos detectando em outros pontos dessa e de outras pesquisas: a perda de apoio de Bolsonaro junto tanto as camadas populares, que são as que dão voto, como junto aos mais instruídos e com maior renda, que são os que organizam o mercado da opinião pública.

Entre pessoas com renda até dois salários, 56% responderam que os militares não deveriam ter cargo no governo.

Entre os mais instruídos, com ensino superior, 58% acham que militares não deveriam ter cargos.

Esse constrangimento pode ser o ingrediente que faltava para se deflagrar, dentro das Forças Armadas, um movimento de oposição ao presidente. Ele começa silencioso, mas virá a tôna a qualquer momento.

O apoio a Bolsonaro dentro das próprias Forças Armadas tenderá a ficar cada vez mais problemático, na medida em que o bom senso fizer o seu trabalho implacável.

Bolsonaro, como sempre, ajuda a prejudicar sua própria imagem, fazendo pouco caso de todos os seus críticos, que estão ganhando força na mídia, no Senado, no Congresso, no judiciário, em toda a parte.

Hoje, em live, o presidente decidiu cuspir no rosto do bom senso mais elementar, ao afirmar que a participação de Pazuello no ato de Copacabana, em apoio a Bolsonaro, não foi “político”. Para ele, “político” seria apenas se as pessoas portassem bandeiras vermelhas. É o mesmo tipo de lógica que estamos testemunhando nas falas dos senadores bolsonaristas: o desprezo à lógica e aos fatos.

Além disso, Bolsonaro produz mais uma dessas pérolas fascistas, ao tentar explorar, ao máximo, esse elemento cultural de “ódio à esquerda” e “medo do comunismo”.

Mas o Brasil não é Estados Unidos. Aliás, mesmo nos EUA, esse “fantasma do comunismo” não vem colando mais tanto, vide a quase vitória de Bernie Sanders, auto-intitulado socialista, nas prévias do Partido Democrata.

Muitas pesquisas revelam que, mesmo setores conservadores da população brasileira, como os evangélicos, já começam a se afastar de Bolsonaro. No último Datafolha, Bolsonaro tem 33% de ótimo e bom entre evangélicos, mas 35% de ruim e péssimo.

O bom senso nem sempre prevalece, mas ele tem uma força natural incontestável. E está ficando cada vez mais difícil para Bolsonaro demonstrar aos eleitores que o possui.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

dcruz

04 de junho de 2021 às 14h31

Não mem faça rir. Pedir bom senso aos bovídeos que colocaram o genocida no poder?

Responder

Daniel

03 de junho de 2021 às 23h03

Elegeram 2 vezes uma retardada como a Dilma porque o Lula mandou votar nela e se acham gente com bom senso…

Responder

Paulo

03 de junho de 2021 às 22h26

Acho estranho, honestamente, a pesquisa apontar que a maioria dos evangélicos rechaça Bolsonaro. Se isso fosse verdade, o Capetão não teria 1/3 do eleitorado, idealmente, a seu favor…

Responder

Oblivion

03 de junho de 2021 às 22h12

A esculhambação desse país é tamanha q o simples fato de um verme incompetente fazer tanta mer… e ainda ter o apoio das fa (risos de tao patéticos) e de parte da populacao instruida pelo professor (risos) olavo de carvalho já diz tudo…

Responder

Cuban

03 de junho de 2021 às 21h07

Que Pazuello tenha sido absolvido ou não interessa a zero pessoas, não faz diferença alguma.

Responder

Willy

03 de junho de 2021 às 21h06

Não é bem assim…se dependesse da opinião pública Lula, Dirceu, Palocci, Eduardo Cunha e mais um monte de tranqueiras hoje estariam apodrecendo na cadeia.

Responder

Ronei

03 de junho de 2021 às 21h02

“petrolão”

Responder

Ronei

03 de junho de 2021 às 21h02

Eu acho que bom senso e reeleger como prêmio pela conduta quem promoveu o mensalão, o petróleo e mais um monte de porcarias imundas…eles sim entendem de democracia.

Responder

Duda

03 de junho de 2021 às 21h00

Tomara.
Que vença Lula tbm.

Responder

Deixe um comentário