Paris Café: e aí, Brasil, para onde vamos?

Bia Kicis: “Eu faço questão de 100% de impressoras nas urnas”

Por Redação

07 de junho de 2021 : 18h43

A deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) é a autora da PEC do voto impresso, que está em discussão numa comissão especial da Câmara dos Deputados.

Ela também é presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a mais importante da Câmara dos Deputados.

Em entrevista a Folha, ela sinalizou que Bolsonaro realmente vai tentar usar a bandeira do voto impresso para desacreditar o processo eleitoral de 2022.

“Eu, como autora da PEC, faço questão de 100% de impressoras nas urnas; repudio uma implementação gradual, que vai legitimar uma possível fraude”, diz Kicis.

Se houver apenas um projeto-piloto, com transformação de parte das urnas, “nós vamos continuar dizendo que é ilegítimo sim, vamos continuar desconfiando”, diz a deputada.

A deputada acha que mudar o sistema gradualmente vai deixá-lo ainda mais vulnerável a fraudes.

“Se 10% das urnas imprimirem o voto, e 90% não, os potenciais invasores vão fraudar as urnas sem impressão, onde não podem ser detectados. É como o ladrão que não rouba a casa onde sabe que há armas”, diz Kicis.

Vários especialistas consultados pela Folha afirmaram que é impossível mudar todo o sistema.

Ana Cláudia Santano, coordenadora geral da Transparência Eleitoral Brasil, não acha que a aprovação da PEC neste momento vá pacificar os ânimos.

“Sou pessimista. Acho que teremos questionamento da legitimidade da eleição tendo ou não o comprovante de papel na eleição, porque isso entrou na mentalidade de certos grupos”, diz Santano, que é professora de direito eleitoral na UniBrasil.

Opinião do blog: A mudança do sistema iria custar mais de R$ 2 bilhões e acrescentar uma complicação a mais no sistema de apuração, que ficaria mais demorado, caro e inseguro.

Há formas muito mais inteligentes e modernas de se auditar o voto, e que não passam pela impressão. O mundo moderno precisa de dados puramente digitais, que possam ser analisados e cruzados por computadores e inteligência artificial. Papel – que destroi árvores – é um luxo que devemos guardar apenas para imprimir bons livros.

Além do mais, o blockchain já foi inventado. Dados não podem mais ser corrompidos com facilidade.

Imagine um planeta com 8 (daqui a pouco chegaremos a 9) bilhões de pessoas vivendo uma democracia global baseada no voto em papel? Onde vamos achar tantas árvores?

A justificativa de que a Índia adotou me causa arrepios, porque é simplesmente inacreditável que alguém considere inteligente que um país com quase 1 bilhão de eleitores adote um sistema impresso, que será infinitamente mais custoso, demorado e inseguro do que um sistema inteiramente eletrônico.

Desde quando a Índia virou referência para o Brasil? Não podemos, ao menos numa coisa, ser referência de agilidade, modernidade e confiança na tecnologia?

O que é bom da Índia, como o investimento público em tecnologia, siderurgias e refinarias, a gente não copia. O que é ruim, sim, a gente copia avidamente? O que mais vamos copiar? Castas?

Na reportagem da Folha, assinada pela jornalista de Patricia Campos Mello, o vice-procurador-geral eleitoral, Renato Brill de Góes, afirma  que a proposta de voto impresso é “teoria da conspiração aliada a negacionismo da tecnologia”, e que o objetivo da PEC é “manipular e insuflar determinados segmentos da população e criar um estado de confusão mental emocional ou passional sobre a realidade dos fatos”.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marco Vitis

08 de junho de 2021 às 11h41

MIGUEL: não há nenhuma necessidade de imprimir TODOS os votos, de ter impressora em TODAS as urnas para fins de AUDITORIA. Basta que 1% ou 2% das urnas, escolhidas aleatoriamente pelos partidos políticos, tenham o “voto impresso” (conferido pelo eleitor, inacessível e depositado numa urna lacrada – para fins de eventual auditoria).
MIGUEL: pare com esse argumento tosco “quantas árvores serão destruídas”… Você está dando idéia para os agentes da ignorância. Já tentaram aumentar os tributos sobre livros…

Responder

carlos

08 de junho de 2021 às 08h54

Ser a que essa maluca sabe que o voto é secreto? Auditar a urna concordo, mas voto aberto, caberia um plebiscito, ou um referendo.

Responder

    Rumo

    08 de junho de 2021 às 23h28

    Quem está demonstrando ter problemas cognitivos aqui é você, Carlos, já que ngm nunca falou em acabar com o voto secreto.

    Responder

Kleiton

08 de junho de 2021 às 08h32

Essa tem que ser enforcada

Responder

    kledir

    09 de junho de 2021 às 01h20

    O mesmo a vc.

    Responder

Ronei

07 de junho de 2021 às 23h44

Espantalho do kct kkkk

Responder

Deixe uma resposta