Paris Café: O PT tem um projeto de governo? Qual é?

Boulos: “A história do voto impresso é mais um bode na sala”

Por Redação

19 de junho de 2021 : 08h23

O ex-candidato a prefeito de São Paulo e líder do MTST, Guilherme Boulos (PSOL), afirmou que o tema do voto impresso é mais um “bode na sala” imposto por Jair Bolsonaro para tumultuar o ambiente democrático no Brasil e disse que o ex-capitão fará resistência para entregar a faixa presidencial.

“Alguém imagina o Bolsonaro passando a faixa presidencial para alguém? Ele não vai fazer isso. A história do voto impresso é mais um bode na sala que ele coloca para tentar criar ambiente para aventuras autoritárias no país”, disse em entrevista ao Poder360.

Boulos também acredita que ainda é possível um impeachment antes das eleições de 2022.

“Bolsonaro não apresenta saída para a crise econômica. Bolsonaro não apresenta saída para a pandemia. O Brasil está jogado à própria sorte, em um desgoverno. Isso cria um ambiente em que as pessoas querem a saída do Bolsonaro”, observou.

Sobre as manifestações do dia 29 de maio e as que devem acontecer neste sábado, 19, o psolista analisou que “não dá para esperar até 2022 passivamente” e que há como comparar com os “desfiles da morte” promovidos por Bolsonaro.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Liliana

19 de junho de 2021 às 11h13

Se o objetivo e só tumutuar, por que não dobrar a aposta. Por que dá margem de manobra?

Sabe o engraçado dessa história, esta pauta era de esquerda. Aprovado do Congresso em 2015, sancionado pela Dilma e vetado pelo STF. O que mudou de lá para cá para a os progressistas?, Só por que agora o Bolsanaro se apropriou desta pauta? Era para ser já utilizado em 2018, talvez o enredo da nossa trágica história seria outro. Vamos deixar o discurso de fraude vencer? Ele constetar o pleito ano que vem?

Responder

Deixe uma resposta